novembro de 2017
dstqqss
2930311234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293012
3456789
PROGRAMA
Ciclos
Pesquisa
04/11/2017, 11h00 | Salão Foz
Cinemateca Júnior
As Técnicas do Cinema de Animação I – Recortes 2ª Edição
Atelier Família
conceção e orientação: Teresa Cortez

Dos 7 aos 12 anos | Duração: 2 horas

2,65€ criança | 6,00 adulto (presença facultativa)

O que é o cinema de animação? Será que posso fazer um filme em animação? Nestes ateliers vamos perceber que o cinema de animação pode ser feito de diversas formas. Além do desenho, podemos utilizar areia, pintura, recortes, objetos e pessoas, entre outros materiais. Vem experimentar esta técnica e fazer um pequeno filme em animação! Marcação prévia até 30 de outubro para cinemateca.junior@cinemateca.pt
 
04/11/2017, 15h00 | Salão Foz
Cinemateca Júnior
Offside
Fora-de-jogo
de Jafar Panahi
Irão, 2006 - 93 min
legendado em português | M/12
Foi o último filme realizado por Jafar Panahi antes da proibição de filmar de que foi alvo por parte do governo iraniano. Urso de Prata no Festival de Berlim em 2006, OFFSIDE inspira-se num acontecimento verídico para contar a história da detenção de uma rapariga que tenta assistir a um jogo de futebol no Irão, onde o acesso aos estádios é interdito a mulheres mas não é (ou não era) invulgar que as muitas adeptas assistissem aos jogos disfarçadas de homens. Rodado num estádio real durante um jogo de qualificação da seleção iraniana, trata-se de um filme extraordinário.
 
04/11/2017, 15h00 | Sala Luís de Pina
O Cinema e a Cidade III
Empire
de Andy Warhol
Estados Unidos, 1964 - 485 min
mudo, sem diálogos | M/12
Na sua versão integral EMPIRE apresenta 8 horas e 5 minutos de duração e consiste num plano fixo do famoso Empire State Building. Um filme marcante de Andy Warhol que retrata um dos grandes ícones de Nova Iorque, aqui assumido como uma representação metonímica da própria cidade. A duração de EMPIRE e as suas características fazem dele um caso único na história do cinema. Raramente projetado na sua totalidade, cada exibição é um acontecimento único. Rodado a 24 imagens por segundo, foi pensado para ser projetado à velocidade de 16 imagens por segundo, o que torna mais impercetíveis as mudanças. É apresentado pela primeira vez na Cinemateca na sua integralidade.
 
04/11/2017, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Double Bill
A Woman of Paris | Cluny Brown
duração total da projeção: 184 min | M/12
A WOMAN OF PARIS é acompanhado ao piano por Filipe Raposo

Entre os dois filmes há um intervalo de 20 minutos
A WOMAN OF PARIS
Opinião Pública
de Charles Chaplin
com Edna Purviance, Adolphe Menjou, Carl Miller, Lydia Knott
Estados Unidos, 1923 – 84 min / mudo, com intertítulos em inglês
CLUNY BROWN
O Pecado de Cluny Brown
de Ernst Lubitsch
com Jennifer Jones, Charles Boyer, Richard Haydn, Peter Lawford, Una O’Connor
Estados Unidos, 1946 – 100 min / legendado em português

Uma obra-prima de Chaplin, da qual a personagem de Charlot está ausente (Chaplin surge numa breve aparição não creditada, sendo a sua ausência do filme notada em advertência inicial aos espectadores). Se o melodrama sempre espreitou os seus geniais filmes burlescos, Chaplin assume-o inteiramente em A WOMAN OF PARIS, um dos seus filmes mais perfeitos, de grande influência nos anos vinte, a despeito do fracasso de bilheteira. CLUNY BROWN foi o último filme inteiramente realizado por Lubitsch (o derradeiro THAT LADY IN ERMINE foi completado por Preminger), para quem a descoberta do filme de Chaplin nos anos vinte foi decisiva. É uma obra corrosiva sobre uma jovem canalizadora que, por via da profissão, conhece um escritor polaco por quem se apaixona. Os tradutores portugueses que acrescentaram o “pecado” ao título lá teriam as suas razões. “Este é o filme de Lubitsch em que a câmara menos se move e em que o vazio ocupa mais lugar. Cineasta tão ligado ao prazer e à carne, é sintomático que tenha terminado filmando o tabu desse prazer e dessa carne, ou o grande escândalo – o pecado – da sua jamais pacífica coexistência” (João Bénard da Costa).
 
04/11/2017, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Hollywood B
Gun Crazy
Mortalmente Perigosa
de Joseph H. Lewis
com Peggy Cummins, John Dall, Berry Kroeger, Morris Carnovsky
Estados Unidos, 1949 - 86 min
legendado eletronicamente em português | M/12
A “arma” é o verdadeiro “fetiche” desta obra-prima de Joseph H. Lewis, quintessência do filme “negro”. A obsessão pelas armas é que empurra as personagens do filme para o mundo do crime, verdadeiro instrumento de domínio e também símbolo erótico.