agosto de 2020
dstqqss
2627282930311
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
303112345
PROGRAMA
Ciclos
Pesquisa
CICLO
As Variações de Hong Sang-Soo


Quando Hong Sang-soo (nascido em Seul em 1960) estreou a sua primeira obra em 1996, “O DIA EM QUE UM PORCO CAIU AO POÇO”, que os espectadores da Coreia do Sul começaram por estranhar e a Europa não tardou a descobrir com gosto a partir dos festivais de cinema, iniciou uma obra com impacto internacional que conta com 23 longas-metragens a esta data (uma por ano, mas não a essa cadência) e cujo conjunto constitui um muito singular trabalho do cinema contemporâneo. Esta retrospetiva integral no formato longo revisita-a, numa opção cronológica apenas rompida pelo filme de abertura, “CONTO DE CINEMA”, a sexta longa-metragem que, em 2005, coincidiu com o início do seu caminho na produção própria, assenta numa história de cinema de ecos pessoais de dois filmes em um, e em que experimenta pela primeira vez o zoom da forma peculiar que desde aí tem a sua assinatura. Nas palavras dele, pelos princípios da “ênfase, intimidade, trabalhar do ritmo no interior de um plano, sentido de alienação, economia de meios no tratamento de uma cena, etc.”
O zoom, que adotou quando era um procedimento em desuso, tornou-se uma imagem de marca, pontuando planos-sequência por norma longos, mas a experimentação de Hong Sang-soo é formal e narrativa. Desde o início e de uma maneira que importa um método de trabalho assente na cumplicidade de uma equipa aberta à sua liberdade de movimentos e decisões, na disponibilidade dos atores para se entregarem a rodagens sem rede em produções de baixo orçamento, contacto com as cenas a rodar em cima da hora: Hong Sang-soo dispensou cedo os guiões e desde “RECORDANDO A PORTA GIRATÓRIA” (2002) escreve as cenas e diálogos a rodar a cada dia de filmagens, integrando situações espontâneas (ações, gestos, diálogos ou a meteorologia), ensaiando com os atores pouco antes da filmagem, definindo as posições de câmara e os movimentos dentro do quadro in loco.
Essa experimentação verte-se em filmes que de modo geral lidam com o mesmo tipo de enredos, com o mesmo tipo de humor a temperar a tristeza e os enganos, uma simultânea crueza e delicadeza, variando repetidamente sobre os temas inteiramente humanos do relacionamento entre as pessoas, o amor, o desejo, a deceção, a perda, a frustração. Nos seus filmes, que não raro começam com a chegada de uma personagem algures e se movem em ambientes artísticos (à volta de professores, estudantes, pintores, escritores, muitos cineastas ou aspirantes a) a partir do quotidiano, boa parte da ação passa-se à mesa, com uma, duas, um grupo de personagens, em cafés e restaurantes de mesas fartas e muitos brindes, ou chávenas de café (GRASS, 2018), cujos exteriores são poisos para fumar cigarros, em momentos noturnos ou soalheiros, ao calor, à chuva ou à neve. Há cerveja e soju a rodos, a bebida tradicional coreana branca garante o torpor de muitas das personagens, mesmo quando se encontram “noutro país”, casos do parisiense NOITE E DIA (2008), do segmento alemão de “NA PRAIA À NOITE SOZINHA” ou do “filme de Cannes”, CLAIRE’S CAMERA (2017). A esta data, são a exceção à regra dos filmes realizados “no seu país”, mas toda a sua obra, tocando temas universais, tem alma coreana.
