agosto de 2022
dstqqss
31123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031123
45678910
Ciclos
Pesquisa
CICLO
O Espírito do Lugar: Licínio de Azevedo, Cineasta de Moçambique


“O meu compromisso é com as pessoas, e não com o cinema”. A afirmação de Licínio de Azevedo diz muito do seu entendimento e da sua prática do cinema, a que chegou vindo da escrita e do jornalismo, a partir de meados dos anos oitenta, compondo desde então uma obra profundamente enraizada na realidade moçambicana no rasto da guerra pela independência do país e da subsequente guerra civil, e efetivamente criando uma linguagem cinematográfica própria. Como “cronista”, como “contador de histórias”, foi apurando o seu território na imbricação de registos, a realidade, os seus fantasmas e delírios, bem como a ficção que ela permite, ou à qual se abre. O cinema documental e o de ficção coexistem nos filmes de Licínio com uma notável originalidade, que em boa medida assenta na importância de um olhar sobre as pessoas, as suas histórias e movimentos individuais no contexto da realidade – moçambicana – em que vivem, dando-lhes, a elas, a voz. Frequentemente também pondo-as a viver as suas próprias experiências, interpretando-se como “personagens” face à câmara, num gesto que convoca a memória e propõe uma possibilidade de catarse. “Estou mais interessado naquilo que as pessoas são no momento em que estão a ser filmadas do que naquilo que podem ser como personagens”, diz também Licínio.
A “intuição” chegou cedo na sua filmografia, logo em A COLHEITA DO DIABO, que apresentando-se como um filme de ficção integra a participação, nos seus próprios papéis, de (não)atores ex-combatentes da FRELIMO. Tornou-se uma evidência no seguinte MARRACUENE, que o cineasta considera como o filme em que começou a desenvolver a sua linguagem documental, pondo as pessoas a dialogar entre si e a viver o seu quotidiano para a câmara, o que numa obra mais tardia como DESOBEDIÊNCIA adquire uma assinalável expressão. O cinema de Licínio (que o próprio tem vindo a produzir na Ebano Multimedia, de que foi um dos fundadores) reflete a guerra pela independência de Moçambique, muito presente nos seus primeiros filmes, mas também a realidade que se lhe seguiu e muito especialmente a da guerra civil, fazendo ainda eco do passado colonial português. Simultaneamente incide em questões prementes da vivência moçambicana e nas suas “histórias comunitárias”; revela a natureza contemporânea da sociedade moçambicana; centra-se inúmeras vezes em figuras e personagens femininas; vive da ancestralidade da cultura africana. A tragédia, uma certa loucura e o sentido de humor que reconhece como traços moçambicanos enformam os filmes de Licínio onde encontram um forte eco, em conjugação com as influências do jornalismo americano e do realismo mágico latino-americano, decisivas na conjugação de elementos e registos que caraterizam o seu cinema.
Nascido no Brasil em 1951, cedo interessado pelo jornalismo de investigação na tradição americana, Licínio de Azevedo estudou jornalismo, foi repórter policial, escreveu na revista Folha da Manhã durante a ditadura brasileira e percorreu boa parte da América Latina como repórter especialmente focado em assuntos sociais, tendo ainda trabalhado em Portugal e na Guiné-Bissau. A Moçambique, chegou em 1977 a convite de Ruy Guerra, que então montava o Instituto Nacional de Cinema, em tempos de convicção ideológica e intensa militância. Aí começou por escrever textos para documentários e contactou com Jean Rouch e Jean-Luc Godard, a quem fica a “dever” a descoberta da tecnologia do vídeo. A passagem à realização dá-se em 1986 com as curtas-metragens MELANCÓLICO e O POÇO, logo premiados em festivais internacionais de cinema, o que tem vindo a ser uma recorrência nos filmes de Licínio, que em 1999 recebeu o prémio FUNDAC do Fundo Nacional da Cultura de Moçambique pelo conjunto da sua obra cinematográfica. Da sua obra como escritor – e é como escritor e cineasta que Licínio de Azevedo se apresenta –, refiram-se Diário da Libertação publicado no Brasil e coassinado com Maria da Paz Rodrigues, livro que terá levado Ruy Guerra a desafiá-lo à ida para Moçambique; Relatos do Povo Armado, que esteve na origem do argumento da primeira longa-metragem de ficção moçambicana O TEMPO DOS LEOPARDOS (Zdravko Velimirovic, 1985); ou O Comboio de Sal e Açúcar, ambientado na guerra civil, que está na base do filme que Licínio conclui neste momento em Portugal.

