abril de 2020
dstqqss
2930311234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293012
3456789
PROGRAMA
Ciclos
Pesquisa
CICLO
CINENOVA


Estamos na antecâmara da segunda edição do CINENOVA, festival interuniversitário de Cinema e Conhecimento, organizado por alunos e professores da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. A iniciar no dia 5 de março, o CINENOVA exibe uma seleção de curtas-metragens provenientes dos quatro cantos do mundo, uma variedade que reflete diferentes modos de transmissão do conhecimento e intervenção na sociedade. Como foi já apanágio da primeira edição, realizada em fevereiro de 2019, privilegiam-se também agora as formas do documentário e do ensaio cinematográficos, sendo esta sessão de lançamento paradigmática de um cinema que se dá a ver e entender como via de reflexão e crítica: FORDLÂNDIA MALAISE e UM RAMADÃO EM LISBOA espelham a urgência de fomentar um cinema que nos faça meditar sobre o nosso lugar no mundo, reconhecendo no “outro” – paisagem ou pessoa – um espaço de descoberta e partilha.
 
 
04/03/2020, 18h30 | Sala Luís de Pina
Ciclo CINENOVA

Fordlândia Malaise | Um Ramadão em Lisboa
Duração total da sessão: 108 minutos | M/12
 
04/03/2020, 18h30 | Sala Luís de Pina
CINENOVA

Em colaboração com a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa
Fordlândia Malaise | Um Ramadão em Lisboa
Duração total da sessão: 108 minutos | M/12
com a presença dos realizadores
FORDLÂNDIA MALAISE
de Susana de Sousa Dias
Portugal, 2019 – 40 min
UM RAMADÃO EM LISBOA
de Raquel Carvalheira, Catarina Alves Costa, Teresa Costa, Carlos Lima, Joana Lucas, Amaya Sumpsi
Portugal, 2019 – 68 min / legendado em português

Uma experiência multimédia de Susana de Sousa Dias sobre uma cidade do futuro, mas sem futuro, fundada em 1929 por Henry Ford em plena floresta amazónica – é este o décor “impossível” de FORDLÂNDIA MALAISE, obra que, de modo surpreendente, mistura imagens de arquivo com extraordinários planos filmados recorrendo a drones. Esta curta-metragem marca a entrada de Susana de Sousa Dias numa nova fase da sua obra: libertada do tema do Estado Novo em Portugal, mas ainda assombrada pelo estudo das formas de poder e submissão ao longo da história, que, no caso, remetem para o passado colonial tal como vertido na paisagem brasileira. UM RAMADÃO EM LISBOA é uma obra coletiva que documenta como um grupo de muçulmanos vivendo em Lisboa enfrenta o mês de jejum, do frenesim dos primeiros dias ao desgaste final. Uma equipa de realização predominantemente feminina “sai à rua” cruzando e dando rostos vários a uma realidade não tão distante ou exótica quanto possamos pensar.