março de 2021
dstqqss
28123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031123
45678910
Ciclos
Pesquisa
CICLO
Clássicos do Cinema Coreano


A República da Coreia, mais comummente designada como Coreia do Sul, é reconhecida internacionalmente, desde os anos noventa, como um grande país de cinema. São muitos os filmes sul-coreanos realizados a partir daquele período a terem obtido prémios ou terem sido notados nos grandes festivais internacionais. Nomes como Kim Ki-duk, Hong San-soo, Bong Joon-ho ou Park Chan-wook fizeram-se conhecer e reconhecer internacionalmente como cineastas originais e de grande envergadura e os seus filmes são distribuídos internacionalmente. Desde então, em festivais genéricos ou específicos, a presença do cinema sul-coreano é frequente e marcante. Paralelamente, o Festival de Busan, fundado em 1996, em plena onda do reconhecimento internacional do cinema sul-coreano de autor, tornou-se um dos mais importantes da Ásia. A Cinemateca, naturalmente, não ficou indiferente a esta importante cinematografia e nos últimos onze anos organizou nada menos de quatro retrospetivas dedicadas ao cinema sul-coreano contemporâneo: em março de 1999 (treze filmes), outubro de 2001 (três filmes), setembro (vinte filmes) e dezembro de 2006 (cinco títulos), além de um ciclo de sete filmes intitulado “Hong Sang-soo e o Cinema Coreano Contemporâneo” (2011), autor a que voltámos entre dezembro de 2019 e janeiro de 2020 para uma retrospetiva integral (que, por coincidência, “completamos” este mês com a apresentação do seu mais recente filme em ante-estreia, intitulada “As Variações de Hong Sang-soo”).
No entanto, nunca nos tínhamos debruçado sobre o cinema coreano do período clássico e é preciso indicar que apesar da presença de certos filmes em festivais internacionais nos anos sessenta, alguns dos quais premiados, a produção coreana anterior aos anos noventa é, por assim dizer, desconhecida além das fronteiras do país. Os onze filmes que compõem este ciclo foram realizados entre 1948 e 1993, ou seja, entre a fundação da República da Coreia, com a divisão da península em dois estados antagónicos, nascidos da Guerra Fria, até o início do período de plena democratização, num país cuja longa ditadura militar investira muito na educação, contrariamente à maioria dos regimes deste tipo. Este ciclo permite-nos vislumbrar o itinerário seguido pelo cinema durante os mais de quarenta anos que medeiam entre a fundação do Estado sul-coreano e o reconhecimento internacional do cinema do país. Antes da linguagem difusa e oblíqua que caracteriza o cinema dos grandes nomes do cinema sul-coreano contemporâneo, o cinema do país seguiu outros percursos formais, que poderemos descobrir nesta retrospetiva.
Mais do que em outros países, a produção cinematográfica sul-coreana parece ter sido condicionada pelas circunstâncias políticas peculiares em que o país (ou antes o Estado) se formou e se estabeleceu. Em finais dos anos cinquenta, poucos anos depois do fim da guerra que deixara o país destroçado, a produção atingiu uma centena de filmes por ano, entre os quais muitos melodramas, género apreciado pelo público. Em 1961 MABU/“O COCHEIRO”, de Kang Dae-jin recebe o Urso de Prata no Festival de Berlim e torna-se o primeiro filme coreano a chamar a atenção da crítica internacional. Não muito tempo depois, o governo limita a entrada de filmes estrangeiros no país, o que é frustrante para os espectadores mas é benéfico para a produção, apesar do sistema de censura, pois os cineastas coreanos tinham de filmar muito para satisfazer o grande apetite do público por filmes. Isto explica o facto de alguns realizadores terem realizado dezenas de filmes. O período que vai até o início dos anos setenta é considerado uma idade de ouro no cinema coreano, ao passo que aquele que vai dali até o início dos anos 80 é considerado menos interessante, devido aos rigores do regime político. Este, no entanto, mantém um critério de proteção à produção nacional: todas as salas de cinema têm de projetar filmes coreanos durante um determinado número de dias por ano. A partir dos anos oitenta, os critérios de censura afrouxam, novos regulamentos facilitam o trabalho dos produtores independentes e o número de filmes importados aumenta, o que permite aos futuros cineastas e ao público adquirir maior familiaridade com a produção internacional de qualidade. Nos anos noventa, a República da Coreia, uma sociedade próspera e cuja população tem um excelente nível de instrução, torna-se uma democracia plena e o seu cinema de autor ganha rapidamente reconhecimento internacional.
Se excetuarmos o período da Guerra da Coreia (1950-53), durante o qual poucos filmes foram realizados (e, segundo consta, todos foram perdidos) e os anos setenta, quando o código de censura era dos mais estritos do mundo, poderemos acompanhar cronologicamente neste ciclo a produção coreana através de marcos cinematográficos importantes, com alguns dos filmes considerados entre os melhores da produção do país. Esta retrospetiva será inaugurada com HANYEO/“A CRIADA” (Kim Ki-Young, 1960), grande clássico da produção coreana, da qual é considerado um dos pontos culminantes. A seguir, o ciclo desenrolar-se-á em ordem cronológica, apresentando um filme de  1948 feito com a linguagem do cinema mudo (GEOMSA-WA YEOSEONSAENG/“O PROCURADOR E A PROFESSORA”), um filme situado durante a recém-terminada guerra que dividiu o país (PIAGOL), uma comédia dramática (SHIJIBGANEON NAL/“O DIA DO CASAMENTO), diversos dramas (OBALTAN/“BALA SEM DESTINO”; SEONG CHUN-HYANG; SARANGBANG SONNIMGWA EOMEONI/“A MÃE E O HÓSPEDE”; YEOLNYEOMUN /“VOTO DE CASTIDADE”), um filme sobre a juventude (CHOU/“CHUVA VERDE), um drama com fundo de música tradicional coreana (SOPYONJE) e um thriller (CHOIHUI JEUNGIN/“A ÚLTIMA TESTEMUNHA”). Através dos diversos géneros que ilustram, todos são exemplos importantes e de alta qualidade de um vasto continente cinematográfico que permanece pouco conhecido. À exceção de SOPYONJE (apresentado em março de 1999, no primeiro ciclo de cinema coreano programado na Cinemateca) todos os filmes apresentados são inéditos na Cinemateca e serão apresentados em cópias digitais.
 