Os filmes a apresentar são em todos os casos primeiras exibições na Cinemateca. Vão ser projetados nos seus formatos originais em vídeo e em ficheiros digitais. Licínio de Azevedo acompanha o programa da retrospetiva da sua obra em Lisboa, apresentando algumas das sessões da retrospetiva.
 

 
22/12/2015, 18h30 | Sala Luís de Pina
Ciclo O Espírito do Lugar: Licínio de Azevedo, Cineasta de Moçambique

Marracuene | Adeus RDA | A Árvore dos Antepassados
duração total da sessão: 118 min | M/12
 
23/12/2015, 18h30 | Sala Luís de Pina
Ciclo O Espírito do Lugar: Licínio de Azevedo, Cineasta de Moçambique

As Pitas | O Grande Bazar
duração total da sessão: 112 min | M/12
28/12/2015, 18h30 | Sala Luís de Pina
Ciclo O Espírito do Lugar: Licínio de Azevedo, Cineasta de Moçambique

Desobediência
de Licínio de Azevedo
Moçambique, 2002 - 92 min
29/12/2015, 18h30 | Sala Luís de Pina
Ciclo O Espírito do Lugar: Licínio de Azevedo, Cineasta de Moçambique

Hóspedes da Noite
de Licínio de Azevedo
Moçambique, 2007 - 53 min | M/12
30/12/2015, 18h30 | Sala Luís de Pina
Ciclo O Espírito do Lugar: Licínio de Azevedo, Cineasta de Moçambique

A Ilha dos Espíritos
de Licínio de Azevedo
Moçambique, 2009 - 63 min
22/12/2015, 18h30 | Sala Luís de Pina
O Espírito do Lugar: Licínio de Azevedo, Cineasta de Moçambique
Marracuene | Adeus RDA | A Árvore dos Antepassados
duração total da sessão: 118 min | M/12

MARRACUENE
Moçambique, 1991 – 43 min / versão portuguesa
ADEUS RDA
Moçambique, 1991 – 27 min / versão portuguesa
A ÁRVORE DOS ANTEPASSADOS
Reino Unido, 1994 – 48 min / legendado em português
de Licínio de Azevedo

Foi em MARRACUENE (retrato de uma aldeia abandonada pelos seus habitantes como símbolo de um país devastado pela guerra) que Licínio de Azevedo começou a encarar o terreno documental de um modo menos convencional do que o trabalho que se fazia no Instituto Nacional de Cinema: dando espaço às pessoas para se exprimirem como entendessem em frente à câmara numa “reinterpretação” do seu quotidiano; ensaiando aquela que é ainda hoje, como o próprio cineasta refere, a sua linguagem no cinema documental. ADEUS RDA ocupa um lugar importante na filmografia de Licínio, centrando-se no traumático processo de regresso de dezasseis mil moçambicanos ao seu país depois de uma década de vida (a de oitenta) como trabalhadores migrantes na então Alemanha de Leste. Como ADEUS RDA, filmado para a série da BBC “Developing Stories”, A ÁRVORE DOS ANTEPASSADOS segue igualmente a história de um regresso a Moçambique no termo de um afastamento prolongado: a de um jovem que em 1984 foi enviado para um campo de refugiados no Malawi à semelhança de um milhão e meio de moçambicanos ao longo dos quinze anos de guerra civil. Neste filme, a viagem do protagonista é a de uma tentativa de reconciliação com “a árvore dos antepassados”.

