CICLO
Deborah Kerr - Ate à Eternidade


Assinala-se este ano, em setembro, o centenário do nascimento de Deborah Kerr. De origem britânica (nasceu na Escócia, cresceu em Inglaterra), tornou-se uma das figuras mais reconhecidas do cinema americano dos anos 1950 e 1960, para onde emigrou depois do sucesso dos seus primeiros filmes britânicos – nomeadamente os de Michael Powell e Emeric Pressburger que integram este Ciclo (já tinham sido Powell e Pressburger a trazer a jovem Kerr para o cinema, num filme de 1940, CONTRABAND, em que a prestação da atriz acabou por ser removida na montagem final). Com um porte distintamente aristocrático, e um tipo de beleza que podia ser (e nalguns casos foi) extremamente frio, Kerr nunca foi tratada em Hollywood como sex symbol, embora, por ironias que o destino tece, tenha interpretado algumas das mais emblemáticas cenas do erotismo hollywoodiano dos fifties em FROM HERE TO ETERNITY. Atriz versátil, apta a manejar vários géneros sem sair da mesma personagem e do mesmo filme (como o mostra o sublime AN AFFAIR TO REMEMBER, onde Kerr, contracenando com Cary Grant, é tão capaz de fazer rir como de fazer chorar), Kerr protagonizou no cinema americano uma ideia de “classe”, mesmo quando essa “classe” era a da “classe média” americana tal como Hollywood a idealizava. Donde, também, a espécie de contenção – em todos os sentidos do termo - que a sua presença normalmente exibe, e que alguns realizadores (Huston, Preminger, Kazan) souberam trabalhar com alguma perversidade.
A carreira desta atriz que começou por ser bailarina clássica (e, como quase todos os britânicos, atriz de teatro shakespeariano) acabou relativamente cedo. Depois de THE ARRANGEMENT, de Kazan, rodado em 1969, quando ela nem tinha chegado aos 50, Kerr praticamente desapareceu de cena. Desencantada com o cinema, e sobretudo com os papéis que lhe ofereciam, voltou-se para o teatro e para meia dúzia de participações em telefilmes e séries de televisão (o seu único, e último, filme para cinema depois de 1969 foi em 1985 num filme britânico, THE ASSAM GARDEN, lembrado quase exclusivamente pela sua participação). Mas a marca deixada por Kerr (que morreu em 2007, aos 86 anos) no imaginário cinéfilo estava já inscrita, e indelevelmente. Este Ciclo mostra-a, “até à eternidade”.
 
 
06/05/2021, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Deborah Kerr - Ate à Eternidade

An Affair to Remember
O Grande Amor da Minha Vida
de Leo McCarey
Estados Unidos, 1957 - 114 min
 
11/05/2021, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Deborah Kerr - Ate à Eternidade

Julius Caesar
Júlio César
de Joseph L. Mankiewicz
Estados Unidos, 1953 - 120 min
14/05/2021, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Deborah Kerr - Ate à Eternidade

The Life and Death of Colonel Blimp
A Vida do Coronel Blimp
de Michael Powell e Emeric Pressburger
Reino Unido, 1943 - 163 min
15/05/2021, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Deborah Kerr - Ate à Eternidade

Julius Caesar
Júlio César
de Joseph L. Mankiewicz
Estados Unidos, 1953 - 120 min
19/05/2021, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Deborah Kerr - Ate à Eternidade

Black Narcissus
Quando os Sinos Dobram
de Michael Powell, Emeric Pressburger
Reino Unido, 1946 - 99 min
06/05/2021, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Deborah Kerr - Ate à Eternidade
An Affair to Remember
O Grande Amor da Minha Vida
de Leo McCarey
com Cary Grant, Deborah Kerr, Richard Denning, Neva Patterson, Cathleen Nesbitt
Estados Unidos, 1957 - 114 min
legendado em português | M /12
Cary Grant e Deborah Kerr interpretam as personagens que couberam a Charles Boyer e Irene Dunne na primeira versão deste filme, que McCarey dirigiu em 1939, LOVE AFFAIR, e que, como AN AFFAIR TO REMEMBER, se tornou um filme de culto. Trata-se de uma das mais românticas histórias de amor que o cinema nos mostrou e que até hoje não mais deixou de ser citada ou filmada em novas versões.

