agosto de 2022
dstqqss
31123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031123
45678910
Ciclos
Pesquisa
CICLO
Revisitar os Grandes Géneros: A Ficção Científica [I Parte]


Na revisita dos géneros clássicos que temos proposto regularmente, chega agora a vez da ficção científica. Género com pergaminhos nesta Cinemateca, que mereceu, em 1984, um ciclo que é hoje dos mais lembrados dessa época, pelo pioneirismo, pela qualidade e pela extensão. A ideia desta revisita não é uma repetição desse ciclo, nem possível nem desejável – quanto mais não seja pelo simples facto de haver, desde então, praticamente mais quarenta anos de “história do cinema”, e particularmente do cinema de ficção científica. Mas a ambição de traçar um relato relevante da história do género levou-nos a dividir o ciclo em duas metades para um total de cerca de cinquenta títulos, dos absolutos primórdios (Méliès) à época contemporânea (o filme mais recente que contamos apresentar, na segunda parte do ciclo, é AD ASTRA de James Gray). Para lidar, com um mínimo de coerência, com esta amplitude cronológica, era preciso dividir o ciclo em dois, e encontrar um ponto de charneira. Arbitrariamente, mas procurando o ponto menos arbitrário possível. Encontrámo-lo no ano de 1968, o ano em que se estreou um dos filmes mais decisivos do género, ponto culminante do que estava para trás e marco inevitável a ter em consideração em tudo o que se fez posteriormente: o ano da estreia de 2001: A SPACE ODYSSEY, de Stanley Kubrick. Estreia que antecedeu, em pouco mais de um ano, um momento marcante da história da humanidade, a chegada à Lua em 1969, e respetivas imagens televisivas, que terão significado, para os espectadores da época, uma espécie de concretização daquilo que a ficção científica antecipou. Entre 1968 e 1969, entre 2001 e a Apollo 11, a forma do ser humano pensar o seu lugar no universo terá mudado alguma coisa, mas certamente que muito mudou na forma de o cinema de ficção científca se pensar a si próprio.
Esta primeira parte, “antes de 2001”, acompanha as décadas formadoras do género, nas suas múltiplas declinações e possibilidades, entre títulos muito conhecidos e outros que serão uma descoberta para a generalidade dos espectadores. Encontramos, nesta fase, autores consagrados a dedicarem-se à “fc” (Fritz Lang e o seu FRAU IM MOND, que até inventou a contagem decrescente décadas depois adotada pela NASA, é um exemplo por excelência), mas o género era ainda, maioritariamente, um território do espectáculo e da invenção visual, aproveitando o facto de, entre todos os géneros clássicos, ser certamente aquele em que os códigos eram mais fluídos, menos institucionalizados a priori, o que também permitiu o florescimento de inúmeros “subgenéros” e de interpretações deles muito ligadas a cada momento histórico (de que é um exemplo perfeito a “fc” dos anos 50, muito marcada pela memória da II Guerra, das bombas atómicas, e da Guerra Fria). Por outro lado, também convém insistir nessa questão histórica; porque se associa demasiadas vezes a “fc” a uma forma de escapismo puro (que o género também foi, e nalguns casos sobretudo foi), quando a virtude do género sempre foi uma profunda ligação ao momento vivido em cada época histórica, o facto de os filmes de “fc” inventarem mundos futuros e/ou alternativos para, no fundo, nos falarem, e nos revelarem, o mundo presente e/ou o mundo real. É assim que a viagem desta primeira parte do ciclo, por entre toda a sua invenção, toda a sua fantasia, por vezes (já) alguma “metafísica”, daquilo que nos fala realmente é das primeiras seis ou sete décadas do século XX.
 
 
14/06/2022, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Revisitar os Grandes Géneros: A Ficção Científica [I Parte]

Krakatit
de Otakar Vávra
Checoslováquia, 1948 - 102 min
 
14/06/2022, 19h30 | Sala Luís de Pina
Ciclo Revisitar os Grandes Géneros: A Ficção Científica [I Parte]

The Lost World
O Mundo Perdido
de Harry O. Hoyt
Estados Unidos, 1925 - 114 min
15/06/2022, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Revisitar os Grandes Géneros: A Ficção Científica [I Parte]

The World, the Flesh and the Devil
O Mundo, a Carne e o Demónio
de Ranald MacDougall
Estados Unidos, 1959 - 95 min
15/06/2022, 19h30 | Sala Luís de Pina
Ciclo Revisitar os Grandes Géneros: A Ficção Científica [I Parte]

Things to Come
A Vida Futura
de William Cameron Menzies
Reino Unido, 1936 - 92 min
15/06/2022, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Revisitar os Grandes Géneros: A Ficção Científica [I Parte]