18/01/2021, 15h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Clássicos do Cinema Coreano

SESSÃO CANCELADA

Seong Chun-Hyang
“Seong Chun-hyang”
de Shin Sang-ok
República da Coreia, 1961 - 143 min
19/01/2021, 15h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Clássicos do Cinema Coreano

SESSÃO CANCELADA

Sarangbang Sonnimgwa Eomeoni
“A Mãe e o Hóspede”
de Shin Sang-ok
República da Coreia, 1961 - 103 min
20/01/2021, 15h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Clássicos do Cinema Coreano

SESSÃO CANCELADA

Yeolnyeomun
“Voto de Castidade”
de Shin Sang-ok
República da Coreia, 1962 - 100 min
21/01/2021, 15h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Clássicos do Cinema Coreano

SESSÃO CANCELADA

Chou
“Chuva Verde”
de Jeong Jin-woo
República da Coreia, 1966 - 100 min
22/01/2021, 20h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Clássicos do Cinema Coreano

SESSÃO CANCELADA

Choihui Jeungin
“A Última Testemunha”
de Lee Doo-yong
República da Coreia, 1980 - 158 min
18/01/2021, 15h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Clássicos do Cinema Coreano

Em colaboração com a Embaixada da República da Coreia, por ocasião do 60º aniversário do estabelecimento de relações diplomáticas com Portugal
SESSÃO CANCELADA

Seong Chun-Hyang
“Seong Chun-hyang”
de Shin Sang-ok
com Choi Eun-hee , Kim Jin-kyu, Do Kum-bong
República da Coreia, 1961 - 143 min
legendado em inglês e eletronicamente em português | M/12
Shin Sang-ok tem nada menos de três dos seus filmes incluídos neste Ciclo. Realizou mais de oitenta e a sua vida foi marcada por um episódio digno de um filme de espionagem. Depois de uma prolífica carreira como produtor e realizador, ele e a sua mulher foram raptados em 1978 e levados para a Coreia do Norte, forçados a ajudar a outra metade do país a ter uma indústria de cinema. O casal ali permaneceu por oito anos, antes de fugir. Antes disso, Shin Sang-ok realizara dezenas de filmes na Coreia do Sul, o primeiro dos quais em 1952. SEONG CHUN-HYANG (por vezes designado como CHUN-HYANG) adapta um conto clássico da literatura coreana, cujo autor e data são desconhecidos. Trata-se da história de uma mulher que se casa secretamente com o amante, que a seguir parte para Seul, para fazer os seus estudos. Um poderoso magistrado quer a mulher para si, ela recusa, é presa e torturada. Mas o noivo regressa, como agente secreto, para salvá-la. Este foi o primeiro filme coreano a ter sido realizado em cinemascope e a cores e será apresentado numa cópia magnificamente restaurada.

consulte a FOLHA DA CINEMATECA aqui
19/01/2021, 15h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Clássicos do Cinema Coreano

Em colaboração com a Embaixada da República da Coreia, por ocasião do 60º aniversário do estabelecimento de relações diplomáticas com Portugal
SESSÃO CANCELADA