As variações de Hong Sang-soo consubstanciam-se de filme para filme, mas também no interior de cada filme. Além das recorrências, a obra é fértil em rimas (um exemplo: as praias de tantos filmes, o núcleo de “filmes de inverno”; outro tipo de exemplo: os reflexos digressivos de “A VIRGEM DESNUDADA PELOS SEUS PRETENDENTES” e SÍTIO CERTO, HISTÓRIA ERRADA, terceira e décima sétima longas) e numa propensão para andamentos binários (as duas partes desses e outros filmes; os dois filmes que compõem “CONTO DE CINEMA”; os dois capítulos da relação retratada em “RECORDANDO A PORTA GIRATÓRIA”; os dois países de NOITE E DIA; as duas incursões de COMO SE SOUBESSES TUDO, 2009; os dois relatos de visitas em (des)coincidência em HAHAHA, 2010) e até ternários (NOUTRO PAÍS, 2012). Alimentando-se da experiência pessoal do realizador e do que o crítico e programador argentino Quintín, autor da tirada “o mundo não é um avatar platónico, é um filme de Hong Sang-soo”, referiu inspiradamente como “uma espécie de imaginação matemática”, os filmes per se integram portanto a declinação, o desdobramento, a deriva na sua própria estrutura. Ainda Quintín, num texto de 2009 na Cinema Scope: “o segredo do seu cinema é permanecer verdadeiro ao falso: é por isso que as suas personagens perseguem a verdade como uma miragem que está sempre a mudar de lugar e de forma. Esse dispositivo formal é o que torna os seus filmes tão parecidos, mas de uma grande frescura e muito livres.”
“Os meus filmes não são feitos para contarem uma história mas para representarem fragmentos dela. Pego nesses ‘fragmentos’ e é deles que deriva toda uma estrutura centrada em situações quotidianas. Escolho a retórica adequada no interior dessa estrutura. E quando chego à rodagem começa um novo processo de descoberta.” São filmes abertos à alternativa, à infinidade dos mundos possíveis – outra expressão de Hong Sang-soo –, em que a materialidade e a “abstração” convivem num plano só dele, importando os tempos simultâneos da “realidade”, concreta, fantasiada ou sonhada, da memória, e uma atenção impressionista ao mundo e a pormenores variantes. “Tudo é ilusão, realisticamente falando. Tudo o que vemos, sentimos, imaginamos é real e simultaneamente falso. É uma ilusão, a distinção não é importante”, palavras de Hong numa entrevista de 2017. Para Hong Sang-soo, a perceção da distância da vida e dos ideais de vida, que afirma numa entrevista dez anos anterior ter tido por volta dos 20 anos de idade, é cinematograficamente fundadora: “Algumas personagens perseguem o ideal de lugares comuns ou são perseguidas por eles, mas quero que o meu olhar sobre as minhas personagens esteja liberto desses lugares comuns. Para elas, o conflito entre os ideais e a vida é muito doloroso. Mas toda essa dor é desnecessária. A essência do problema são os ideais, não a vida.”
Entre as suas grandes influências Hong Sang-soo cita acima de todas Cézanne, ou ainda escritores como Hemingway, Tchékhov e Dostoiévski. Dos gostos cinéfilos, refere normalmente Murnau, Dreyer, Ozu, Renoir, Buñuel, Rohmer (com cujo cinema, em França, tanto o comparam via “contos morais”), havendo que indicar também Eustache (pela linhagem da experiência pessoal) e Resnais (pelo trabalho da memória). Mas sobretudo Bresson. Aos 27 anos, uma projeção em Chicago, onde então estudava, de DIÁRIO DE UM PÁROCO DE ALDEIA de Robert Bresson, cujas Notas sobre o Cinematógrafo leu em seguida, foi uma revelação para o entendimento do cinema que queria e tem vindo a fazer. Descobriu a omnipresença da “graça” no sentido bressoniano do termo, e porventura a premissa “sans rien changer que tout soit différent”, que Godard declinou nas HISTÓRIA(S) DO CINEMA, “ne change rien pour que tout soit différent”. Não mudes nada para que tudo seja diferente.
 