When Worlds Collide
Quando os Mundos Chocam
de Rudolph Maté
Estados Unidos, 1951 - 82 min
14/06/2022, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Revisitar os Grandes Géneros: A Ficção Científica [I Parte]
Krakatit
de Otakar Vávra
com Karel Hoger, Florence Marly, Eduard Linkers
Checoslováquia, 1948 - 102 min
legendado eletronicamente em português | M/12
A rica tradição da ficção científica da Europa central e oriental não pode faltar em nenhum ciclo de ficção científica que se preze. Realizado três anos depois do fim da II Guerra, e adaptando um romance de um dos expoentes da literatura europeia (Karel Capek), KRAKATIT (que vai buscar o título ao célebre vulcão Krakatoa) é um filme para os “novos tempos” de proliferação de armas nucleares. Um acidente num laboratório atómico serve de mote a uma intriga que Otakar Vávra conduz através de um labirinto que recorre ao onirismo e ao simbolismo para cumprir a sua função de “aviso”. Foi bastante visto à época, chegou até a estrear na Europa ocidental e nos EUA, mas ficou entretanto semi-esquecido. Primeira apresentação na Cinemateca. A exibir em cópia digital.

consulte a FOLHA DA CINEMATECA aqui
14/06/2022, 19h30 | Sala Luís de Pina
Revisitar os Grandes Géneros: A Ficção Científica [I Parte]
The Lost World
O Mundo Perdido
de Harry O. Hoyt
com Bessie Love, Wallace Beery, Lewis Stone, Lloyd Hughes
Estados Unidos, 1925 - 114 min
mudo, intertítulos em inglês e legendado eltronicamente em português | M/12
Versão muda de uma adaptação do romance de Arthur Conan Doyle, notável pelos efeitos especiais que recriam monstros pré-históricos em animação stop motion. O filme de Hoyt em que brilham os dinossauros (teve dois remakes, em 1960 e em 1997) é tido como um percursor de KING KONG quer pela estrutura narrativa quer pelos efeitos especiais de Willis O’Brien. A exibir em cópia digital.

consulte a FOLHA DA CINEMATECA aqui
15/06/2022, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Revisitar os Grandes Géneros: A Ficção Científica [I Parte]
The World, the Flesh and the Devil
O Mundo, a Carne e o Demónio
de Ranald MacDougall
com Harry Belafonte, Inger Stevens, Mel Ferrer
Estados Unidos, 1959 - 95 min
legendado eletronicamente em português | M/12
Depois do holocausto nuclear em Nova Iorque (e quiçá, no mundo) só ficaram três sobreviventes: dois homens (e um deles negro), e uma mulher. Será o fim da espécie humana? Curiosíssimo filme de ficção científica de Ranald MacDougall (que também assina o argumento), feito com pouquíssimos meios, com excelentes prestações dos três atores e diálogos com qualidade a condizer. A exibir em cópia digital.

consulte a FOLHA DA CINEMATECA aqui
 
15/06/2022, 19h30 | Sala Luís de Pina
Revisitar os Grandes Géneros: A Ficção Científica [I Parte]
Things to Come
A Vida Futura
de William Cameron Menzies
com Raymond Massey, Ralph Richardson, Margaretta Scott
Reino Unido, 1936 - 92 min
legendado em português | M/12
O mais célebre filme de ficção científica britânico, com argumento de H.G. Wells adaptando uma história sua. THINGS TO COME destaca-se pela sua extraordinária conceção cenográfica, ainda hoje tão impressionante como era nos anos trinta. A história, distópica, passa-se num tempo em que a humanidade foi forçada a viver em cidades subterrâneas.

consulte a FOLHA DA CINEMATECA aqui
15/06/2022, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Revisitar os Grandes Géneros: A Ficção Científica [I Parte]
When Worlds Collide
Quando os Mundos Chocam
de Rudolph Maté
com Richard Derr, Barbara Rush, Peter Hanson, Larry Keatin, John Hoyt
Estados Unidos, 1951 - 82 min
legendado eletronicamente em português | M/12
WHEN WORLDS COLLIDE é uma versão da Arca de Noé transposta para a ficção científica. Na órbita da Terra entram dois corpos celestes que ameaçam o planeta de destruição. Um cientista, apoiado por um magnata, constrói uma nave para um grupo selecionado, “Adões” e “Evas” para povoarem um planeta novo. Os efeitos especiais (notáveis para o seu tempo) conquistaram o Oscar da Academia. A exibir em cópia digital.

consulte a FOLHA DA CINEMATECA aqui