julho de 2020
dstqqss
2829301234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930311
2345678
PROGRAMA
Ciclos
Pesquisa
CICLO
A Cinemateca com o DocLisboa: Chantal Akerman


Autora de uma vasta obra que ultrapassa já os quarenta filmes que cruzam o documentário e a ficção, Chantal Akerman é uma das mais importantes cineastas da atualidade. Partilhando o espírito de uma geração pós-Nouvelle Vague, as suas obras revelam uma experimentação narrativa, uma inventividade formal e um rigor na observação documental da realidade, que fazem delas objetos únicos, que se distinguem pela relação complexa que mantêm com tudo o que filmam. Nascida na Bélgica em 1950, o visionamento de PIERROT LE FOU terá sido determinante para a vontade de Akerman de fazer cinema. SAUTE MA VILLE, a sua “explosiva” primeira curta-metragem (que abre o programa da Cinemateca) convoca, desde logo, um conjunto de questões a que será fiel ao longo dos anos: a importância das vivências pessoais para um cinema imbuído de uma profunda dimensão autobiográfica; um burlesco devedor do “mudo”; um olhar crítico sobre a representação feminina; e uma certa virulência que, aliada ao cómico, será portadora de uma verdadeira singularidade. No início da década de 70, a partida de Akerman para os Estados Unidos ditará uma maior reflexão sobre as formas cinematográficas, que se manifestará diretamente em filmes como LA CHAMBRE, HOTEL MONTEREY e NEWS FROM HOME. A própria Akerman escreverá a esse propósito: “O encontro com os Estados Unidos, ou mais concretamente com Nova Iorque foi tão interessante como PIERROT LE FOU... Nova Iorque e alguns filmes como os de Michael Snow (WAVELENGHT, LA REGION CENTRALE), Brakhage, etc.” As influências do cinema estrutural, e em concreto da obra de Snow, são bem notórias no seu “período americano” e na herança que deixam para o futuro, mas será importante referir um outro encontro determinante: o com Babette Mangolte, que assina a fotografia destes três filmes, e que se tornará uma colaboradora habitual. De regresso à Europa, Akerman realizará JEANNE DIELMAN… que, pela sua radicalidade e minimalismo, marcará decisivamente a sua obra, inscrevendo o seu nome ao lado dos maiores vultos do cinema moderno. A comédia musical ficará associada aos anos 80 (GOLDEN EIGHTIES e toda uma série de filmes-satélite como LES ANNÉES 80 ou FAMILY BUSINESS) e é na década de 90 que inicia uma “série” de importantes documentários sobre lugares longínquos, como D’EST (1993), SUD (1999) e DE L’AUTRE CÔTÉ (2002). Em paralelo realiza alguns dos seus mais ambiciosos filmes de ficção (UM DIVÃ EM NOVA IORQUE, A CATIVA, AMANHÃ MUDAMOS DE CASA), todos com estreia em Portugal. LA FOLIE ALMAYER, a sua mais recente longa-metragem, tem estreia marcada para este mês.
Embora a Cinemateca tenha já exibido muitos dos filmes de Akerman, chegou agora a altura de uma retrospetiva integral organizada em parceria com o Doclisboa, que nos permitirá ver muitas raridades da sua filmografia e perceber o carácter multifacetado da obra da cineasta. A um conjunto de nove sessões, repetidas na Culturgest e na Cinemateca, soma-se assim um vasto programa que, iniciado em outubro, se prolongará na Cinemateca pelo mês de novembro.
 

 
22/10/2012, 19h00 | Sala Dr. Félix Ribeiro
Ciclo A Cinemateca com o DocLisboa: Chantal Akerman

Saute ma Ville | Je Tu Il Elle
de Chantal Akerman
duração total da sessão: 103 min
 
22/10/2012, 22h00 | Sala Luís de Pina
Ciclo A Cinemateca com o DocLisboa: Chantal Akerman

D'est
França, Bélgica, 1993 - 117 min
23/10/2012, 19h00 | Sala Dr. Félix Ribeiro
Ciclo A Cinemateca com o DocLisboa: Chantal Akerman

Hotel Monterey
de Chantal Akerman
Bélgica, 1972 - 63 min
23/10/2012, 22h00 | Sala Luís de Pina
Ciclo A Cinemateca com o DocLisboa: Chantal Akerman

Sud
de Chantal Akerman
França, Bélgica, 1999 - 70 min
24/10/2012, 19h00 | Sala Dr. Félix Ribeiro
Ciclo A Cinemateca com o DocLisboa: Chantal Akerman

Les Rendez-Vous d'Anna
de Chantal Akerman
França, Bélgica, Alemanha, 1978 - 127 min
22/10/2012, 19h00 | Sala Dr. Félix Ribeiro
A Cinemateca com o DocLisboa: Chantal Akerman