As notas que se seguem prosseguem, filme a filme, a apresentação da obra de Hong Sang-soo. Esta retrospetiva acontece num momento de acalmia de Hong, cujo último filme, HOTEL BY THE RIVER, data de 2018.Mais informações sobre a biografia do realizador e a retrospetiva que decorre em dezembro de 2019 e janeiro de 2020 na brochura digital disponível em www.cinemateca.pt.
 
 
03/12/2019, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo As Variações de Hong Sang-Soo

Geuk Jang Jeon
“Conto de Cinema”
de Hong Sang-soo
República da Coreia, 2005 - 89 min
 
04/12/2019, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo As Variações de Hong Sang-Soo

Daijoga Umule Paginnal
“O Dia em que um Porco Caiu ao Poço”
de Hong Sang-soo
República da Coreia, 1996 - 115 min
04/12/2019, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo As Variações de Hong Sang-Soo

Kangwon-do Ui Him
“O Poder da Província de Kangwon”
de Hong Sang-soo
República da Coreia, 1998 - 110 min
05/12/2019, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo As Variações de Hong Sang-Soo

Oh! Soo-Jung
“A Virgem Desnudada pelos seus Pretendentes”
de Hong Sang-soo
República da Coreia, 2000 - 126 min
06/12/2019, 18h30 | Sala Luís de Pina
Ciclo As Variações de Hong Sang-Soo

Daijoga Umule Paginnal
“O Dia em que um Porco Caiu ao Poço”
de Hong Sang-soo
República da Coreia, 1996 - 115 min
03/12/2019, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
As Variações de Hong Sang-Soo
Geuk Jang Jeon
“Conto de Cinema”
de Hong Sang-soo
com Kim Sang-kyung, Uhm Ji-won, Lee Ki-woo, Lee Kyung-jin, Kim Myoeng-su
República da Coreia, 2005 - 89 min
legendado em inglês e eletronicamente em português | M/14
Obra charneira no trabalho de representação da experiência humana via o quotidiano, e de experimentação visual e narrativa de Hong Sang-soo, que convoca explicitamente o mundo do cinema em que muitos dos seus filmes posteriores se movem. É o filme em que usa pela primeira vez o zoom, a partir de então um elemento identificativo do seu cinema como procedimento disruptivo ou de reenquadramento brusco, jogando com a escala no interior do plano. É o último em que filma a sexualidade e a nudez, que a partir de então existem preferencialmente fora de campo nos seus filmes. Este “conto de cinema” de Seul (na versão internacional, TALE OF CINEMA) é composto em duas partes numa estrutura autorreflexiva – a projeção de um filme é o motor narrativo para o andamento seguinte, que acompanha um espectador convencido de que o argumento lhe foi “roubado” pelo realizador seu amigo, e a atriz do filme por cuja imagem fica obcecado. O “filme no filme” é uma suicidária história de amor juvenil. Primeira exibição na Cinemateca, em cópia digital.
 
04/12/2019, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
As Variações de Hong Sang-Soo
Daijoga Umule Paginnal
“O Dia em que um Porco Caiu ao Poço”
de Hong Sang-soo
com Bang Eun-hee, Cho Eun-sook, Kim Eui-sook, Lee Eung-Kyung
República da Coreia, 1996 - 115 min
legendado eletronicamente em português | M/16
Quatro personagens em deambulações e tangentes filmadas com a elaboração, rigor e experimentação do olhar de Hong Sang-soo a partir da intuição de que o mundo se faz mais de coincidências que de inevitabilidades. O título (na versão internacional THE DAY A PIG FELL INTO THE WELL) vem de um conto do escritor americano John Cheever (publicado em 1954 na The New Yorker) cujo enredo, distinto, se relaciona com a dimensão fungível da memória e a identificação, em diferido, dos momentos cruciais da vida de cada um. No filme, que põe em relevo a imaturidade emocional e o enclausuramento, o trabalho de mise-en-scène assenta no plano-sequência e na coreografia dos movimentos das personagens. Apresentado pela primeira vez na Cinemateca em 1999 como o aclamadíssimo filme de estreia de Hong Sang-soo e um caso exemplar do renascimento do cinema coreano. Em cópia digital.
 
