CICLO
Allan Dwan (Parte I)


Allan Dwan tem a fama de ser um dos mais prolíficos cineastas que alguma vez viveram e, com os cerca de 1600 títulos que algumas fontes lhe creditam, um potencial recordista em número total de filmes realizados. Grande parte desses filmes, uma esmagadora maioria, foi feita nos anos iniciais da década de 1910, época em que Dwan começou a dirigir filmes de uma bobina e, segundo as suas próprias contas, os fazia ao ritmo de três por semana. Formado em engenharia, e com especialização nas artes e técnicas da eletricidade, a sua entrada no cinema, naqueles anos em que tudo estava por inventar e descobrir, foi feita por esse prisma, a do homem a quem competia inventar soluções para os problemas técnicos que a rodagem dos filmes ia descobrindo. Também por isso, foi um dos pioneiros da indústria cinematográfica americana, que ele próprio ajudou a estabelecer, por exemplo durante o seu trabalho com David Wark Griffith (foi Dwan quem inventou uma forma de pôr as câmaras de DWG a “flutuar” sobre os gigantescos cenários de INTOLERANCE, entre outras proezas). O seu trabalho como realizador, cruzando diversas décadas, faz um percurso por todo o classicismo americano, começa aliás antes dele, num período pré-clássico, e termina no momento em que esse edifício clássico começava a desmoronar-se (o seu último filme THE MOST DANGEROUS MAN ALIVE, estreou em 1961, apesar de ter sido rodado em 1958, assim apropriadamente criando um número redondo – cinquenta anos – entre os primeiros filmes de Dwan, feitos em 1911, e o seu filme final). Polivalente e eclético, Dwan tocou todos os géneros – do musical ao filme de guerra, do melodrama ao noir, do western à comédia, com o mesmo pragmatismo, a mesma inteligência, a mesma modéstia de artesão, as mesmas elegância e imaginação na invenção de ideias visuais e narrativas. Esteve esquecido durante demasiados anos, arrumado como “relíquia” de outros tempos, curiosidade “arqueológica”. Nem ele próprio, realizador de uma estirpe que só existiu nas gerações pioneiras, acreditava em qualquer espécie de “posteridade” para o seu trabalho. Mas, nas últimas décadas, várias gerações de críticos e historiadores redescobriram e colocaram no seu devido lugar a obra de um homem que, se nos anos vinte foi um dos realizadores da primeira linha de Hollywood, especialmente apreciado por algumas das maiores vedetas da altura, como Gloria Swanson ou Douglas Fairbanks, passou das décadas finais, a partir dos anos quarenta, ao serviço de produtores independentes, trabalhando em low budget e série B, ambiente em que reencontrou, de certa forma, a liberdade e a desenvoltura da prática de realizador naqueles anos de formação da indústria que foi o tempo em que se iniciou.
A aproximação a esta obra imensa está forçosamente condenada a ser lacunar. Impossível pensar numa “integral Dwan”, até pela quantidade de filmes perdidos ou de circulação muito restrita, ou impossíveis de localizar. O Ciclo que propomos para os meses de dezembro e janeiro será, em princípio, a mais extensa retrospetiva da obra de Dwan realizada em qualquer parte do mundo, com cerca de sessenta títulos, representativos de todas as fases do seu trabalho. Nunca se viu tanto Dwan junto, e a oportunidade de mergulhar, em extensão, nesta obra, é uma proposta irrecusável para qualquer cinéfilo digno desse nome. Será publicada uma pequena edição sobre Allan Dwan na ocasião, a primeira de uma nova coleção da Cinemateca de cadernos de apoio a ciclos de autores estrangeiros ou temas do cinema internacional.
 
