agosto de 2017
dstqqss
303112345
6789101112
13141516171819
20212223242526
272829303112
3456789
Ciclos
Pesquisa
CICLO
A Iniciação ao Cinema: Experiências e Reflexões


O programa procura promover uma reflexão sobre a iniciação ao cinema, e pretende discutir e lançar pistas para o importantíssimo trabalho desenvolvido e a desenvolver no que respeita à pedagogia e à transmissão do cinema, entendido como uma área fundamental do campo mais lato da educação artística.
Alain Bergala, que muito tem trabalhado sobre estas questões (ver informação na respetiva entrada), vem à Cinemateca apresentar cinco filmes que agrupou em torno do “tema” “Crescer no Cinema”. São eles: MOONFLEET, A PERFECT WORLD, PONETTE, "ONDE FICA A CASA DO MEU AMIGO?" e MES PETITES AMOUREUSES. O programa geral conta ainda com uma sessão dedicada à apresentação dos filmes finais desenvolvidos pelas escolas participantes no projeto educativo “Cinema, Cem anos de Juventude”, e encerra com a exibição de OHAYO / “BOM DIA”, longa-metragem de Yasujiro Ozu, que aborda admiravelmente a questão da infância numa sociedade em mudança.
Uma segunda vertente de “A Iniciação ao Cinema” é constituída por dois Encontros/Colóquios. O primeiro – “Observar, Imaginar, Filmar: O Cinema na Infância” – realiza-se no Institut Français du Portugal (dia 21, entre as 10h00 e as 16h30) e propõe a oportunidade para uma partilha de experiências entre participantes e responsáveis por vários programas de iniciação ao cinema, como Nathalie Bourgeois, responsável pelo Serviço Pedagógico da Cinemateca Francesa, representantes da associação Os Filhos de Lumière, representantes da Cinemateca Júnior, e responsáveis por vários outros projetos pedagógicos, nacionais e internacionais. O segundo Encontro – “Os Filmes da Minha Infância” / “Balanço, Reflexão, Perspetivas” – decorre na Cinemateca, no dia 23, entre as 14h30 e as 19h30. A projeção de OHAYO encerra todo o programa.

 

 
20/02/2013, 15h30 | Sala Dr. Félix Ribeiro
Ciclo A Iniciação ao Cinema: Experiências e Reflexões

Cinema, 100 Anos de Juventude | Curtas-metragens de escola
Portugal, 2012 -
 
23/02/2013, 21h30 | Sala Dr. Félix Ribeiro
Ciclo A Iniciação ao Cinema: Experiências e Reflexões

Ohayo
“Bom Dia”
de Yasujiro Ozu
Japão, 1959 - 94 min
20/02/2013, 15h30 | Sala Dr. Félix Ribeiro
A Iniciação ao Cinema: Experiências e Reflexões

EM COLABORAÇÃO COM OS FILHOS DE LUMIÈRE – ASSOCIAÇÃO CULTURAL E COM O INSTITUT FRANÇAIS DU PORTUGAL
Cinema, 100 Anos de Juventude | Curtas-metragens de escola
Portugal, 2012 -
Cinema, 100 Anos de Juventude

projeção seguida de conversa com os participantes do projeto

CURTAS-METRAGENS DE ESCOLA
de e com os alunos das escolas envolvidas

 

Apresentação dos filmes finais resultantes do trabalho de iniciação ao cinema promovido pela associação Os Filhos de Lumière com escolas de Serpa, da Moita e de Lisboa, no ano letivo de 2011/2012. “Qual a parte do real na ficção?” foi a questão que esteve na origem dos pequenos filmes desenvolvidos no âmbito do programa “Cinema, Cem Anos de Juventude”. A complementar o programa serão exibidos filmes realizados por alunos de outros países participantes. 
 

 

23/02/2013, 21h30 | Sala Dr. Félix Ribeiro
A Iniciação ao Cinema: Experiências e Reflexões

EM COLABORAÇÃO COM OS FILHOS DE LUMIÈRE – ASSOCIAÇÃO CULTURAL E COM O INSTITUT FRANÇAIS DU PORTUGAL
Ohayo
“Bom Dia”
de Yasujiro Ozu
com Keiji Sata, Yoshiko Kuga., Koji Shigaraki, Masahiko Shimazu
Japão, 1959 - 94 min
legendado em francês e eletronicamente em português
Encerramento do programa

Este filme pode ser considerado como uma variante, mas certamente não como um remake, de um dos mais célebres filmes de Ozu, UMARETE WA MITA KEREDO (“NASCI, MAS…”, de 1933). Mas, contrariamente à quase totalidade das obras-primas realizadas por Ozu na fase final da sua carreira, OHAYO não aborda o tema da dissolução de uma família, apenas um momento de crise. Dois miúdos fazem uma greve de silêncio para protestar contra o facto dos pais se recusarem a comprar uma televisão. A realização de Ozu, como sempre rigorosa e perfeita, tece um filme que, ao invés de mostrar o fim de uma vida, ou de uma família, mostra uma continuidade, a aceitação da mudança. Um dos filmes onde cineasta trabalha exemplarmente a cor.