agosto de 2017
dstqqss
303112345
6789101112
13141516171819
20212223242526
272829303112
3456789
Ciclos
Pesquisa
CICLO
Velocidade, Vida Intensa, Renovação Constante: Um Programa em Torno de Amadeo


“ – O nosso theatro, já lh’o disse, é o music-hall. O music-hall e o cinematógrafo.
Só ahi ha velocidade, vida intensa, renovação constante. O antigo theatro de canto ou de
declamação está morto ou vai morrer. Não é veloz, não interessa, não se coaduna com a
prodigiosa atividade moderna.”

Citada por João Moreira de Almeida em artigo publicado por ocasião da exposição de pintura de Amadeo de Souza-Cardoso no Porto e em Lisboa em 1916 (“Uma Exposição Original: IMPRESSIONISTA, CUBISTA, FUTURISTA, ABSTRACIONISTA? DE TUDO UM POUCO”, O Dia, 4 de dezembro de 1916) esta afirmação de Amadeo de Souza Cardoso é todo um programa, não só dele próprio como de muitos artistas das vanguardas da década de dez e vinte do século XX. A propósito da exposição comemorativa dessa outra, agora apresentada no Museu Soares do Reis (em dezembro de 2016) e no Museu do Chiado a partir de 11 de janeiro de 2017, a Cinemateca associa-se a este regresso a Amadeo, através de um breve Ciclo de filmes com três componentes: obras de vanguarda e filmes burlescos dos anos dez e do início dos anos vinte (o tempo de Amadeo como pintor em Paris e em Manhufe, até à sua morte em 1918); a evocação de uma programa de cinema no Jardim Passos Manuel, no Porto, por altura em que, no Salão de Festas anexo a essa sala decorria a exposição individual de Amadeo (“Abstracionismo”); uma sessão com filmes que abordam a obra e o universo de Amadeo.
 
02/01/2017, 18h30 | Sala Luís de Pina
Ciclo Velocidade, Vida Intensa, Renovação Constante: Um Programa em Torno de Amadeo

La Folie du Dr. Tube | Les Gaz Mortels
duração total da projeção: 85 min | M/6
 
03/01/2017, 18h30 | Sala Luís de Pina
Ciclo Velocidade, Vida Intensa, Renovação Constante: Um Programa em Torno de Amadeo

Filmes Portugueses dos Anos 1910
duração total da projeção: 121 min | M/12
04/01/2017, 18h30 | Sala Luís de Pina
Ciclo Velocidade, Vida Intensa, Renovação Constante: Um Programa em Torno de Amadeo

La Femme de Nulle Part
de Louis Delluc
França, 1922 - 60 min
05/01/2017, 18h30 | Sala Luís de Pina
Ciclo Velocidade, Vida Intensa, Renovação Constante: Um Programa em Torno de Amadeo

Fièvre | La Souriante Madame Beudet
duração total da projeção: 97 min | M/6
06/01/2017, 18h30 | Sala Luís de Pina
Ciclo Velocidade, Vida Intensa, Renovação Constante: Um Programa em Torno de Amadeo

The Butcher Boy | The Rough House | His Wedding Night | Oh Doctor!
duração total da projeção: 89 min | M/6
02/01/2017, 18h30 | Sala Luís de Pina
Velocidade, Vida Intensa, Renovação Constante: Um Programa em Torno de Amadeo

Em colaboração com o Museu Nacional Soares dos Reis e o Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado
La Folie du Dr. Tube | Les Gaz Mortels
duração total da projeção: 85 min | M/6
Com acompanhamento ao piano por Daniel Schvetz
LA FOLIE DU DR. TUBE
de Abel Gance
com Albert Dieudonné
França, 1915 – 14 min / mudo, com intertítulos em francês legendados eletronicamente em português
LES GAZ MORTELS
de Abel Gance
com Doriani, Émile Keppens, Henri Maillard
França, 1916 – 71 min / mudo, com intertítulos em francês legendados eletronicamente em português

