14/09/2017, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
O Cinema e a Cidade I
Taxi Driver
Taxi Driver
de Martin Scorsese
com Robert de Niro, Cybill Shepherd, Jodie Foster, Harvey Keitel, Peter Boyle
Estados Unidos, 1976 - 113 min
legendado em espanhol | M/16
A figura do taxista é uma personagem eminentemente citadina e TAXI DRIVER, um dos filmes fundamentais da década de setenta, dirigido por Scorsese segundo um argumento de Paul Schrader, é talvez a sua maior representação. É uma obra profundamente pessimista, sobre um ex-veterano do Vietname, marcado e traumatizado pelo drama que viveu e que percorre, de noite, em deambulações pela cidade, outro “inferno”: o submundo de Nova Iorque. O percurso de Travis (De Niro) culmina num massacre que se pretende redentor. Num dos momentos mais emblemáticos do filme, a personagem insiste em perguntar à sua imagem refletida num espelho: “Are you talking to me?”.
 
14/09/2017, 18h00 | Sala M. Félix Ribeiro
O Cinema e a Cidade I
Hoje Estreia | Vamos ao Nimas | A Cidade de Cassiano
duração total da projeção: 52 min | M/12
Em colaboração com a livraria Linha de Sombra
HOJE ESTREIA
de Fernando Lopes
Portugal, 1967 – 8 min
VAMOS AO NIMAS
de Lauro António
Portugal, 1975 – 18 min
A CIDADE DE CASSIANO
de Edgar Pêra
Portugal, 1991 – 26 min

Em HOJE ESTREIA Fernando Lopes acompanha a reconstrução do Condes (inaugurado em 4 de fevereiro de 1916), depois do incêndio que ali deflagrou em 1967. Um pretexto para uma evocação dos pioneiros do cinema e de um certo estilo de vida lisboeta associado ao Condes, mas também ao Animatographo do Rossio e ao Olympia. VAMOS AO NIMAS é um roteiro pelas velhas salas de Lisboa e suas periferias: os que desapareceram e os que sobrevivem. Lauro António questionava assim, em 1974, onde estava um cinema verdadeiramente popular. Primeiro título oficial da filmografia de Edgar Pêra, A CIDADE DE CASSIANO (Grande Prémio da Biennale International du Film d’Architecture e Prémio Crítica Festival Filmes de Arte Montreal em 1991) partiu de uma encomenda da exposição Cassiano Branco realizada no Éden, apresentando-se como uma “cine-síntese da obra arquitetónica de Cassiano Branco”.
 
14/09/2017, 18h30 | Sala Luís de Pina
Luis Miguel Cintra: O Cinema

Retrospetiva
The Dancer Upstairs
Em Clandestinidade
de John Malkovich
com Javier Bardem, Juan Diego Botto, Laura Morante, Alexandra Lencastre, Luis Miguel Cintra
Espanha, Estados Unidos, 2001 - 132 min
legendado em português | M/16
Filme de estreia de John Malkovich na realização, THE DANCER UPSTAIRS tem argumento do romancista britânico Nicolas Shakespeare (não confundir com William Shakespeare), também autor do romance homónimo de 1995 que este adapta. Foi em parte filmado no Porto, mas passa-se algures na América latina, num país sob comando totalitário, e colhe a sua inspiração no cinema político, fixando-se na história de um polícia que investiga a atividade de um grupo terrorista. O encontro de Luis Miguel Cintra com Malkovich no cinema data de O CONVENTO (1995), de Manoel de Oliveira. Primeira exibição na Cinemateca.
 
14/09/2017, 19h00 | Projecção ao Ar Livre
O Cinema e a Cidade I
Tivoli e os Cinemas da Avenida
Apresentação em colaboração com a livraria Linha de Sombra
Apresentação do livro Cinema Tivoli – Memórias da Avenida, coordenado por Duarte de Lima Mayer e João Monteiro Rodrigues. A iniciativa é acompanhada por uma conversa na Esplanada 39 Degraus com a presença dos organizadores do livro e de vários outros convidados, a anunciar, que participarão num debate alargado sobre o Tivoli e outros cinemas da Avenida. Organizada em colaboração com a livraria Linha de Sombra, a iniciativa realiza-se a 14 de setembro, às 19 horas, na Esplanada e é precedida por uma sessão de cinema às 18 horas na sala M. Félix Ribeiro.
 
14/09/2017, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
1917 no Ecrã I
Dvadtsat Shest Komissarov
“Os 26 Comissários de Baku”
de Nikolai Chenguelaia
com K. Gasanov, Baba-Zade, Hairi Emir-Zade, Alaverdi Melikov
União Soviética, 1932 - 109 min
mudo, intertítulos em russo legendados eletronicamente em português | M/12
Nikolai Chenguelaia (1903-1943) foi um importante cineasta georgiano, pai de dois conhecidos realizadores, Eidar e Guiorgui. A ação de DVADTSAT SHEST KOMISSAROV situa-se em Baku, no Azerbaijão, no início da guerra civil que se seguiu à vitória da revolução bolchevista. A cidade está isolada do resto da União Soviética, assediada por tropas estrangeiras e a fome espreita. Os anticomunistas tomam o poder e os vinte e seis comissários comunistas de Baku são deportados e fuzilados, antes da vitória final: Baku torna-se soviética. Longe do simplismo político – o que lhe valeu críticas à época (falou-se em “fracasso ideológico”) –, o filme de Chenguelaia pertence à corrente de busca formal do cinema soviético mudo (nomeadamente a do “argumento emocional”). Destaque para a fotografia e a composição da imagem, que inclui referências pictóricas. Uma obra fortíssima, característica da riqueza visual de grande parte do cinema realizado nas repúblicas do Cáucaso, como a Arménia e a Geórgia. Primeira exibição na Cinemateca.
 
14/09/2017, 22h00 | Sala Luís de Pina
Filmes Portugueses Legendados
Adão e Eva
de Joaquim Leitão
com Maria de Medeiros, Joaquim de Almeida, Ana Bustorff, Karra Elejalde
Portugal, Espanha, França, 1994 - 122 min
legendado em inglês | M/16
Um dos maiores sucessos comerciais de sempre do cinema português é, também, um retrato de um novo Portugal: uma sociedade que vive um “boom” económico, depois da entrada na então CEE, e que sente, pela primeira vez, os efeitos de um novo materialismo, de uma nova comunicação nas suas imagens (com a chegada da televisão privada ao país), e de todo o seu efeito nas suas relações íntimas e políticas. ADÃO E EVA junta, também, uma das duplas mais conhecidas do cinema português: Maria de Medeiros e Joaquim de Almeida.