maio de 2020
dstqqss
262728293012
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31123456
PROGRAMA
Ciclos
Pesquisa
CICLO
70 Anos, 70 Filmes 2ª Parte: 35 Histórias do Cinema Contemporâneo (II)


Continuação da segunda parte do Ciclo com que assinalámos os 70 anos da formação da Cinemateca, acrescentando mais 18 “histórias do cinema contemporâneo” às 17 apresentadas em janeiro. O percurso, como então foi explicado, faz-se entre alguns nomes particularmente assinaláveis do cinema contemporâneo, realizadores de obras ainda em construção, muitos deles ainda um tanto “subterrâneos” para o grande público mau grado as provas de estima (da crítica, do circuito dos festivais) que têm recebido. De Valeska Grisebach a Wang Bing, passando pela África de Abderrahmane Sissako ou pelo Brasil de André Novais Oliveira, um passeio pela diversidade do cinema que se faz nos nossos dias, um contacto com “histórias”, intrinsecamente ricas, do cinema contemporâneo.
 
 
08/02/2019, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo 70 Anos, 70 Filmes 2ª Parte: 35 Histórias do Cinema Contemporâneo (II)

Lebanon
Líbano
de Samuel Maoz
Israel, França, Alemanha , 2009 - 92 min
 
11/02/2019, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo 70 Anos, 70 Filmes 2ª Parte: 35 Histórias do Cinema Contemporâneo (II)

Nana
Nana
de Valérie Massadian
França, 2011 - 68 min
12/02/2019, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo 70 Anos, 70 Filmes 2ª Parte: 35 Histórias do Cinema Contemporâneo (II)

Lebanon
Líbano
de Samuel Maoz
Israel, França, Alemanha , 2009 - 92 min
12/02/2019, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo 70 Anos, 70 Filmes 2ª Parte: 35 Histórias do Cinema Contemporâneo (II)

Ela Volta na Quinta
de André Novais Oliveira
Brasil, 2015 - 107 min | M/12
13/02/2019, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo 70 Anos, 70 Filmes 2ª Parte: 35 Histórias do Cinema Contemporâneo (II)

S 21 – La Machine de Mort Khmère Rouge
de Rithy Panh
França, Camboja, 2003 - 101 min
08/02/2019, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
70 Anos, 70 Filmes 2ª Parte: 35 Histórias do Cinema Contemporâneo (II)
Lebanon
Líbano
de Samuel Maoz
com Dudu Tassa, Itay Tiran, Michael Moshonov, Oshri Cohen, Reymond Amsalem
Israel, França, Alemanha , 2009 - 92 min
legendado em português | M/16
Quase integralmente rodado no interior de um tanque, é um filme concentrado no episódio da “Operação Paz na Galileia”, a invasão do Líbano no verão de 1982, retratado a partir da experiência pessoal do realizador como jovem soldado israelita. A ação foca quatro soldados que partem em direção a uma cidade fantasma libanesa já bombardeada pelas forças israelitas, e adota-lhes a perspetiva, registando o modo como a missão se transforma em pesadelo. “Tudo partiu de uma memória sensorial: o odor a carne queimada” (Samuel Maoz). LEBANON foi uma primeira obra, premiada com o Leão de Ouro em Veneza.
 
11/02/2019, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
70 Anos, 70 Filmes 2ª Parte: 35 Histórias do Cinema Contemporâneo (II)
Nana
Nana
de Valérie Massadian
com Kelyna Lecomte, Marie Delmas, Alain Sabras
França, 2011 - 68 min
legendado em português | M/12
Primeiro filme de Valérie Massadian, que entretanto deu sequência à sua obra como realizadora com MILLA, estreado entre nós no ano passado. NANA é um dos mais poderosos filmes sobre – e com – a infância vistos em muitos anos. Uma miúda de quatro anos fica sozinha em casa (numa zona rural francesa) e é como se tudo, o mais pequeno gesto, a mais anódina caminhada, correspondesse a uma aventura, e à descoberta do mundo (ou, para o espectador, redescoberta). Um filme extraordinário, assente no trabalho da sua espantosa pequena protagonista, talvez a presença infantil mais notável desde o já longínquo PONETTE de Jacques Doillon.
 
12/02/2019, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
70 Anos, 70 Filmes 2ª Parte: 35 Histórias do Cinema Contemporâneo (II)
Lebanon
Líbano
de Samuel Maoz
com Dudu Tassa, Itay Tiran, Michael Moshonov, Oshri Cohen, Reymond Amsalem
Israel, França, Alemanha , 2009 - 92 min
legendado em português | M/16
Quase integralmente rodado no interior de um tanque, é um filme concentrado no episódio da “Operação Paz na Galileia”, a invasão do Líbano no verão de 1982, retratado a partir da experiência pessoal do realizador como jovem soldado israelita. A ação foca quatro soldados que partem em direção a uma cidade fantasma libanesa já bombardeada pelas forças israelitas, e adota-lhes a perspetiva, registando o modo como a missão se transforma em pesadelo. “Tudo partiu de uma memória sensorial: o odor a carne queimada” (Samuel Maoz). LEBANON foi uma primeira obra, premiada com o Leão de Ouro em Veneza.
 
12/02/2019, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
70 Anos, 70 Filmes 2ª Parte: 35 Histórias do Cinema Contemporâneo (II)
Ela Volta na Quinta
de André Novais Oliveira
com André Novais Oliveira, Maria José Novais Oliveira, Norberto Novais Oliveira
Brasil, 2015 - 107 min | M/12
Um exemplo da vitalidade do jovem cinema brasileiro, e particularmente da sua vocação para jogar com a realidade e criar cruzamentos entre documento e ficção. Em ELA VOLTA NA QUINTA é a família do próprio realizador a “duplicar-se” na ficção (a mãe é a “mãe”, o pai é o “pai”, etc.), para uma história que, diz André Novais Oliveira, nada tem de “documento”. E assim, a partir da encenação de uma separação, o filme lança um olhar, justíssimo, sobre uma fatia da sociedade brasileira, captada a partir do seu reduto mais íntimo, a família. Primeira exibição na Cinemateca.
 
13/02/2019, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
70 Anos, 70 Filmes 2ª Parte: 35 Histórias do Cinema Contemporâneo (II)
S 21 – La Machine de Mort Khmère Rouge
de Rithy Panh
França, Camboja, 2003 - 101 min
legendado eletronicamente em português | M/12
O franco-cambojano Rithy Panh é hoje um dos mais conceituados nomes no universo do cinema documental. S-21 – LA MACHINE DE MORT KHMÈRE ROUGE é uma evocação das atrocidades do regime de Pol Pot, através da visita a uma prisão (a S-21) que era uma das “fábricas de morte” dos Khmers Vermelhos (ao todo, perto de dois milhões de cambojanos foram assassinados). Antigas vítimas reencontram antigos torcionários (agora empregados como guias na prisão, transformada em “monumento”), trazendo à superfície memórias que não podem ficar perdidas no tempo.