agosto de 2017
dstqqss
303112345
6789101112
13141516171819
20212223242526
272829303112
3456789
Ciclos
Pesquisa
CICLO
Festival Temps d’Images: O Cinema à Volta de Cinco Artes, Cinco Artes à Volta do Cinema – Cinematografia II


Como em 2013, este ano a programação cinematográfica do Festival Temps d’Images, gira à volta do próprio cinema, e foi concebida por Pierre-Marie Goulet, Teresa Garcia, Ricardo Matos Cabo, Bernard Eisenschitz, com contribuições de Marcos Uzal, Cyril Neyrat e a colaboração da Cinemateca. E como é costume nesta programação, cada sessão aproxima filmes de épocas, e eventualmente de estilos, muito diferentes, estabelecendo paralelos, evidentes ou secretos. Poderemos assim rever grandes clássicos de Dreyer, Christensen, Stiller, Sjöström, Hitchcock, Sternberg, Mamoulian, Epstein, Vigo, Keaton, ao lado de obras de grandes nomes da vanguarda, de momentos dos primórdios do cinema, de filmes feitos diretamente sobre o cinema (sobre Abel Gance, Eric Rohmer ou Henri Alekan) e de trabalhos de autores tão diferentes quanto Pierre Creton e Rita Azevedo Gomes, num panorama que vem lembrar ao espectador que um filme nunca é uma obra inteiramente isolada, existe sempre em relação a outros filmes.

 
11/11/2014, 22h00 | Sala Luís de Pina
Ciclo Festival Temps d’Images: O Cinema à Volta de Cinco Artes, Cinco Artes à Volta do Cinema – Cinematografia II

AUTOUR DE LA FIN DU MONDE | LA FABRIQUE DE CONTE D’ÉTÉ
duração total da sessão:108 minutos | M/12
 
12/11/2014, 19h00 | Sala Dr. Félix Ribeiro
Ciclo Festival Temps d’Images: O Cinema à Volta de Cinco Artes, Cinco Artes à Volta do Cinema – Cinematografia II

REMAINS | EL SUR
duração total da sessão: 115 minutos | M/12
11/11/2014, 22h00 | Sala Luís de Pina
Festival Temps d’Images: O Cinema à Volta de Cinco Artes, Cinco Artes à Volta do Cinema – Cinematografia II

Em colaboração com o Festival Temps d’Images 2014
AUTOUR DE LA FIN DU MONDE | LA FABRIQUE DE CONTE D’ÉTÉ
duração total da sessão:108 minutos | M/12
sessão apresentada por Marcos Uzal

AUTOUR DE LA FIN DU MONDE
de Eugène Deslaw

com a presença de Abel Gance
França, 1930 – 15 min / legendado eletronicamente em português
LA FABRIQUE DE CONTE D’ÉTÉ
de Jean-André Fieschi e Françoise Etchegarray
com as presenças de Eric Rohmer, Melvil Poupaud, Amanda Langlet
França, 2005 – 93 min / legendado eletronicamente em português

Um programa com dois filmes sobre o cinema, mais exatamente sobre dois filmes específicos de dois cineastas franceses que tudo separa: o enfático e ingénuo Abel Gance, o refinado e ultracerebral Eric Rohmer. Eugène Deslaw capta, como diz o título, o que está à volta de LA FIN DU MONDE, obra de ficção científica de Gance, na qual antes que um cometa venha destruir a Terra um cientista consegue proclamar uma República Universal… Jean-André Fieschi, que foi uma das grandes assinaturas dos Cahiers du Cinéma nos anos 60 e realizou o clássico PASOLINI L’ENRAGÉ, aborda o trabalho de Rohmer no terceiro dos seus CONTOS DAS QUATRO ESTAÇÕES, num período em que o realizador mostrava personagens cada vez menos sofisticados, através de um sistema de cinema extremamente elaborado e pessoal, ultrassofisticado sob a sua aparente simplicidade.
 

12/11/2014, 19h00 | Sala Dr. Félix Ribeiro
Festival Temps d’Images: O Cinema à Volta de Cinco Artes, Cinco Artes à Volta do Cinema – Cinematografia II

Em colaboração com o Festival Temps d’Images 2014
REMAINS | EL SUR
duração total da sessão: 115 minutos | M/12

REMAINS
de Pierre Léon
França, 2014 – 20 min / legendado eletronicamente em português
EL SUR
de Victor Erice
com Omero Antonutti, Sonsoles Aranguren, Iciar Bollain, Lola Cardona, Rafaela Aparicio
Espanha, França, 1983 – 95 min / legendado eletronicamente em português

EL SUR é a segunda das três longas-metragens realizadas até hoje por Victor Erice. O filme é visto através do olhar de uma menina que se defronta com os mistérios da vida que vai descobrindo e se lhe vão revelando até ser uma adolescente e deixar o espaço em que quase sempre permaneceu, partindo para o Sul. Sul que já não veremos, porque Erice viu-se impossibilitado de concluir o filme como desejaria por problemas de produção. O filme mais “clássico” do mais “cinéfilo” dos cineastas espanhóis modernos. A abrir a sessão, o filme mais recente de Pierre Léon, inspirado em Fritz Lang e Richard Wagner, segundo o realizador, um devaneio que nos leva a um mundo subterrâneo, com deuses e monstros.