maio de 2020
dstqqss
262728293012
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31123456
PROGRAMA
Ciclos
Pesquisa
03/12/2018, 18h30 | Sala Luís de Pina
O Que Quero Ver

Por sugestão dos espectadores
Bhowani Junction
de George Cukor
com Ava Gardner, Stewart Granger, Bill Travers
Estados Unidos, 1956 - 110 min
legendado eletronicamente em português | M/12
O único filme de Cukor do pós guerra que não teve estreia comercial em Portugal, apesar de um elenco dominado por duas vedetas então muito populares: Ava Gardner e Stewart Granger. A razão está ligada ao tema (os conflitos pró-independência na Índia britânica), numa altura em que Portugal estava de relações cortadas com a União Indiana graças ao contencioso de Goa. Ampliando o escopo habitual do seu cinema (a história passa-se sobre o fundo da violenta divisão da Índia, quando esta se tornou independente), Cukor explora de forma fabulosa o Cinemascope para contar a história de uma mestiça dividida entre a educação britânica e as raízes indianas e temerosa da sua posição depois da independência do país.
 
06/12/2018, 18h30 | Sala Luís de Pina
O Que Quero Ver

Por sugestão dos espectadores
Bloody Mama
O Dia da Violência
de Roger Corman
com Shelley Winters, Don Stroud, Pat Hingle, Robert De Niro, Clint Kimbrough, Diane Varsi, Bruce Dern
Estados Unidos, 1970 - 84 min
legendado eletronicamente em português | M/12
Shelley Winters compõe um dos seus grandes papéis neste “biopic” da notória “Ma” Barker, que dirigia um bando de salteadores formado pelos seus filhos, na década de trinta do século XX, e que foi apontada como um dos “inimigos públicos” pelo FBI. Uma obra brutal, das mais cruas de Corman, por onde passam referências ao incesto. O filme tem um parentesco com BONNIE AND CLYDE, que Corman não recusa precisando o registo realista que o norteou em BLOODY MAMA: “A minha intenção não foi romantizar ou glorificar, mas permanecer próximo do que sentia ter sido a realidade. Tinha fotografias dos Barkers e sabia como eles eram – não eram bonitos.”
 
10/12/2018, 18h30 | Sala Luís de Pina
O Que Quero Ver

Por sugestão dos espectadores
Bloody Mama
O Dia da Violência
de Roger Corman
com Shelley Winters, Don Stroud, Pat Hingle, Robert De Niro, Clint Kimbrough, Diane Varsi, Bruce Dern
Estados Unidos, 1970 - 84 min
legendado eletronicamente em português | M/12
Shelley Winters compõe um dos seus grandes papéis neste “biopic” da notória “Ma” Barker, que dirigia um bando de salteadores formado pelos seus filhos, na década de trinta do século XX, e que foi apontada como um dos “inimigos públicos” pelo FBI. Uma obra brutal, das mais cruas de Corman, por onde passam referências ao incesto. O filme tem um parentesco com BONNIE AND CLYDE, que Corman não recusa precisando o registo realista que o norteou em BLOODY MAMA: “A minha intenção não foi romantizar ou glorificar, mas permanecer próximo do que sentia ter sido a realidade. Tinha fotografias dos Barkers e sabia como eles eram – não eram bonitos.”
 
11/12/2018, 18h30 | Sala Luís de Pina
O Que Quero Ver

Por sugestão dos espectadores
High Anxiety
Alta Ansiedade
de Mel Brooks
com Mel Brooks, Madeline Kahn, Cloris Leachman
Estados Unidos, 1977 - 95 min
legendado em português | M/12
Na série de paródias do cinema clássico que realizou, Mel Brooks volta-se aqui para Alfred Hitchcock, de quem são parodiadas algumas célebres sequências de THE BIRDS, PSYCHO e VERTIGO. Trata-se da história do novo diretor de uma instituição psiquiátrica, que é injustamente acusado de homicídio e deve confrontar-se à sua própria neurose: a “alta ansiedade” mencionada no título. Na Cinemateca, foi exibido uma única vez, em 1994.
 
12/12/2018, 18h30 | Sala Luís de Pina
O Que Quero Ver

Por sugestão dos espectadores
Die Ehe der Maria Braun
O Casamento de Maria Braun
de Rainer W. Fassbinder
com Hanna Schygulla, Ivan Desny, Klaus Löwitsch
Alemanha, 1978 - 120 min
legendado em português | M/16
Na obra de Fassbinder, O CASAMENTO DE MARIA BRAUN forma com LOLA e A SAUDADE DE VERONIKA VOSS uma trilogia sobre o período da reconstrução da Alemanha e do “milagre económico” da era Adenauer, tendo no centro de cada filme uma mulher, que acaba sacrificada ou autossacrificada. A ação de O CASAMENTO DE MARIA BRAUN começa durante a guerra, quando a personagem titular se casa. Ao voltar da guerra, o marido é preso e desaparece durante muitos anos. Entretanto, Maria Braun e a República Federal da Alemanha enriquecem e o surpreendente desenlace tem lugar algures na segunda metade dos anos cinquenta. Um dos filmes mais “grande público” da vasta obra de Rainer W. Fassbinder.