abril de 2017
dstqqss
2627282930311
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30123456
PROGRAMA
Ciclos
Pesquisa
12/04/2017, 10h00 | Salão Foz
10 Anos de Cinemateca Júnior

Programa especial organizado nas instalações da Cinemateca Júnior e na Sala M. Félix Ribeiro
Vamos fazer Filmes | Oficina de Cinema Coordenada por Manuel Mozos
dos 8 aos 12 anos  |  preço: 35 €

horários: 10:00-13:00 | 14:30-16:30

Esta oficina desafia os Juniores a desenvolverem coletivamente pequenos filmes de ficção. A viagem inicia-se com uma visita à exposição permanente de pré-cinema, e nela veremos algumas curtas-metragens portuguesas, mas também de Charlie Chaplin e Buster Keaton. O objetivo será analisar e assimilar alguns conceitos que familiarizem os participantes com a linguagem cinematográfica. As filmagens decorrerão na Cinemateca Júnior, e as crianças serão divididas em equipas: realizador, assistente de realização, atores, maquilhadores e guarda-roupa. Assim, os participantes terão oportunidade de conhecer o ambiente que se vive nas rodagens. A Oficina de Cinema requer marcação prévia até 27 de março para cinemateca.junior@cinemateca.pt, só se realizando com o mínimo de quinze participantes.
 
12/04/2017, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
8 ½ Festa do Cinema Italiano: Dino Risi

Em colaboração com a Associação Il Sorpasso
Operazione San Gennaro
Golpe de Mestre à Napolitana
de Dino Risi
com Nino Manfredi, Senta Berger, Totò
Itália, 1966 - 104 min
legendado eletronicamente em português | M/12
Um dos mais divertidos filmes de Risi, e a sua única colaboração com essa figura emblemática da comédia italiana que foi Totò (de resto, aqui num dos seus últimos papéis). É a história de uma golpada, que à boa maneira italiana mistura amadores e profissionais, e cujo móbil é de especial curiosidade para os espectadores portugueses: trata-se de aproveitar o dinheiro do roubo para com ele comprar o passe de Eusébio e oferecê-lo ao principal clube de futebol napolitano, o Napoli.
 
12/04/2017, 18h30 | Sala Luís de Pina
Cinema Tunisino

Em colaboração com a Embaixada da Tunísia
Sfaya Min Dhahab
“Os Cascos de Ouro”
de Nouri Bouzid
com Hichem Rstom, Hammad Zamouk, Michkret Krifa
Tunísia, França, 1989 - 104 min
legendado eletronicamente em português | M/12
Nouri Bouzid é um dos mais conhecidos realizadores tunisinos e o único que tem mais do que um título selecionado neste breve Ciclo. O seu filme de estreia, RIH ESSED / “O HOMEM DE CINZAS” (1986), marcou a sua época. Em SFAYA MIN DHAHAB, o protagonista sai da cadeia, para onde o levaram as suas ideias políticas e é recebido por uma Tunísia que parece apagada. A realidade do país não mudara, contrariamente ao que ele e outros intelectuais tinham previsto. “Depois de RIH ESSED / “O HOMEM DE CINZAS”, mais um hino dolente à liberdade de pensamento, por um autêntico cineasta de África” (Segnocinema).
 
12/04/2017, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Lançamento da Edição DVD “Rino Lupo: Mulheres da Beira / Os Lobos”
Os Lobos
de Rino Lupo
com José Soveral, Branca de Oliveira, Joaquim Almada, Sarah Cunha
Portugal, 1923 - 83 min
mudo, intertítulos em português | M/12
com acompanhamento ao piano por Nicholas McNair
O italiano Rino Lupo (1888-1934) começou a trabalhar em cinema em Paris em 1908, prosseguindo a sua carreira na Alemanha, na Dinamarca, na Rússia e na Polónia. Em 1921, foi convidado a instalar-se em Portugal pela Invicta Filmes, empresa fundada no Porto com a ambição de realizar filmes de qualidade. Depois de MULHERES DA BEIRA, que foi mal recebido, Rino Lupo realizou OS LOBOS, rodado em cenários naturais na Serra da Estrela, considerado como um dos melhores filmes mudos realizados em Portugal. Depois deste filme, Lupo voltou para França, embora ainda tenha regressado a Portugal para filmar, porém com muito menos brilho. A propósito de OS LOBOS, João Bénard da Costa escreveu: “OS LOBOS, um filme eventualmente influenciado pela escola nórdica, é a obra onde se desenham as matrizes do que, no futuro, seriam as constantes do melhor cinema português: a criação de uma poética à margem do argumento ou até contra ele; a fundamentação de uma figuração plástica como contorno de uma figuração dramática; a colagem de citações – ou memórias – dispersas aglutinando um imaginário que não se reconhece no que é mas no que flui”. Nicholas McNair interpreta ao piano a música original composta por António Tomás de Lima em 1925, gravada propositadamente para a edição DVD do filme agora lançada pela Cinemateca.
 
12/04/2017, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Lubitsch Americano
So This is Paris
A Loucura do Charleston
de Ernst Lubitsch
com Monte Blue, Patsy Ruth Miller, André Béranger, Lilyan Tashman
Estados Unidos, 1926 - 80 min
mudo, intertítulos em checo legendados eletronicamente em português | M/12
Com acompanhamento ao piano por Filipe Raposo
Alguns críticos consideram SO THIS IS PARIS o filme mais divertido do período mudo americano de Lubitsch. Retomando o tema de DAS FIDELE GEFANGNIS (“A ALEGRE PRISÃO”, 1917), a trama narrativa é baseada na opereta O Morcego, de Johan Strauss Jr. com a ação transposta para os Estados Unidos dos anos vinte. Um homem vai salvar uma mulher que está a ser agredida por um árabe descobrindo tratar-se de uma cena representada por dois atores num ensaio, mas também que ela fora sua amante. A isto segue-se uma série de trocas cruzadas de casais. Tudo com a leveza, o cinismo e a perfeição caraterísticos do cinema de Lubitsch. Prodigioso no partido que tira do espaço cénico e dos movimentos de câmara. Um filme mudo dançado.