Neste programa, reúnem-se dois filmes do período inicial da carreira de Abel Gance, que mostram o seu gosto pelas histórias pouco banais. Em LA FOLIE DU DR. TUBE, um cientista descobre um pó que deforma a perceção da realidade por aqueles que o tomam e experimenta os efeitos da sua descoberta em várias pessoas, inclusive nele próprio. LES GAZ MORTELS conta uma daquelas descabeladas histórias que Gance adorava: um cientista dedicado ao bem-estar da humanidade recusa-se a preparar gases tóxicos destinados a uma ação de sabotagem (o filme foi realizado em plena Primeira Guerra Mundial, quando gases tóxicos foram abundantemente usados), mas acaba por deixar-se convencer.
03/01/2017, 18h30 | Sala Luís de Pina
Velocidade, Vida Intensa, Renovação Constante: Um Programa em Torno de Amadeo

Em colaboração com o Museu Nacional Soares dos Reis e o Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado
Filmes Portugueses dos Anos 1910
duração total da projeção: 121 min | M/12
OS CRIMES DE DIOGO ALVES
de João Tavares
com Alfredo de Sousa, Amélia Soares
Portugal, 1911 – 23 min / mudo
UMA Conquista de Cardo as Charlot no Jardim Zoológico de Lisboa
de Ernesto de Albuquerque
Portugal, 1916 – 11 min / mudo
ESCALADA À TORRE DOS CLÉRIGOS / UM CHÁ NAS NUVENS
de Raul de Caldevilla
Portugal, 1917 – 9 min / mudo
PRATAS, O CONQUISTADOR
de Emídio Ribeiro Pratas
Portugal, 1917 – 20 min / mudo
MAL DE ESPANHA
de Leitão de Barros
com Joaquim Costa, Sofia Santos, Laura Costa
Portugal, 1918 – 19 min / mudo
A DANÇA DOS PAROXISMOS
de Jorge Brum do Canto
com Jorge Brum do Canto, Maria Manuela, Maria de castro
Portugal, 1930 – 39 min / mudo

Um programa de filmes portugueses dos anos dez, contemporâneos da atividade de Amadeo de Souza-Cardoso, completado pela única incursão do cinema português mudo no domínio da vanguarda à parisiense. OS CRIMES DE DIOGO ALVES é o mais antigo filme de ficção português sobrevivente e é provavelmente um dos primeiros no mundo feitos sobre um assassino em série, que, no caso, atuava no Aqueduto das Águas Livres, em Lisboa. UMA CONQUISTA DE CARDO… e PRATAS, O CONQUISTADOR mostram-nos as modestas proezas de dois imitadores portugueses de Charles Chaplin. ESCALADA À TORRE DOS CLÉRIGOS documenta uma autêntica performance destinada a promover uma marca de bolachas: dois alpinistas escalam a Torre dos Clérigos, no Porto, de onde atiram panfletos publicitários. Em MAL DE ESPANHA, Leitão de Barros conta uma divertida história de um casal numa praia, “ameaçado” pela presença sensual de uma espanhola. A DANÇA DOS PAROXISMOS, a apresentar em cópia restaurada, é o único exemplo que se conhece em Portugal de um filme que teve por modelo a vanguarda francesa dos anos vinte do século XX, sobretudo Marcel L’Herbier, a quem o filme é dedicado. “Nenhum estudo sobre o vanguardismo português dos anos vinte (o possível e o impossível) pode ignorar este filme”, observou João Bénard da Costa.
04/01/2017, 18h30 | Sala Luís de Pina
Velocidade, Vida Intensa, Renovação Constante: Um Programa em Torno de Amadeo

