Cofre de Filmes

Cofre de filmes em suporte acetato, ANIM
Fotografia: António Medeiros, 1998

Colecções

A colecção de imagens em movimento a cargo da Cinemateca é muito diversificada e inclui os mais diversos tipos de suportes. Analógicos e digitais. A totalidade de títulos identificados  actualmente em arquivo ascende aproximadamente a 33.000, correspondendo a mais de 70.000 elementos materiais inventariados. Perto de 50.000 correspondem a materiais fílmicos, nos diferentes formatos (35mm, 16mm, 9,5mm, 8mm e super 8mm). Os restantes materiais são vídeo, analógico ou digital.

Destes títulos, mais de 21.000 são de produção portuguesa. Uma pequena parte pertencendo ao universo das longas-metragens, com 988 títulos; e a maioria pertencendo ao universo das curtas-metragens (ficção, documentais, actualidades, filmes de família, etc).

As entradas destes títulos e respectivos materiais na colecção são resultado de diversos tipos de processo de aquisição. Entram através do regime de depósito voluntário, onde a política de prospecção activa tem sido muito importante, poderão entrar através de compra por parte da Cinemateca, também por oferta ou integração patrimonial e através de tiragem, no âmbito dos diversos programas de preservação do arquivo.

 

 26.jpg

Fotograma do filme Maria do Mar, de Leitão de Barros (1930). Cópia restaurada pela Cinemateca Portuguesa-Museu do Cinema em 2000

 

COFRES
 

O Departamento ANIM dispõe de espaços climatizados para o melhor acondicionamento dos suportes fílmicos e vídeo da sua colecção. Esses espaços dividem-se em três áreas diferentes, tendo em conta a natureza do suporte:

 

DEPÓSITO PARA FILMES EM SUPORTE DE NITRATO DE CELULOSE
O depósito para filmes em suporte de nitrato de celulose é um edifício isolado, com características construtivas específicas decorrentes da natureza deste suporte. Inclui 56 células de armazenamento com estrutura especialmente resistente, dotadas de alçapões de pressão (preventivos de propagação de combustão), portas corta-fogo, registos corta-fogo e climatização adequada. Com área construída de 425 m², para o acondicionamento de 11.000 bobinas, com temperatura de 12ºC e 40% HR.

DEPÓSITO PARA FILMES EM SUPORTE SAFETY (ACETATO E POLIESTER)

A área de acondicionamento de filmes em suporte safety engloba dois conjuntos de cofres construídos em épocas diferentes.

Um inicial, inaugurado em 1996, que engloba quatro cofres, com área total de armazenamento de 770 m², e com temperaturas que vão dos 4º C até aos 12ºC, sempre com a HR de 30%. Um novo, recentemente construído, que engloba cinco cofres, numa área total próxima dos 1.000 m², com as mesma características de construção dos primeiros e com parâmetros semelhantes de temperatura e de humidade relativa.

 

DEPÓSITO PARA SUPORTES VIDEOGRÁFICOS

Depósito construído com protecção contra interferências electromagnéticas externas, com uma área de 225 m² e com valores de temperatura e HR adequados para a conservação deste tipo de suporte (15º C e 50% HR).

Prospecção

Esta actividade de arquivo consiste no contacto permanente e de uma forma activa junto das diferentes entidades portuguesas possuidoras de suportes com imagens em movimento, prosseguindo o estabelecimento de contactos com produtores, realizadores, distribuidores e outros operadores cinematográficos por forma a fomentar a actividade de depósito voluntário na Cinemateca Portuguesa.
 

24.jpg

Fotograma do filme O Deserto de Angola, de António Antunes da Mata (1932)

 

DEPÓSITO
 

À semelhança de outros museus, a Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema incentiva ao depósito de colecções fílmicas detidas quer por particulares, quer por instituições públicas, de carácter científico ou educacional ou outro, mas também de colecções provenientes do circuito da distribuição comercial de cinema. Na ausência de legislação consagrando o depósito legal das obras fílmicas e sendo missão da Cinemateca a salvaguarda do património fílmico português, em que incluímos tanto filmes portugueses como o cinema exibido em Portugal, o depósito destina-se a assegurar não só a conservação estrita dos suportes fílmicos, como também, no caso de filmes portugueses, a possibilidade de através de operações de preservação assegurar a sua sobrevivência a mais longo prazo. O depósito para conservação na Cinemateca é voluntário e é um serviço que a Cinemateca, pelas razões atrás apontadas, presta gratuitamente. Como eventual contrapartida pela conservação dos suportes fílmicos, os quais através do depósito, continuam a ser propriedade dos respectivos Depositantes, a Cinemateca reserva-se a possibilidade de os utilizar no âmbito das suas actividades de carácter museológico, não comercial ou lucrativo, ou de proporcionar o seu visionamento a investigadores, devidamente credenciados. O depósito é regulado através de um Acordo, previsto na lei geral, adaptável caso a caso. Uma minuta desse acordo pode ser consultada na coluna da esquerda.

 

OFERTA, LEGADO E DOAÇÃO
 

Cabe à Direcção da Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema deliberar sobre a aceitação de Ofertas, Legados e Doações de materiais fílmicos, i.e., filmes ou equipamentos de filmar e projectar. Uma minuta do Auto de Doação pode ser consultada na coluna da esquerda.