Em colaboração com o DocLisboa 2012 | Com o apoio especial da Cinémathèque Royale de Belgique
Saute ma Ville | Je Tu Il Elle
de Chantal Akerman
duração total da sessão: 103 min
sessão apresentada por Chantal Akerman

SAUTE MA VILLE
de Chantal Akerman
com Chantal Akerman
Bélgica, 1968 – 13 min / sem diálogos
JE TU IL ELLE
de Chantal Akerman
com Chantal Akerman, Niels Arestrup, Claire Wauthion
Bélgica, França, 1975 – 90 min / legendado eletronicamente em português
duração total da sessão: 103 min

Em SAUTE MA VILLE uma rapariga (interpretada pela própria Akerman) é assaltada por um verdadeiro frenesim doméstico que deriva no mais puro absurdo. Um filme onde a comédia herdeira do mudo encontra a tragédia. JE TU IL ELLE retrata uma mulher num momento de rutura amorosa. Sozinha no seu apartamento, em viagem estrada fora e em Paris, onde se encontra com a antiga amante, a protagonista (mais uma vez, Akerman), lida com a perda e o desânimo. O “je” refere-se a Akerman, o “tu” aos próprios espectadores, o “il” a um condutor de um camião com quem apanha boleia e o “elle” à sua “amante”. Filme pouco visto, é uma verdadeira prova do estatuto "independente" de Akerman.
 

22/10/2012, 22h00 | Sala Luís de Pina
A Cinemateca com o DocLisboa: Chantal Akerman

Em colaboração com o DocLisboa 2012 | Com o apoio especial da Cinémathèque Royale de Belgique
D'est
França, Bélgica, 1993 - 117 min
sem diálogos

Um belíssimo documentário sobre as transformações do quotidiano nos países de Leste, que enceta uma viagem desde a fronteira da Alemanha à Rússia, e do fim do verão ao mais profundo inverno. Trata-se de uma espécie de diário da viagem, de recordações e pessoas que aparecem em estações, paragens de autocarro, ou em longas filas de espera, com tudo o que tais situações evocam. Sem qualquer comentário e recorrendo a lentos travellings que alcançam um efeito quase hipnótico, D’EST é uma das suas mais emblemáticas obras de Akerman dos anos 90.

23/10/2012, 19h00 | Sala Dr. Félix Ribeiro
A Cinemateca com o DocLisboa: Chantal Akerman

Em colaboração com o DocLisboa 2012 | Com o apoio especial da Cinémathèque Royale de Belgique
Hotel Monterey
de Chantal Akerman
Bélgica, 1972 - 63 min
mudo
Repete em Novembro

HOTEL MONTEREY pode ser considerada a primeira obra de maior fôlego de Akerman. Tal como já acontecia com LA CHAMBRE, conta com a colaboração de Babette Mangolte, que assina a excelente fotografia. Centrando-se neste hotel nova-iorquino, que explora intensivamente desde o R/C ao terraço, o filme afirma-se como um estudo sobre um espaço arquitetónico, a luz e o tempo. O seu rigor formal, aliado ao mutismo fazem de HOTEL MONTEREY um trabalho único no cinema dos anos 70. Primeira exibição na Cinemateca.

23/10/2012, 22h00 | Sala Luís de Pina
A Cinemateca com o DocLisboa: Chantal Akerman

Em colaboração com o DocLisboa 2012 | Com o apoio especial da Cinémathèque Royale de Belgique
Sud
de Chantal Akerman
França, Bélgica, 1999 - 70 min
legendado eletronicamente em português

Inspirada pelos escritos de William Faulkner, Akerman propôs-se realizar um documentário sobre a beleza do Sul dos Estados Unidos, mas a sua viagem é assombrada pelo violento homicídio de James Byrd Jr., que ocorreu em Jasper, uma pequena cidade do Texas. Não se tratando da autópsia de um linchamento racista, o filme procura sobretudo inquirir como o acontecimento se inscreve numa determinada paisagem mental e física. Primeira exibição na Cinemateca.

24/10/2012, 19h00 | Sala Dr. Félix Ribeiro
A Cinemateca com o DocLisboa: Chantal Akerman

Em colaboração com o DocLisboa 2012 | Com o apoio especial da Cinémathèque Royale de Belgique
Les Rendez-Vous d'Anna
de Chantal Akerman
com Aurore Clément, Helmut Griem, Magali Nöel, Hans Zieschler, Lea Massari
França, Bélgica, Alemanha, 1978 - 127 min
legendado eletronicamente em português
Repete em novembro

Um filme errante e melancólico que trata da dificuldade de integração num lugar e numa época. Na Europa de finais da década de 70, Anna viaja de cidade em cidade para apresentar um filme seu. A viagem é marcada por diversos encontros. A protagonista, Aurore Clément, é uma espécie de “alter-ego” de Chantal e uma das presenças mais recorrentes no seu cinema.