março de 2016
dstqqss
282912345
6789101112
13141516171819
20212223242526
272829303112
3456789
PROGRAMA
Ciclos
Pesquisa
10/03/2016, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Moving Cinema

Em colaboração com Os Filhos de Lumière
Xavier
de Manuel Mozos
com Pedro Hestnes, Isabel Ruth, Cristina Carvalhal, Isabel de Castro
Portugal, 1992 - 91 min | M/12
com a presença de Manuel Mozos, projeção seguida de debate

Uma das melhores primeiras obras portuguesas dos anos noventa, contemporânea de O SANGUE, de Pedro Costa, ou A IDADE MAIOR, de Teresa Villaverde, que, por vicissitudes várias, só pôde ser concluída e estreada mais de dez anos depois da rodagem (a ante-estreia teve lugar na Cinemateca a 10 de outubro de 2003, 11 anos depois da rodagem do filme). Numa Lisboa que, direta ou indiretamente, dialoga com a de OS VERDES ANOS de Paulo Rocha, XAVIER é um belíssimo filme sobre uma juventude de identidade dividida entre os mundos urbano e rural, vista com profunda doçura. O protagonista (Xavier) é Pedro Hestnes numa belíssima interpretação.
 

10/03/2016, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Cinema e Escrita

Em colaboração com o Projeto Falso Movimento – Estudos Sobre Escrita e Cinema
Utamaru o Meguru Gonin no Onna
"Cinco Mulheres à Volta de Utamaro"
de Kenji Mizoguchi
com Minosuke Bando, Tshiko Iikuza, Hiroko Kawasaki
Japão, 1946 - 92 min
legendado eletronicamente em português | M/12

Uma das obras mais singulares da maturidade de Mizoguchi, na qual se fundem um “retrato” de Utamaro, grande pintor japonês de fins do século XVIII, com uma evidente identificação do cineasta com o pintor, e a temática feminina que atravessa toda a obra do grande mestre do cinema japonês. “Logo no genérico, a sobreposição dos carateres japoneses sobre a procissão floral em Quioto, nos introduz ao mundo da pintura, num efeito caligráfico em que o desenho releva sobre o ‘flou’ da imagem, como se já houvera uma fixidez inalterável pelo movimento” (João Bénard da Costa). A apresentar em cópia digital.

10/03/2016, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Cinema e Escrita

Em colaboração com o Projeto Falso Movimento – Estudos Sobre Escrita e Cinema
Anemic Cinema | Emak Bakia | Le Sang d’un Poète
duração total da projeção: 81 min | M/12

ANEMIC CINEMA
de Marcel Duchamp
França, 1925 – 7 min / mudo, sem intertítulos
EMAK BAKIA
de Man Ray
com Kiki de Montparnasse, Jacques Rigaut
França, 1926 – 19 min / mudo, intertítulos em francês legendados eletronicamente em português
LE SANG D’UN POETE
de Jean Cocteau
com Enrique Rivero, Pauline Carton, Odette Talazac
França, 1930 – 55 min / legendado eletronicamente em português

A sessão reúne Duchamp, Man Ray e Cocteau em três importantes títulos da vanguarda dos anos vinte e trinta. ANEMIC CINEMA é um ensaio filmado e provocante em que Duchamp põe em causa as próprias regras admitidas e aplicadas pelo cinema. EMAK BAKIA é um dos mais célebres filmes de Man Ray, um “cinepoema” composto de planos com várias das técnicas que tornaram único o trabalho fotográfico de Man Ray. Primeira incursão de Cocteau no cinema, LE SANG D’UN POÈTE contém elementos autobiográficos que voltam em várias das suas obras, e algumas das suas obsessões, como os espelhos e a passagem para “o outro lado”. É a primeira parte da “Trilogia de Orfeu” que Cocteau continuou em ORPHÉE e LE TESTAMENT DE ORPHÉE (1950 e 60).