agosto de 2020
dstqqss
2627282930311
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
303112345
PROGRAMA
Ciclos
Pesquisa
CICLO
Rever the Tree of Life


A presença em Portugal, trazido pela Academia Portuguesa de Cinema, do montador Jay Rabinowitz é pretexto para revisitarmos um dos filmes maiores de Terrence Malick. Colaborador habitual de Jim Jarmusch, tendo assinado a montagem de vários dos seus fillmes entre NIGHT ON EARTH e THE LIMITS OF CONTROL, Rabinowitz trabalhou com outros nomes cimeiros do cinema independente americano, como Darren Aranofski e Paul Schrader. A sua contribuição para um dos filmes mais relevantes de Terrence Malick não podia deixar de ser um dos momentos mais marcante na carreira deste montador, o qual irá revisitar nesta sessão aspetos particulares dessa colaboração com o mais idiossincrático e esquivo dos realizadores americanos.
 
 
13/12/2019, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Rever the Tree of Life

The Tree of Life
A Árvore da Vida
de Terrence Malick
Estados Unidos, 2011 - 138 min
 
13/12/2019, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Rever the Tree of Life

em colaboração com a Academia Portuguesa de Cinema
The Tree of Life
A Árvore da Vida
de Terrence Malick
com Brad Pitt, Sean Penn, Jessica Chastain, Fiona Swaw
Estados Unidos, 2011 - 138 min
legendado em português | M/12
sessão apresentada por Jay Rabinowitz
Um filme que acompanha a existência de Jack (Hunter McCracken enquanto jovem, Sean Penn em adulto) desde o seu nascimento, nos anos 1950, até à idade adulta, da perda da inocência ao cinismo de um homem maduro. Jack, o mais velho de três irmãos, cresce dividido entre duas visões divergentes da realidade: o autoritarismo de um pai, ambicioso e descrente (Brad Pitt), com quem vive em perpétuo conflito, e a generosidade e candura de uma mãe (Jessica Chastain), que lhe dá conforto e segurança. Refletindo sobre a origem do universo e de como a tragédia da vida de um ser humano pode ser tão diminuta quando vista a uma escala global, THE TREE OF LIFE é exemplo maior do lirismo do cinema de Malick: “O que ele nos mostra é o fantasma ainda possível da beleza no cinema” (João Bénard da Costa).