agosto de 2022
dstqqss
31123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031123
45678910
Ciclos
Pesquisa
CICLO
Solveig Nordlund - Um Percurso Singular [conclusão]


Segunda parte da retrospetiva dedicada à obra de Solveig Nordlund. Em julho, destacamos os vários títulos da sua filmografia que estavam inéditos na Cinemateca como IN TRANSIT – JOSÉ PEDRO CROFT, O MEU OUTRO PAÍS, SOU AUTOR DO NOME MIA COUTO, os seus episódios de três séries para a RTP (NÓS POR ELES; NÓS POR ELAS e CONVERSAS DE CABELEIREIRO) e as duas curtas-metragens de produção sueca MENNAMINNE e RESAN TILL ORION. Na conclusão deste programa, merece obviamente uma especial chamada de atenção a apresentação de mais quatro das suas longas-metragens de ficção. COMÉDIA INFANTIL (1998) é, provavelmente, o filme de Solveig Nordlund mais visto e que mais êxito teve. Uma adaptação do livro de Henning Mankel, sobre a história de um rapaz que, depois de ver a sua aldeia destruída pela guerra, foge para Maputo, APARELHO VOADOR A BAIXA ALTITUDE (2001) é a adaptação extremamente eficaz e engenhosa de um conto de ficção científica de J. G. Ballard. A FILHA (2003) é um filme feito e pensado para os seus atores. Situações extremas e ambíguas, brincadeiras perigosas que exigem uma entrega total por parte de quem dá, não só a cara, mas também o corpo. E nesse aspeto quer Nuno Melo quer Joana Bárcia são inexcedíveis. A MORTE DE CARLOS GARDEL (2011), apesar de ser também uma adaptação de uma obra literária (o romance homónimo de António Lobo Antunes), será, porventura o mais autobiográfico dos seus filmes. O Ciclo encerra com uma conversa com Solveig Nordlund sobre o seu percurso e com a exibição do seu primeiro filme a solo, a curta-metragem NEM PÁSSARO NEM PEIXE, ficção que retrata a desilusão de uma certa esquerda, pós-Maio de 68, com o rumo dos acontecimentos em Portugal a seguir ao 25 de Novembro de 1975, o qual será apresentado numa nova versão digital.
Como dissemos na apresentação deste programa em junho, por tudo o que já realizou em cinema, seja ficção (de maior ou menor duração) ou documentário, em Portugal ou na Suécia, a obra de Solveig Nordlund tem uma amplitude e uma riqueza que vale bem a sua (re)descoberta. Será publicado um catálogo.
 
 
08/07/2022, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Solveig Nordlund - Um Percurso Singular [conclusão]

A Morte de Carlos Gardel
de Solveig Nordlund
Portugal, 2011 - 85 min | M/16
 
11/07/2022, 19h30 | Sala Luís de Pina
Ciclo Solveig Nordlund - Um Percurso Singular [conclusão]

Sou Autor do Meu Nome Mia Couto | Música Para Si
duração total da projeção: 107 minutos | M/12
12/07/2022, 19h30 | Sala Luís de Pina
Ciclo Solveig Nordlund - Um Percurso Singular [conclusão]

A Filha
de Solveig Nordlund
Portugal, 2003 - 77 min | M/16
13/07/2022, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Solveig Nordlund - Um Percurso Singular [conclusão]

A Morte de Carlos Gardel
de Solveig Nordlund
Portugal, 2011 - 85 min | M/16
13/07/2022, 21h45 | Esplanada
Ciclo Solveig Nordlund - Um Percurso Singular [conclusão]

Republiken Herrskog | Brandos Costumes
duração total da projeção: 103 min | M/16
08/07/2022, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Solveig Nordlund - Um Percurso Singular [conclusão]
A Morte de Carlos Gardel
de Solveig Nordlund
com Rui Morrison, Carlos Malvarez, Teresa Gafeira, Celia Williams, Maria Arriaga
Portugal, 2011 - 85 min | M/16
Baseado no romance de António Lobo Antunes (é uma primeira adaptação ao cinema de uma obra do escritor), A MORTE DE CARLOS GARDEL tem argumento de Solveig Nordlund, fotografia de Acácio de Almeida. Centra-se na personagem de Nuno, um jovem toxicodependente hospitalizado e em coma, à volta do qual se vão reunindo familiares e as suas memórias. O pai dele, Álvaro, recusa-se a aceitar a sua morte e, sendo um apaixonado por tango, estende o seu estado de delírio crescente à confusão entre um imitador e o seu já desaparecido ídolo argentino Carlos Gardel.

consulte a FOLHA DA CINEMATECA aqui
11/07/2022, 19h30 | Sala Luís de Pina
Solveig Nordlund - Um Percurso Singular [conclusão]
Sou Autor do Meu Nome Mia Couto | Música Para Si
duração total da projeção: 107 minutos | M/12
SOU AUTOR DO MEU NOME MIA COUTO
de Solveig Nordlund
Portugal, 2019 - 52 min

