maio de 2020
dstqqss
262728293012
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31123456
PROGRAMA
Ciclos
Pesquisa
CICLO
Revisitar os Grandes Géneros: O Esplendor do Melodrama


Um dos princípios da programação da Cinemateca Portuguesa tem sido o equilíbrio entre o património clássico e diversas tendências do cinema contemporâneo. Com este Ciclo, abrimos um espaço, a que voltaremos com alguma regularidade nos próximos anos, dedicado aos maiores géneros clássicos, nisso incluindo produções de referência no interior do “studio system” de Hollywood e muitas outras, à volta, no cinema mundial, mais ou menos circunscritas (de acordo com cada caso concreto) ao intervalo histórico em que as convenções desse “sistema” mais se afirmaram. A prazo, nalguns casos, voltaremos a territórios que, em décadas anteriores, a Cinemateca já abordou em termos de género (como o Musical, o Western, a Ficção Científica ou o “Film Noir” ou numa série de programas intitulada “É do Meu Género”). Noutros, organizaremos de forma sintética aquilo que foi antes aqui tratado em Ciclos temáticos diversos, por vezes a partir de evocações de autores marcantes ou de períodos específicos dentro da evolução global de um género. Inauguramos este percurso com o Melodrama, um género que, em última análise, é tão antigo quanto o cinema, e que costuma despertar reações extremas nos espectadores, de adesão ou rejeição. Na verdade, os verdadeiros apreciadores do Melodrama talvez procurem um duplo prazer: por um lado, a adesão aos sonhos e emoções das personagens; por outro, a distância irónica. O próprio Melodrama baseia-se em princípios antitéticos: culpabilidade/redenção, lealdade/traição, pureza/perversidade. As tramas narrativas também costumam ser divididas de maneira antinómica, com um “antes”, feito de felicidade e um “depois”, no qual se acumulam as desgraças e que costuma desembocar numa redenção. Estas tramas narrativas contêm diversas situações-chave, independentemente do país em que o filme foi produzido, sobre as quais pairam a hipocrisia moral e as noções de culpa e pecado (o ato sexual não destinado à reprodução da espécie é, evidentemente, o maior de todos os pecados). Entre estas situações narrativas típicas do melodrama estão o segredo, a confissão, o engano, o adultério, a substituição de personagens, a enfermidade, a doença mortal, o amor entre pessoas de condição social diferente, a oposição entre a pureza do campo e a corrupção moral da cidade. As catástrofes – pessoais, naturais ou sociais – abatem-se impiedosamente sobre as personagens, que só aspiram à felicidade. O protagonista é sempre uma vítima inocente cercada por diversas personagens maléficas, mas encontra pelo caminho pessoas de bom coração. Estoica e algo masoquista, a personagem do melodrama não luta contra o seu destino, aceita-o com fatalismo. Neste contexto, a mulher é a vítima ideal, sobretudo se for mãe e tiver de se sacrificar pelo filho (mais raramente a filha) ou for separada dele por ter sido seduzida e abandonada. Para este Ciclo composto por filmes realizados nos anos trinta, quarenta e cinquenta do século XX (donde, neste caso, no período central do que costumamos entender por “cinema clássico”), escolhemos obras vindas de horizontes muito variados – não apenas europeias e americanas – algumas célebres e outras raras, algumas de cineastas maiores, como Douglas Sirk e John M. Stahl, outras de competentes e prolíficos makers como Augusto Genina e Carmine Gallone, outras ainda de cineastas pouco conhecidos além das fronteiras do seu país. Além de quatro exemplos da cinematografia mexicana, talvez a mais rica no género e a que concebeu as histórias mais extravagantes, apresentamos exemplos de duas grandes cinematografias que muito ilustraram o género, a americana, com sete filmes e a italiana, com quatro. Como o melodrama não tem fronteiras geográficas ou políticas, há um exemplo da cinematografia da Alemanha nazi e outro da URSS estalinista, além de incursões por filmes vindos de Espanha, da Finlândia, do Egito, da Grécia e da Índia. Portugal não podia deixar de estar representado num Ciclo sobre este tema e podemos rever FADO, com Amália Rodrigues. Em todos estes filmes podemos encontrar as situações dramáticas e as técnicas narrativas descritas acima. O Ciclo desdobra-se numa série de cinco sessões-conferência por Mário Jorge Torres (grande estudioso e divulgador do Melodrama entre nós) integradas na rubrica “Histórias do Cinema”, que, como habitualmente nesta rubrica, antecedem outros tantos filmes por ele escolhidos para introduzir o género.
 
 
03/06/2019, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Revisitar os Grandes Géneros: O Esplendor do Melodrama

La Schiava del Pecato
A Escrava do Pecado
de Raffaello Matarazzo
Itália, 1953 - 100 min
 
03/06/2019, 18h30 | Sala Luís de Pina
Ciclo Revisitar os Grandes Géneros: O Esplendor do Melodrama

Bugambilia
A Flor de Sangue
de Emilio Fernández
México, 1945 - 105 min
04/06/2019, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Revisitar os Grandes Géneros: O Esplendor do Melodrama

Dark Victory
Vitória Negra
de Edmund Goulding
Estados Unidos, 1939 - 104 min
04/06/2019, 18h30 | Sala Luís de Pina
Ciclo Revisitar os Grandes Géneros: O Esplendor do Melodrama

Levoton Veri
“Sangue Inquieto”
de Teuvo Tulio
Finlândia, 1946 - 100 min
04/06/2019, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Revisitar os Grandes Géneros: O Esplendor do Melodrama