Em colaboração com o Museu Nacional Soares dos Reis e o Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado
La Femme de Nulle Part
de Louis Delluc
com Ève Francis, Gine Avie
França, 1922 - 60 min
mudo, intertítulos em francês, legendados eletronicamente em português | M/12
Louis Delluc (1890-24) foi uma das mais importantes personalidades do cinema francês da sua geração, como crítico (cunhou o neologismo fotogenia), animador e realizador, sendo uma figura essencial da chamada Primeira Vanguarda Francesa. LA FEMME DE NULLE PART costuma ser considerado a sua obra-prima no domínio da realização. Trata-se da história de uma mulher que vai fazer uma última visita à casa onde fora feliz e ali encontra uma jovem que vive a mesma situação que ela vivera. A mise-en-scène é refinada e Delluc utiliza com frequência a figura do “flashback”. Um filme mais célebre do que visto. Primeira exibição na Cinemateca.
05/01/2017, 18h30 | Sala Luís de Pina
Velocidade, Vida Intensa, Renovação Constante: Um Programa em Torno de Amadeo

Em colaboração com o Museu Nacional Soares dos Reis e o Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado
Fièvre | La Souriante Madame Beudet
duração total da projeção: 97 min | M/6
FIEVRE
de Louis Deluc
com Ève Francis, Edmond van Daëlle, Gaston Modot
França, 1921 – 43 min / mudo, intertítulos em francês, legendados eletronicamente em português
LA SOURIANTE MADAME BEUDET
de Germaine Dulac
com Germaine Beudoz, Alexandre Arquillère, Madeleine Guitry
França, 1923 – 54 min / mudo, intertítulos em francês, legendados eletronicamente em português

A ação de FIEVRE é ambientada num bar de Marselha, onde um marinheiro reconhece na dona do bar uma antiga amante, o que desencadeia uma luta de morte. Mas a história é apenas um pretexto para um belo momento de cinema, como observou à época Léon Moussinac: “Da imagem inicial, procede toda a sucessão de imagens que constituem o desenvolvimento do filme. A anedota tem como única função servir de moldura ao quadro”. Germaine Dulac (1882-1942) foi uma forte personalidade, feminista militante, organizadora de cineclubes e uma presença marcante do cinema francês “de vanguarda” ou “impressionista” dos anos vinte. LA SOURIANTE MADAME BEUDET é um clássico do período, porém com uma narrativa linear. Trata-se da história de uma mulher inteligente, infeliz no casamento, cujo marido costuma brincar com um revólver vazio. Um dia, ela põe uma bala no revólver, mas sucede algo inesperado.
06/01/2017, 18h30 | Sala Luís de Pina
Velocidade, Vida Intensa, Renovação Constante: Um Programa em Torno de Amadeo

Em colaboração com o Museu Nacional Soares dos Reis e o Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado
The Butcher Boy | The Rough House | His Wedding Night | Oh Doctor!
duração total da projeção: 89 min | M/6
THE BUTCHER BOY
THE ROUGH HOUSE
HIS WEDDING NIGHT
OH DOCTOR!
de Roscoe Fatty Arbuckle
com Fatty, Buster Keaton, Al. St. John
Estados Unidos 1917 – 30, 22, 19 e 18 min / mudos, legendados eletronicamente em português

Roscoe Arbuckle, conhecido pela alcunha de Fatty, talvez tenha ficado mais célebre pelo escândalo que pôs fim à sua carreira em 1921 e que Kenneth Anger narra em Hollywood Babylon, do que pelos filmes que fez como ator e realizador. Mas Fatty foi um dos grandes talentos da genial escola do cinema burlesco americano, tendo colaborado com Chaplin e Buster Keaton, que é o seu parceiro nos quatro filmes desta sessão. Além de brilhante ator burlesco, escolhido pelo seu físico, Fatty foi um realizador muito talentoso, como o provam as quatro joias que compõem este programa de humor físico, todas realizadas no mesmo ano. Em THE ROUGH HOUSE há inclusive uma “dança dos pãezinhos” que precede em mais de dez anos um dos trechos mais célebres do cinema de Charles Chaplin.