MÚSICA PARA SI
de Solveig Nordlund
com Isabel de Castro
Portugal, 1978 – 55 min

MÚSICA PARA SI é uma das três peças de Franz Xaver Kroetz levadas a cena pela Cornucópia e encenadas por Jorge Silva Melo e Luis Miguel Cintra, de que Solveig Nordlund fez outros tantos filmes (os outros dois foram VIAGEM PARA A FELICIDADE e NOVAS PERSPECTIVAS) . Em todos eles a protagonista está sozinha (ou praticamente) no ecrã.  MÚSICA PARA SI “combina um despojamento bressoniano com uma acumulação de sinais que ‘tapam’ por completo esse despojamento e transformam o filme no acréscimo da mais estrita materialidade. É simultaneamente um filme minimal e maximal, em que tudo se diz com nada e tudo com tudo. E o seu milagre reside no modo como é usada – em contraponto e em eco à música – a figura de repetição” (João Bénard da Costa).  Em SOU AUTOR DO MEU NOME MIA COUTO acompanhamos o dia-a-dia do escritor moçambicano na Beira, percorremos a sua carreira literária, através de conversas íntimas onde nos revela memórias e nos apresenta as figuras que compõem o seu panteão afetivo. Primeira apresentação na Cinemateca. 

consulte a FOLHA DA CINEMATECA de SOU AUTOR DO MEU NOME MIA COUTO aqui

consulte a FOLHA DA CINEMATECA de MÚSICA PARA SI aqui
12/07/2022, 19h30 | Sala Luís de Pina
Solveig Nordlund - Um Percurso Singular [conclusão]
A Filha
de Solveig Nordlund
com Nuno Melo, Joana Bárcia, Margarida Marinho, Cláudio da Silva, Alexandre Falcão, Cecília Guimarães
Portugal, 2003 - 77 min | M/16
Com argumento original da realizadora e de Mário de Carvalho, A FILHA segue a história do desencontro entre um homem de 45 anos (interpretado por Nuno Melo), produtor de televisão de sucesso concentrado na sua carreira, e a sua filha (Joana Bárcia) que, à beira do 18º aniversário, acusa a ausência paterna na sua vida, faz-lhe um ultimato (que ele falha) e abandona a casa forçando uma viagem de procura e tentativa de reconhecimento”.

consulte a FOLHA DA CINEMATECA aqui
13/07/2022, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Solveig Nordlund - Um Percurso Singular [conclusão]
A Morte de Carlos Gardel
de Solveig Nordlund
com Rui Morrison, Carlos Malvarez, Teresa Gafeira, Celia Williams, Maria Arriaga
Portugal, 2011 - 85 min | M/16
Baseado no romance de António Lobo Antunes (é uma primeira adaptação ao cinema de uma obra do escritor), A MORTE DE CARLOS GARDEL tem argumento de Solveig Nordlund, fotografia de Acácio de Almeida. Centra-se na personagem de Nuno, um jovem toxicodependente hospitalizado e em coma, à volta do qual se vão reunindo familiares e as suas memórias. O pai dele, Álvaro, recusa-se a aceitar a sua morte e, sendo um apaixonado por tango, estende o seu estado de delírio crescente à confusão entre um imitador e o seu já desaparecido ídolo argentino Carlos Gardel.

consulte a FOLHA DA CINEMATECA aqui
13/07/2022, 21h45 | Esplanada
Solveig Nordlund - Um Percurso Singular [conclusão]
Republiken Herrskog | Brandos Costumes
duração total da projeção: 103 min | M/16
REPUBLIKEN HERRSKOG
de Hamed Alizadeh
Suécia, 2016 – 32 min / legendado eletronicamente em português

BRANDOS COSTUMES
de Alberto Seixas Santos
com Luís Santos, Dalila Rocha, Sofia de Carvalho, Isabel de Castro
Portugal, 1974 – 71 min | M/12

Filmado em 1972/73, antes do 25 de Abril, no contexto do segundo plano de produção do Centro Português de Cinema, BRANDOS COSTUMES só estrearia nas salas em setembro de 1975. A partir de um argumento de Alberto Seixas Santos, Luíza Neto Jorge e Nuno Júdice, filma-se a morte de um pai de família e dá-se a ver a ascensão e queda do Estado Novo através de imagens de arquivo, parte das quais só seriam acrescentadas ao filme já depois da revolução. Prodigiosamente moderno e radical nos seus propósitos fragmentários, o primeiro filme de Seixas Santos (em que Solveig Nordlund foi assistente de realização e assinou a montagem) é simultaneamente o primeiro dos filmes do 25 de Abril. REPUBLIKEN HERRSKOG é um documentário de curta-metragem sobre requerentes de asilo numa pequena comunidade em Västernorrland, na Suécia. Produzido por Solveig Nordlund e realizado pelo afegão Hamed Alizadeh. Primeira apresentação na Cinemateca.

consulte a FOLHA DA CINEMATECA de REPUBLIKEN HERRSKOG aqui

consulte a FOLHA DA CINEMATECA de BRANDOS COSTUMES aqui