junho de 2020
dstqqss
31123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
2829301234
567891011
PROGRAMA
Ciclos
Pesquisa
CICLO
Queer Lisboa 23


A Cinemateca colabora com o Queer Lisboa, desde a sua primeira encarnação como Festival Gay e Lésbico de Lisboa, que recua a 1997. Nesta sua 23ª edição, o Queer Lisboa homenageia a secção Panorama do Festival Internacional de Cinema de Berlim, com uma série de filmes que ali foram apresentados ou que refletem o espírito de abertura estética e política da secção da Berlinale. Sobre o motivo e o sentido desta homenagem, transcreve-se o texto “Queer Lisboa convida o Berlinale Panorama 40”, de Wieland Speck, realizador, fundador do Teddy Award, curador do Panorama 1993-2017, no Festival Internacional de Berlim, de quem está programado um filme nesta edição do Queer e que estará na Cinemateca a apresentá-lo.
 
“Em 1980, o recém-endossado diretor do Festival Internacional de Cinema de Berlim complementou a Competição da Berlinale com uma secção desenhada para acolher uma maior liberdade artística na sua seleção de filmes. Esta nova parte do festival pretendia-se mais aberta ao radical e devia espelhar as inovações que influenciaram o cinema durante a década de 1970. Esse foi um período em que as subculturas inspiravam a sociedade, as teorias de emancipação começavam a ser postas à prova e, em lugar da normatividade – tida até então como o maior bem das sociedades democráticas do pós-Guerra –, as alternativas à mesma eram agora vistas como desejo maior. Manfred Salzgeber, cofundador da secção Forum da Berlinale, foi chamado a dirigir este novo programa. Logo no seu ano inaugural, apresentou filmes feministas, gay, lésbicos e de outros paradigmas alternativos, complementando e mesmo opondo-se ao mainstream. A sua seleção de filmes viria a inspirar aqueles que sentiam a necessidade de criar mudanças na sociedade tal como estava, tornando-a num lugar habitável para as minorias e para todos aqueles que queriam pensar mais além.
40 anos de Panorama é a ocasião perfeita para, numa colaboração entre a 23.ª edição do Queer Lisboa e a Cinemateca Portuguesa, propor um olhar retrospetivo sobre um conjunto de filmes que permitem um entendimento da alma e substância deste programa, e um impressionante conjunto de nomes que preencheram esses 40 anos, de Tsai Ming-Liang a Lasse Hallström, passando por Isaac Julien e Monika Treut, entre muitos outros.”
 
 
27/09/2019, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Queer Lisboa 23

Ching Shao Nien na Cha / Rebels of a Neon God
Os Rebeldes do Deus Neon
de Tsai Ming-Liang
Taiwan, 1992 - 106 min
 
28/09/2019, 17h00 | Sala Luís de Pina
Ciclo Queer Lisboa 23

Paisagem | Um Campo de Aviação | A Torre | Insert | Retrato de Inverno de uma Paisagem Ardida
duração total da projeção: 99 min | M/12
28/09/2019, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Queer Lisboa 23

Mister Lonely
de Harmony Korine
Estados Unidos, 2007 - 112 min
27/09/2019, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Queer Lisboa 23

em colaboração com o Queer Lisboa – Festival Internacional de Cinema Queer 2019
Ching Shao Nien na Cha / Rebels of a Neon God
Os Rebeldes do Deus Neon
de Tsai Ming-Liang
com Chao-Jung Chen, Chang-Bin Jen, Kang-Sheng Lee, Hsiao-Ling Lu
Taiwan, 1992 - 106 min
legendado em inglês e eletronicamente em português | M/16
Nascido em 1957 na Malásia, de pais chineses, e educado em Taiwan, Tsai Ming-Liang é um dos cineastas mais conceituados da sua geração. Em OS REBELDES DO DEUS NEON, um rapaz introvertido, que abandonou os estudos, passa o dia a vaguear e acaba por seguir um delinquente, sendo atraído para o mundo dos escuros motéis de Taipé. O filme foi apresentado na Cinemateca em 2001, no âmbito do 5º Festival Gay e Lésbico de Lisboa, o ancestral do Queer Lisboa, ano em que Tsai Ming-Liang foi objeto de uma retrospetiva. “Todos os traços, estilísticos e temáticos, que caraterizam a sua obra já se encontravam neste primeiro filme; e nem se trata daqueles casos em que semelhante afirmação deva ser acompanhada pela expressão ‘em embrião’, porque tudo está já perfeitamente definido e, diríamos mesmo, desenvolvido”, observou à época Luís Miguel Oliveira. A apresentar em cópia digital.
 
28/09/2019, 17h00 | Sala Luís de Pina
Queer Lisboa 23

em colaboração com o Queer Lisboa – Festival Internacional de Cinema Queer 2019
Paisagem | Um Campo de Aviação | A Torre | Insert | Retrato de Inverno de uma Paisagem Ardida
duração total da projeção: 99 min | M/12
Por motivos técnicos, o programa AGÊNCIA VINTE ANOS: CARTA-BRANCA A CLÁUDIA VAREJÃO, originalmente previsto para ser apresentado no Cinema São Jorge no Sábado dia 27 às 17 horas, não poderá ser projetado naquele cinema. O programa será apresentado na Cinemateca, no Sábado dia 28, às 17 horas, na Sala Luís de Pina
PAISAGEM / LANDSCAPE
de Renata Sancho
Portugal, 2001
UM CAMPO DE AVIAÇÃO / AN AVIATION FIELD
de Joana Pimenta
Estados Unidos/Portugal, 2016
A TORRE / THE TOWER
de Salomé Lamas
Portugal/Alemanha/Moldávia, 2015
INSERT
de Filipa César e Marco Martins
Portugal, 2010
RETRATO DE INVERNO DE UMA PAISAGEM ARDIDA / WINTER’S PORTRAIT OF A BURNT LANDSCAPE
Portugal, 2008
 
28/09/2019, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Queer Lisboa 23

em colaboração com o Queer Lisboa – Festival Internacional de Cinema Queer 2019
Mister Lonely
de Harmony Korine
com Diego Luna, Samantha Morton, Denis Lavant, James Fox
Estados Unidos, 2007 - 112 min
legendado eletronicamente em português | M/16
Menino-prodígio (realizou GUMMO aos 23 anos) e bad boy do “cinema independente” americano, Harmony Korine é uma das personalidades mais fortes e “incorretas” da sua geração. Em MISTER LONELY, um músico das ruas de Paris acaba numa comuna na Escócia habitada por pessoas que “personificam” celebridades, como Charles Chaplin, Abraham Lincoln, Madonna e James Dean. Todos sonham organizar um espetáculo de gala. Em paralelo, há uma segunda história com um grupo de freiras que faz parte de um núcleo caritativo no Panamá. Uma delas cai de um avião e sobrevive, fazendo crer num milagre. Foi o primeiro filme do realizador depois de oito anos de ausência. Primeira exibição na Cinemateca.