 
02/12/2021, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Allan Dwan (Parte I)

Mother of the Ranch +The Most Dangerous Man Alive
duração total da projeção: 92 min
 
03/12/2021, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Allan Dwan (Parte I)

Curtas Metragens de Allan Dwan
duração total da projeção: 81 min
04/12/2021, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Allan Dwan (Parte I)

The Spirit of the Flag + The Half Breed
duração total da projeção: 101 min
04/12/2021, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Allan Dwan (Parte I)

The Inside Story
de Allan Dwan
Estados Unidos, 1948 - 87 min
06/12/2021, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Allan Dwan (Parte I)

The Good Bad Man
O Bom Vilão
de Allan Dwan
Estados Unidos, 1916 - 50 min
02/12/2021, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Allan Dwan (Parte I)
Mother of the Ranch +The Most Dangerous Man Alive
duração total da projeção: 92 min
legendados eletronicamente em português | M/12
MOTHER OF THE RANCH
de Allan Dwan
com Louise Lester
Estados Unidos, 1911 – 11 min

THE MOST DANGEROUS MAN ALIVE
O Mais Perigoso Homem Vivo
de Allan Dwan
com Ron Randell, Debra Paget, Elaine Stewart
Estados Unidos, 1961 – 81 min

1911 foi o ano em que Allan Dwan se viu investido da condição de realizador de filmes, rapidamente atingindo o ritmo de três filmes de uma bobina por semana. MOTHER OF THE RANCH é um desses filmes do ano inicial de Allan Dwan, e o título mais antigo deste Ciclo. É uma história proto-western, rodada, como grande parte da produção do realizador nesta época, em cenários naturais não muito longe de San Diego, no sul da Califórnia, relativamente perto da fronteira mexicana. 50 anos depois (na verdade, 47: o filme foi rodado em 1958, e apenas estreado em 1961), THE MOST DANGEROUS MAN ALIVE foi o seu derradeiro filme, feito não muito longe dali, no outro lado da fronteira mexicana. Uma história de ficção científica que o produtor Benedict Bogeaus, de quem Dwan foi um prolífero colaborador nos últimos anos da sua obra, planeara como episódio-piloto para uma série televisiva, com um budget curtíssimo. O filme reflete maravilhosamente a aridez e a escassez do orçamento, e é uma despedida “em bruto” de Dwan, de um pragmatismo genial que muito se pode ligar – é a mesma “lição” - aos filmes dos seus primórdios. MOTHER OF THE RANCH é uma primeira apresentação na Cinemateca.

consulte a FOLHA DA CINEMATECA de MOTHER OF THE RANCH aqui

consulte a FOLHA DA CINEMATECA de THE MOST DANGEROUS MAN ALIVE aqui

 
03/12/2021, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Allan Dwan (Parte I)
Curtas Metragens de Allan Dwan
duração total da projeção: 81 min
mudos, com intertítulos em inglês e legendagem eletrónica em português | M/12
com acompanhamento ao piano por Filipe Raposo
THREE MILLION DOLLARS
com J. Warren Kerrigan, Pauline Bush, George Periolat
Estados Unidos, 1911 – 10 min

THE RANCHMAN’S VENGEANCE
com J. Warren Kerrigan, Dot Farley, George Periolat
Estados Unidos, 1911 – 16 min

MAN’S CALLING
com J. Warren Kerrigan, Jessalyn Van Trump, George Periolat
Estados Unidos, 1912 – 15 min

MAIDEN AND MEN
com Pauline Bush, Jack Richardson, J. Warren Kerrigan
Estados Unidos, 1912 – 10 min

THE BLACKENED HILLS
com J. Warren Kerrigan, Jessalyn Van Trump, Jack Richardson
Estados Unidos, 1912 – 10 min

THE MORMON
com J. Warren Kerrigan, Pauline Bush
Estados Unidos, 1912 – 10 min

THE THIEF’S WIFE
com J. Warren Kerrigan, Pauline Bush, Jack Richardson
Estados Unidos, 1912 – 10 min