La Loca
de Miguel Zacarias
México, 1952 - 86 min
03/06/2019, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Revisitar os Grandes Géneros: O Esplendor do Melodrama
La Schiava del Pecato
A Escrava do Pecado
de Raffaello Matarazzo
com Silvana Pampanini, Franco Fabrizi, Camilo Pilotto
Itália, 1953 - 100 min
legendado eletronicamente em português | M/12
Rafaello Matarazzo foi o mais célebre realizador de melodramas em Itália, com títulos como CATENE e L’ANGELO BIANCO. Além de argumentos que alinham deliberadamente todos os clichés do género, os seus filmes costumam caracterizar-se por um ambiente abafado e uma sucessão de golpes da fatalidade. Em A ESCRAVA DO PECADO, um título que já diz tudo, Matarazzo aborda o eterno tema da pecadora sem redenção. Uma mulher e uma garota sobrevivem a um acidente ferroviário e entre ambas nasce uma profunda amizade. Mas a mulher é prostituta e não pode ficar com a criança. Mais tarde, tenta adotá-la. À época, o crítico Arturo Lanocita escreveu que este “é um filme afogado em lágrimas. Nada é subentendido, tudo é sublinhado, E os suspiros prevalecem sobre as palavras. Também desta vez soluçarão os espectadores de coração sensível”. Primeira exibição na Cinemateca.
 
03/06/2019, 18h30 | Sala Luís de Pina
Revisitar os Grandes Géneros: O Esplendor do Melodrama
Bugambilia
A Flor de Sangue
de Emilio Fernández
com Dolores del Rio, Pedro Armendáriz, Júlio Villareal
México, 1945 - 105 min
legendado eletronicamente em português | M/12
Emilio Fernández (1904-86), dito “El Índio”, é o mais célebre realizador mexicano do período clássico, com obras como MARIA CANDELARIA, LA PERLA e RIO ESCONDIDO, entre outras, que tiveram distribuição internacional à época. Em BUGAMBILIA, um dos seus melhores filmes, Fernández reúne duas das maiores vedetas mexicanas numa história de amor impossível entre uma jovem e bela aristocrata e um homem que trabalha nas minas de prata que pertencem ao pai dela. Uma mise-en-scène grandiosa, servida pela magnífica fotografia de Gabriel Figueroa, um dos mais célebres diretores de fotografia do período clássico. Foi apresentado uma única vez na Cinemateca, em 1997.
 
04/06/2019, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Revisitar os Grandes Géneros: O Esplendor do Melodrama
Dark Victory
Vitória Negra
de Edmund Goulding
com Bette Davis, George Brent, Humphrey Bogart
Estados Unidos, 1939 - 104 min
legendado em português | M/12
Um soberbo melodrama, que conta a história de uma mulher rica e fútil, atingida por uma doença mortal. A terceira e última parte do filme é um caminhar para a morte e, no plano final, a imagem torna-se totalmente negra, numa visão surpreendentemente não religiosa, para um filme de Hollywood, da passagem para a morte. Uma das maiores interpretações de Bette Davis, que já deixara os papéis de jovem inocente, mas ainda estava longe de ser estereotipada como megera. Em papéis secundários, as presenças de Ronald Reagan e sobretudo Humphrey Bogart, dois anos antes de se tornar uma vedeta quando protagonizou THE MALTESE FALCON.
 
04/06/2019, 18h30 | Sala Luís de Pina
Revisitar os Grandes Géneros: O Esplendor do Melodrama
Levoton Veri
“Sangue Inquieto”
de Teuvo Tulio
com Regina Linnanheimo, Eino Katajavuori, Toini Vartiainen
Finlândia, 1946 - 100 min
legendado eletronicamente em português | M/12
Autor de alguns dos melodramas mais perversos e estapafúrdios que se possa imaginar, o finlandês Teuvo Tulio (1912-2000) foi objeto de algum reconhecimento internacional a seguir à sua morte. Nos seus filmes, à extravagância das tramas narrativas, junta-se um forte sentido visual e um uso peculiar do som, em que a música predomina sobre os ruídos naturalistas. LEVOTON VERI é um dos seus filmes mais alucinados, sobre um triângulo amoroso em que as duas mulheres são irmãs, sendo uma delas cega e a outra uma adolescente. O grande programador finlandês Peter von Bagh intitulou um artigo seu sobre Teuvo Tulio, “O Campo dos Sonhos”. De facto, o delírio narrativo deste filme parece pertencer mais ao mundo dos sonhos do que à realidade, numa sucessão permanente de surpresas.
 
04/06/2019, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Revisitar os Grandes Géneros: O Esplendor do Melodrama
La Loca
de Miguel Zacarias
com Libertad Lamarque, Ruben Rojo, Alma Delia Fuentes
México, 1952 - 86 min
legendado em português | M/12
A exibição de LA LOCA, de Miguel Zacarias, substitui a do inicialmente programado IL SOGNO DI BUTTERFLY, de Carmine Gallone, porque a cópia que nos chegou não estar em condições de ser exibida.
Grande vedeta do tango, Libertad Lamarque teve de deixar a sua Argentina natal devido à perseguição de Eva Perón, com quem se tinha cruzado na rodagem de LA CAVALGADA DEL CIRCO quando a futura primeira-dama ainda se chamava Duarte e era pouco mais do que uma figurante. Diz a tradição que Libertad a esbofeteara em pleno plateau. Foi então para o México, onde continuou a sua triunfante carreira e onde foi protagonista de dezenas de filmes, cada qual mais delirante do que o outro. Em LA LOCA, por exemplo, é uma mulher da alta sociedade, filantropa e, como indica o título, louca… Fará o bem sem saber a quem? Só quem vir o filme poderá responder.