consulte a FOLHA DA CINEMATECA aqui
11/05/2021, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Deborah Kerr - Ate à Eternidade
Julius Caesar
Júlio César
de Joseph L. Mankiewicz
com Marlon Brando, James Mason, Deborah Kerr, John Gielgud, Louis Calhern
Estados Unidos, 1953 - 120 min
legendado eletronicamente em português | M/12
Admirável adaptação da tragédia de Shakespeare, com Brando prodigioso na figura de Marco António. O seu discurso diante do cadáver de César é um dos grandes momentos do cinema e da arte de representar, invertendo a relação de forças populares contra os conspiradores Bruto (James Mason) e Cássio (John Gielgud). Deborah Kerr interpreta Pórcia, a mulher de Bruto.

consulte a FOLHA DA CINEMATECA aqui
14/05/2021, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Deborah Kerr - Ate à Eternidade
The Life and Death of Colonel Blimp
A Vida do Coronel Blimp
de Michael Powell e Emeric Pressburger
com Anton Walbrook, Deborah Kerr, Roger Livesey
Reino Unido, 1943 - 163 min
legendado eletronicamente em português | M/12
Um dos mais belos filmes da dupla Michael Powell-Emeric Pressburger, que acompanha a vida de um oficial do exército britânico desde o começo do século até à Segunda Guerra Mundial e que mostra também como as novas estratégias de guerra enterraram a tradição do “cavalheirismo". Deste ponto de vista, THE LIFE AND DEATH OF COLONEL BLIMP está próximo de LA GRANDE ILLUSION, de Renoir. O inesperado sucesso do filme – a que o próprio Churchill inicialmente torceu o nariz, pensando que teria um efeito “desmoralizador” - catapultou Deborah Kerr, que se divide por três personagens, para a primeira linha. Permanece ainda como um dos mais notáveis filmes britânicos feitos durante a II Guerra, tão “patriótico” como crítico do patriotismo, tão otimista como friamente lúcido. A exibir em cópia digital.
 
15/05/2021, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Deborah Kerr - Ate à Eternidade
Julius Caesar
Júlio César
de Joseph L. Mankiewicz
com Marlon Brando, James Mason, Deborah Kerr, John Gielgud, Louis Calhern
Estados Unidos, 1953 - 120 min
legendado eletronicamente em português | M/12
Admirável adaptação da tragédia de Shakespeare, com Brando prodigioso na figura de Marco António. O seu discurso diante do cadáver de César é um dos grandes momentos do cinema e da arte de representar, invertendo a relação de forças populares contra os conspiradores Bruto (James Mason) e Cássio (John Gielgud). Deborah Kerr interpreta Pórcia, a mulher de Bruto.

consulte a FOLHA DA CINEMATECA aqui
19/05/2021, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Deborah Kerr - Ate à Eternidade
Black Narcissus
Quando os Sinos Dobram
de Michael Powell, Emeric Pressburger
com Deborah Kerr, Sabu, Jean Simmons, Flora Robson
Reino Unido, 1946 - 99 min
legendado em português | M/12
O mais demencial dos filmes de Powell e Pressburger, perturbante interrogação sobre a influência que um lugar exerce sobre as pessoas que o habitam, neste caso um grupo de freiras numa isolada mansão dos Himalaias transformada em convento. O clima denso e sensual (reforçado por uma deslumbrante fotografia a cores e magníficos cenários de estúdio) do filme vai desequilibrando as personagens até as deixar à beira da loucura.