Um programa com sete títulos da fase inicial do trabalho de Allan Dwan. Como MOTHER OF THE RANCH, visto na abertura do ciclo, são filmes de uma bobina, rodados a uma velocidade que hoje nos parece assombrosa. Dwan trabalhava para uma produtora chamada American Film Manufactoring Company, com um conjunto de técnicos e de atores que passavam de filme para filme, em cenários naturais no sul da Califórnia – que de algum modo são sempre, mais do que os atores, mais do que as histórias, os grandes protagonistas destes filmes. O western ainda não estava definido como género codificado, mas não há outra forma de qualificar estes filmes, o que também ajuda a perceber o quanto se confundem a raiz do western e a raiz do cinema americano. Mesmo que, nalguns filmes (MAIDEN AND MEN, THE BLACKENED HILLS), as proezas masculinas que se associam ao western sejam trocadas por uma atenção especial às personagens femininas, tornadas centro da dramaturgia. Uma sessão riquíssima para compreender a formação de Allan Dwan e, através dele, o caminho para o cinema americano clássico. Todos os filmes são primeiras apresentações na Cinemateca. A exibir em cópias digitais.

consulte a FOLHA DA CINEMATECA aqui
04/12/2021, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Allan Dwan (Parte I)
The Spirit of the Flag + The Half Breed
duração total da projeção: 101 min
mudos, com intertítulos em inglês e legendagem eletrónica em português | M/12
com acompanhamento ao piano por Filipe Raposo
THE SPIRIT OF THE FLAG
de Allan Dwan
com Wallace Reid, Pauline Bush, Jessalyn Van Trump
Estados Unidos, 1913 – 30 min
THE HALF BREED
de Allan Dwan
com Douglas Fairbanks, Alma Rubens, Sam de Grasse
Estados Unidos, 1916 – 71 min

THE SPIRIT OF THE FLAG é um filme de duas bobinas, já com outra sofisticação em termos de meios e de desenvolvimento narrativo. Um melodrama de guerra, ambientado nas Filipinas, com centro na personagem de Wallace Reid, um médico, e em duas mulheres, uma americana e outra filipina. THE HALF BREED é de 1916, apenas três mais tarde mas já definitivamente outro tempo no cinema americano. Rodado para a Triangle, tem uma das maiores vedetas da época (e ainda em ascensão), Douglas Fairbanks, que tinha Dwan como o seu realizador preferido, e entre os argumentistas conta-se a famosíssima Anita Loos. Fairbanks é o “half-breed”, o mestiço, meio-branco e meio-cherokee, e o filme tem sobre a relação dos brancos com os nativos americanos um olhar crítico que talvez surpreenda um espectador contemporâneo. THE SPIRIT OF THE FLAG é uma primeira apresentação na Cinemateca. A exibir em cópias digitais.

consulte a FOLHA DA CINEMATECA aqui
04/12/2021, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Allan Dwan (Parte I)
The Inside Story
de Allan Dwan
com Marsha Hunt, William Lundigan, Charles Winninger
Estados Unidos, 1948 - 87 min
legendado eletronicamente em português | M/12
Outra produção da Republic, THE INSIDE STORY é uma comédia otimista sobre a economia. “Havia uma grande crise e quis mostrar que o pior sítio para se ter o dinheiro era imobilizado num banco; o dinheiro tinha que circular!” (Dwan). E, num espírito que se aproxima das fábulas de Capra, Dwan mostrava o efeito da circulação dos mesmos mil dólares por uma quantidade enorme de gente, e a forma como esse dinheiro vai resolvendo problemas por onde passa. Primeira apresentação na Cinemateca.

consulte a "folha" da Cinemateca
 
06/12/2021, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Allan Dwan (Parte I)
The Good Bad Man
O Bom Vilão
de Allan Dwan
com Douglas Fairbanks, Sam de Grasse, Bessie Love
Estados Unidos, 1916 - 50 min
mudo, com intertítulos em inglêse legendagem eletrónica em português | M/12
com acompanhamento ao piano por Filipe Raposo
Do mesmo ano de THE HALF-BREED, para o mesmo estúdio (a Triangle) e com a mesma vedeta (Douglas Fairbanks), THE GOOD BAD MAN é uma mistura perfeita de ambientes e figuras de western com um fundo sentimental e romântico. Fairbanks interpreta o “bom vilão”, um assaltante de comboios que destina o produto dos seus roubos a um orfanato que não subsiste sem a ajuda dele. Perseguido pela justiça e por “maus vilões” rivais, vai encontrar o amor na figura de Bessie Love. O filme não é apresentado na Cinemateca desde 1987. A exibir em cópia digital.