04/12/2019, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
As Variações de Hong Sang-Soo
Kangwon-do Ui Him
“O Poder da Província de Kangwon”
de Hong Sang-soo
com Baek Jong-hak, Chun Jaehyun, Kim Yoosuk, Oh Yun-hong, Park Hyunyoung
República da Coreia, 1998 - 110 min
legendado em inglês e eletronicamente em português | M/16
A história de dois grupos de viajantes que se deslocam à província montanhosa e costeira de Kangwon (de fronteira entre as duas Coreias), numa peregrinação mais interior que geográfica. Os protagonistas de THE POWER OF KANGWON PROVINCE (título internacional do filme) são um homem e uma mulher cuja separação recente leva a uns dias de pausa na região turística que Hong Sang-soo filma como um espaço de desolação à medida do estado interior das personagens, que procuram o mesmo destino de “evasão” sem o saberem e sem se cruzarem pessoalmente. A experiência do par desfeito é peculiarmente construída em dois andamentos individuais, num paralelismo que revela desfasamentos, e numa montagem seca, despojada de sentimentalismo. Uma obra poderosa, apresentada pela primeira vez na Cinemateca em 2006 como um título de culto do novo cinema coreano.
 
05/12/2019, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
As Variações de Hong Sang-Soo
Oh! Soo-Jung
“A Virgem Desnudada pelos seus Pretendentes”
de Hong Sang-soo
com Lee Eun-ju, Mun Seong-kun, Cho Won-hee, Han Myeong-gu, Ho-Bong Jeong
República da Coreia, 2000 - 126 min
legendado eletronicamente em português | M/16
É o primeiro Hong Sang-soo a preto e branco, cromatismo a que os seus filmes só regressaram em 2011 (“O DIA EM QUE ELE CHEGA”) e em 2017/18, numa fiada de três. O título internacional – VIRGIN STRIPPED BARE BY HER BACHELORS – lembra o da obra de Marcel Duchamp, A Noiva Desnudada pelos seus Celibatários, Mesmo, referência a que Hong Sang-soo diz preferir a mera ressonância da frase. Seguindo a história triangular de uma mulher e dois homens, seus pretendentes, o filme é construído em duas partes numeradas em capítulos que podem ser versões distintas, consecutivas, ou um reflexo digressivo da memória (“Porventura Acidente” e “Porventura Intenção”). Prosseguindo um trabalho sobre elementos recorrentes, Hong filma repetições e episódios semelhantes, ou paralelos, adotando pontos de vista distintos na narrativa e na mise-en-scène. Primeira exibição na Cinemateca, em cópia digital.
 
06/12/2019, 18h30 | Sala Luís de Pina
As Variações de Hong Sang-Soo
Daijoga Umule Paginnal
“O Dia em que um Porco Caiu ao Poço”
de Hong Sang-soo
com Bang Eun-hee, Cho Eun-sook, Kim Eui-sook, Lee Eung-Kyung
República da Coreia, 1996 - 115 min
legendado eletronicamente em português | M/16
Quatro personagens em deambulações e tangentes filmadas com a elaboração, rigor e experimentação do olhar de Hong Sang-soo a partir da intuição de que o mundo se faz mais de coincidências que de inevitabilidades. O título (na versão internacional THE DAY A PIG FELL INTO THE WELL) vem de um conto do escritor americano John Cheever (publicado em 1954 na The New Yorker) cujo enredo, distinto, se relaciona com a dimensão fungível da memória e a identificação, em diferido, dos momentos cruciais da vida de cada um. No filme, que põe em relevo a imaturidade emocional e o enclausuramento, o trabalho de mise-en-scène assenta no plano-sequência e na coreografia dos movimentos das personagens. Apresentado pela primeira vez na Cinemateca em 1999 como o aclamadíssimo filme de estreia de Hong Sang-soo e um caso exemplar do renascimento do cinema coreano. Em cópia digital.