Sarangbang Sonnimgwa Eomeoni
“A Mãe e o Hóspede”
de Shin Sang-ok
com Choi Eun-hee, Kim Jin-kyu, Shin Yeong-kyun, Jeon Young-sun
República da Coreia, 1961 - 103 min
legendado eletronicamente em português | M/12
Segundo dos três filmes de Shin Sang-ok a ter sido incluído neste Ciclo, SARANGBANG SONNIMGWA EOMEONI é um drama organizado à volta de mulheres. Uma miúda vive com a mãe, a avó e a criada, todas viúvas. Um dia, um antigo amigo da família instala-se ali como pensionista. A jovem nutre uma paixão platónica por ele, que por sua vez se apaixona secretamente pela mãe dela e a criança torna-se uma mensageira secreta entre os dois. Uma dilacerante história de um amor que se torna impossível devido aos preconceitos sociais contra um segundo casamento, com a vitória dos valores tradicionais.

consulte a FOLHA DA CINEMATECA aqui
20/01/2021, 15h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Clássicos do Cinema Coreano

Em colaboração com a Embaixada da República da Coreia, por ocasião do 60º aniversário do estabelecimento de relações diplomáticas com Portugal
SESSÃO CANCELADA

Yeolnyeomun
“Voto de Castidade”
de Shin Sang-ok
com Choi Eun-hee, Shin Young-kyun, Kim Dong-won, Han Eun-jin
República da Coreia, 1962 - 100 min
legendado eletronicamente em português | M/12
Décima-nona longa-metragem de Shin Sang-ok, YEOLNYEOMUN foi considerado um filme desaparecido durante alguns anos, antes de uma cópia ser encontrada e o filme ser restaurado. Trata-se de um drama situado no campo, num período indefinido, que parece ser o início do século XX. Durante os primeiros quarenta minutos, o filme, a preto e branco e em formato panorâmico, descreve o trabalho nos campos e as relações entre camponeses, antes do drama central se manifestar: uma jovem viúva da classe dominante, tem uma relação com um camponês e engravida. Mas um tabu impõe a castidade às viúvas e o pai da criança é expulso de casa com o bebé. Anos depois, já adulto, o filho da mulher vem à procura dela, mas o tabu da castidade das viúvas se impõe. Apesar do tema, o filme nada tem de melodramático e conta com excelentes interpretações dos atores principais.
 
21/01/2021, 15h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Clássicos do Cinema Coreano

Em colaboração com a Embaixada da República da Coreia, por ocasião do 60º aniversário do estabelecimento de relações diplomáticas com Portugal
SESSÃO CANCELADA

Chou
“Chuva Verde”
de Jeong Jin-woo
com Shin Seong-il, Moon Hee
República da Coreia, 1966 - 100 min
egendado eletronicamente em português | M/12
Nascido em 1938, Jeong Jin-woo é um bom exemplo da fecundidade dos realizadores coreanos nos anos sessenta: entre 1963 e 1969, realizou nada menos de 27 longas-metragens, das quais CHOU é a nona (até 1995, ele realizaria um total de cinquenta e três). Apresentado no Festival de São Francisco de 1966, feito a preto e branco e em scope, o filme é um clássico do cinema coreano sobre jovens. A situação de partida é a de uma comédia: um homem e uma mulher, ele mecânico e ela criada, fazem-se passar por personagens mais ricos do que são e têm uma ligação sentimental. Mas o tom do filme não é cómico, oscila entre o sério e o lírico.  À medida que os seus encontros clandestinos se multiplicam, sempre em dias chuvosos, para que ela possa usar uma gabardine elegante e esconder a sua identidade, o par acaba por ter uma relação mais séria, que acaba por ser minada. O filme é típico da estética dos anos sessenta no modo como mostra a metrópole onde tem lugar a ação, que progride com uma fluidez quase musical.
 
22/01/2021, 20h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Clássicos do Cinema Coreano

Em colaboração com a Embaixada da República da Coreia, por ocasião do 60º aniversário do estabelecimento de relações diplomáticas com Portugal
SESSÃO CANCELADA

Choihui Jeungin
“A Última Testemunha”
de Lee Doo-yong
com Hah Myung-joong, Choi Bool-am, Jeong Yun-hui
República da Coreia, 1980 - 158 min
legendado em inglês e eletronicamente em português | M/12
Nascido em 1942, Lee Doo-yong realizou mais de sessenta filmes, em variados géneros. Foi o introdutor do cinema “de ação” na Coreia e fez inclusive um filme em que Bruce Lee sai da tumba para lutar. CHOIHUI JEUNGIN é um thriller com uma trama simples, mas cujos desdobramentos se tornam cada vez mais complexos. Antes de ser morto, um capitão que luta contra as guerrilhas comunistas manda um mapa do tesouro à sua filha. Alguns comunistas saem em busca do mapa, ao passo que a filha do militar e o seu marido vão em busca do tesouro. A história tem complicadas ramificações e um epílogo, situado vinte anos depois do início.