23/12/2015, 18h30 | Sala Luís de Pina
O Espírito do Lugar: Licínio de Azevedo, Cineasta de Moçambique
As Pitas | O Grande Bazar
duração total da sessão: 112 min | M/12

AS PITAS
Moçambique, 1998 – 56 min
O GRANDE BAZAR
com Edmundo Mondlane, Chano Orlando, Chico António, Paíto Tcheco, Manuel Adamo, Manuel Mawelele, Bento Castigo
Moçambique, 2006 – 56 min / legendado em português
de Licínio de Azevedo

AS PITAS e O GRANDE BAZAR são dois títulos de marca ficcional na obra de Licínio e ambos protagonizados por adolescentes. Filmado para televisão, e numa história em que “interfere” a magia como tradição moçambicana, AS PITAS pode referir-se como um relato do quotidiano de quatro jovens amigas numa pequena cidade de Moçambique, que seguem os folhetins televisivos das telenovelas enquanto discutem os problemas comuns da sua vida escolar e amorosa. O GRANDE BAZAR fixa o encontro entre dois miúdos de proveniências sociais, temperamentos e pulsões diferentes no grande mercado africano de Maputo durante uma experiência que os faz tornarem-se amigos enfrentando um inimigo comum.

28/12/2015, 18h30 | Sala Luís de Pina
O Espírito do Lugar: Licínio de Azevedo, Cineasta de Moçambique
Desobediência
de Licínio de Azevedo
com Rosa Castigo, Tomás Sodzai, Isabel José, Eliasse Sodzai
Moçambique, 2002 - 92 min
legendado em português | M/12

Construído nos limites do cinema documental e de ficção que constituem o território por excelência do cinema de Licínio de Azevedo, DESOBEDIÊNCIA é um título fundamental na filmografia do cineasta, e para além dela na do cinema africano. Foram muitos o que viram em DESOBEDIÊNCIA uma “obra inclassificável” ou “o documentário de um documentário ficcionalizado”. O realizador refere-o como um filme devedor da influência da passagem de Godard por Moçambique, designadamente da crença de JLG na reinvenção do cinema a partir das possibilidades tecnológicas do vídeo. Filmado em vídeo, a partir de acontecimentos verídicos e interpretado pelos seus protagonistas no papel de atores (a “personagem” do morto é interpretada pelo irmão gémeo do homem que morreu) trata-se da “reinterpretação” de uma história mas também da imbricação desta na experiência da rodagem do filme, simultaneamente o seu “making of” e a possibilidade de um terreno de catarse. O “enredo” segue a personagem de uma camponesa moçambicana acusada pela família do marido da responsabilidade do seu suicídio por recusa de obediência, do modo como esta se submete e é absolvida em dois julgamentos, face a um curandeiro e face a um juiz em tribunal.

29/12/2015, 18h30 | Sala Luís de Pina
O Espírito do Lugar: Licínio de Azevedo, Cineasta de Moçambique
Hóspedes da Noite
de Licínio de Azevedo
Moçambique, 2007 - 53 min | M/12

Impressionante incursão no passado e no presente moçambicano, também pelo que reflete do que foi a colonização portuguesa, HÓSPEDES DA NOITE concentra-se num dos seus grandes símbolos: o Grande Hotel, na cidade da Beira, o maior hotel de Moçambique na época colonial, de grande ambição arquitetónica e assinalável fausto (350 quartos, suítes luxuosas, uma piscina olímpica), cuja grandeza não durou no entanto muito mais do que uma década, é filmado por Licínio nas ruínas da sua condição presente (sem eletricidade nem água canalizada, habitado por 3500 pessoas, que em alguns casos ali vivem há 20 anos, nos quartos, saguões, corredores, áreas de serviço, na cave). Sombrio, desde logo no título, HÓSPEDES DA NOITE é uma viagem a um espaço concreto e simbólico guiada por dois antigos empregados do hotel.

30/12/2015, 18h30 | Sala Luís de Pina
O Espírito do Lugar: Licínio de Azevedo, Cineasta de Moçambique
A Ilha dos Espíritos
de Licínio de Azevedo
Moçambique, 2009 - 63 min
legendado em português | M/12

A ILHA DOS ESPÍRITOS “é” a ilha de Moçambique, evocada por um historiador e um arqueólogo marítimo, e um painel de personagens comuns como sejam um pescador, um porteiro, uma dançarina, uma colecionadora de capulanas e joias antigas ou uma conhecedora do imaginário dos ilhéus que convivem com seres mágicos. “Uma pequena ilha, uma grande história. Muito antes de dar nome ao país, durante séculos, a Ilha de Moçambique teve um papel fundamental no Oceano Indico, como ponto de escala para navegantes do Oriente e do Ocidente que procuravam alargar as fronteiras do mundo conhecido até então.”