14/09/2018, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Centenário de Rita Hayworth
The Strawberry Blonde
Uma Loira com Açúcar
de Raoul Walsh
com James Cagney, Olivia de Havilland, Rita Hayworth, Alan Hale, Jack Carson
Estados Unidos, 1941 - 95 min
legendado eletronicamente em português | M/12
Uma das várias versões cinematográficas da peça One Sunday Afternoon (que Walsh voltaria a adaptar com o título original). Uma irresistível comédia sobre um barbeiro (Cagney) apaixonado por uma esplendorosa loira que acaba por casar com um seu amigo. Nem tudo o que luz é oiro e aquilo que muito se deseja nem sempre é o melhor.
 
14/09/2018, 18h30 | Sala Luís de Pina
Imagem por Imagem (Cinema de Animação)
A Sardinha em Lata faz 11 anos
duração total da projeção: 82 min | M/6
Com a presença dos realizadores
TV
de Nuno Beato
Portugal, 1999 – 2 min
MANOS
de Nuno Beato
Portugal, 2000 – 1 min
MI VIDA EN TUS MANOS
de Nuno Beato
Portugal, 2009 – 9 min
O SAPATEIRO
de David Doutel, Vasco Sá
Portugal, 2001 – 12 min
DESASSOSSEGO
de Lorenzo Degli’Innocenti
Portugal, 2010 – 20 min
INDEPENDÊNCIA DE ESPÍRITO
de Marta Monteiro
Portugal, 2011 – 10 min
A GRUTA DE DARWIN
de Joana Toste
Portugal, 2017 – 13 min
TOCADORA
de Joana Imaginário
Portugal, 2017 – 8 min
EMA & GUI
episódio “EMA REGRESSA A CASA”
de Nuno Beato
Portugal, 2010 – 7 min

A sessão proposta para comemorar este aniversário da importante produtora inclui dois filmes realizados por Nuno Beato para a Lampadacesa, antes deste fundar a Sardinha em Lata, e não inclui algumas das suas obras que entretanto já passaram por este espaço de programação da Cinemateca, realizadas por José Miguel Ribeiro, Pedro Serrazina, Zepe ou Joana Toste. Desta última, apresenta-se no entanto o seu mais recente trabalho, de que a realizadora mostrara alguns esboços quando por aqui passou na sessão dedicada à sua obra. No final da sessão, Nuno Beato falará de alguns dos próximos projetos da produtora, nomeadamente a sua primeira longa-metragem de animação.
 
14/09/2018, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Os Olhos Não Querem Estar Sempre Fechados – O Cinema de Jean-Marie Straub e Danièle Huillet (I)
Schwarze Sünde | Die Antigone des Sophokles Nach der Hölderlinschen Übertragung Für die Bühne Bearbeitet von Brecht 1948 (Suhrkamp Verlag)
duração total da projeção: 140 min | M/12
SCHWARZE SÜNDE
“Negro Pecado”
de Jean-Marie Straub, Danièle Huillet
com Andreas von Rauch, Vladimir Baratta, Howard Vernon, Danièle Huillet
Alemanha, 1988 – 40     min / legendado electronicamente em português
DIE ANTIGONE DES SOPHOKLES NACH DER HÖLDERLINSCHEN ÜBERTRAGUNG FÜR DIE BÜHNE BEARBEITET VON BRECHT 1948 (SUHRKAMP VERLAG)
A ‘Antígona’ de Sófocles, na tradução de Hölderlin, tal como foi adaptada à cena por Brecht em 1948 (edições Suhrkamp)
de Jean-Marie Straub, Danièle Huillet
com Astrid Ofner, Werner Rehms, Ursula Ofner
Alemanha, 1991-92 – 100 min / legendado em português

SCHWARZE SÜNDE é uma variação de DER TOD DES EMPEDOKLES, baseando-se na terceira versão do texto. Também é uma radicalização do trabalho de mise-en-scène sobre Hölderlin, que é ainda mais agudo. Há mudanças de ponto de vista, como explica o realizador: “Em DER TOD DES EMPEDOKLES, não há um vale entre o ponto de vista e a montanha; em SCHWARZE SÜNDE, há um vale imenso, é possível vê-lo, senti-lo. No primeiro, há uma ideia cénica, uma cena teatral, aqui é outra coisa”. Raramente na obra tão sólida e radical de Straub-Huillet, o funcionamento de conjunto, a harmonia entre os diversos elementos que compõem um filme foi tão nítido. Como diz o longo título completo do filme, ANTIGONE parte do texto de Sófocles, na tradução de Hölderlin, que por sua vez foi adaptada ao palco por Brecht. Filmado ao ar livre, num teatro antigo na Sicília, o filme é hierático, como um ritual. Filme sobre a palavra, tanto mais forte que “nenhuma tragédia convém mais a Straub-Huillet do que Antígona, que vai ao limite extremo da selvajaria”, assinalou Laurence Giavarini nos Cahiers du Cinéma. Segunda passagem em outubro.
 
14/09/2018, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Os Olhos Não Querem Estar Sempre Fechados – O Cinema de Jean-Marie Straub e Danièle Huillet (I)
Von Heute auf Morgen
“De Hoje para Amanhã”
de Jean-Marie Straub, Danièle Huillet
com Christine Wittlesey, Richard Salter, Claudia Barainsky
Alemanha, França, 1996 - 62 min
legendado em português | M/12
VON HEUTE AUF MORGEN foi a terceira incursão de Straub-Huillet na obra de Arnold Schönberg. O filme transpõe uma ópera em um ato, a primeira no mundo escrita em estilo dodecafónico, estreada em 1930. Trata-se de uma ópera sobre o amor conjugal, que triunfa depois de uma crise entre o casal. Straub-Huillet tomaram vários partidos opostos aos de MOSES UND ARON: o filme é a preto e branco e, sobretudo, foi inteiramente feito em estúdio, o que era inédito na obra do casal. Mas mantiveram a opção de filmar em som direto e a mise-en-scène, meticulosa e calculada ao milímetro, é ditada pela música.
 
14/09/2018, 22h30 | Projecção ao Ar Livre
A Cinemateca com o MOTELX: Cinema na Esplanada

Em colaboração com o MOTELX – Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa
The Body Snatcher
O Túmulo Vazio
de Robert Wise
com Boris Karloff, Bela Lugosi, Henry Daniell, Edith Atwater,
Estados Unidos, 1945 - 78 min
legendado em português | M/12
Vagamente adaptado de um conto de Robert Louis Stevenson, THE BODY SNATCHER foi o último filme que juntou os dois grandes vultos do cinema de terror da década de trinta, Boris Karloff e Bela Lugosi. Ambos ficaram indelevelmente associados às personagens a que deram corpo nos anos trinta, a partir de clássicos da literatura – Frankenstein, no caso do primeiro; o Conde Drácula, no caso do segundo. Aqui, contracenam como fornecedores de cadáveres destinados às experiências de um médico (Henry Daniell). Quando falta "matéria-prima", encarregam-se de a encontrar. Um clássico produzido por Val Lewton para a RKO.