agosto de 2022
dstqqss
31123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031123
45678910
Ciclos
Pesquisa
CICLO
Revisitar os Grandes Géneros: A Ficção Científica [II parte]


Nesta segunda parte da nossa revisão do cinema de ficção científica dedicamo-nos à sua “era moderna”, aquela que se seguiu ao impacto de um filme tão crucial para o género como foi o 2001: A SPACE ODYSSEY de Stanley Kubrick. Tempos, também, em que a evolução tecnológica permitia realizar muitas das fantasias projetadas pela ficção científica ao longo dos tempos, e fazer chegar astronautas à lua. No dealbar da década de 1970, o género estava, forçosamente, diferente do que fora até então. E se desde aí, acompanhando a evolução das técnicas de efeitos especiais, se realizaram algumas das maiores, mais espetaculares e mais lucrativas entradas no género da ficção científica (consagrando a sua passagem da série B à primeira e mais expansiva linha de produção, sobretudo, e como é evidente, no caso do cinema hollywoodiano), não é menos verdade que este período também configura a transformação da ficção científica numa espécie de “léxico”, que serviu a vários autores para explorações de universos e temáticas pessoais que, em muitos casos, prolongam os universos e as temáticas que sempre exploraram, independentemente do género em que se inseriram (e se uma das “regras” que nos autoimpusemos para selecionar os filmes do programa foi a preocupação de não repetir autores, é interessante ver como, na maior parte dos casos, os realizadores constantes no programa fizeram muito poucas, e alguns apenas uma, incursões no género). Poderíamos ter ido sobretudo para o espetáculo da ficção científica, as grandes sagas como a de STAR WARS (mas porquê, se mesmo para o caso de George Lucas há o belíssimo THX 1138?), estabelecer um cânone para a época moderna do género. Preferimos ir à volta disso, e propor um percurso que assinale a forma como, na grande indústria ou na margem dela, a “fc” moderna se constituiu num instrumento, ou num conjunto de instrumentos, para um “discurso de autor”.
 
 
29/07/2022, 19h30 | Sala Luís de Pina
Ciclo Revisitar os Grandes Géneros: A Ficção Científica [II parte]

Melancholia
Melancolia
de Lars von Trier
Dinamarca, 2011 - 135 min
 
29/07/2022, 21h45 | Esplanada
Ciclo Revisitar os Grandes Géneros: A Ficção Científica [II parte]

Body Snatchers
de Abel Ferrara
Estados Unidos, 1993 - 87 min
30/07/2022, 19h30 | Sala Luís de Pina
Ciclo Revisitar os Grandes Géneros: A Ficção Científica [II parte]

High Life
High Life
de Claire Denis
França, Estados Unidos, 2018 - 113 min
29/07/2022, 19h30 | Sala Luís de Pina
Revisitar os Grandes Géneros: A Ficção Científica [II parte]
Melancholia
Melancolia
de Lars von Trier
com Kirsten Dunst, Charlotte Gainsbourg, Kiefer Sutherland
Dinamarca, 2011 - 135 min
legendado em português | M/16
Certamente um dos melhores filmes de Lars von Trier, realizador com tendência a perder-se no seu gosto, quase auto-sabotador, pela provocação. Um enorme asteróide, que os astrónomos baptizaram como Melancolia, está em vias de colidir com a Terra num desastre potencialmente devastador, e essa é a sombra que paira sobre um “estudo de personagens” (femininas, sobretudo: as de Dunst e de Gainsbourg) que tem mais a ver com a literatura (dos clássicos russos a Proust) do que com a tradição da FC, e onde estão os momentos mais singela e modestamente belos da obra do realizador dinamarquês. O grande crítico francês Jean Douchet era um admirador deste filme. Primeira apresentação na Cinemateca.

consulte a FOLHA DA CINEMATECA aqui
29/07/2022, 21h45 | Esplanada
Revisitar os Grandes Géneros: A Ficção Científica [II parte]
Body Snatchers
de Abel Ferrara
com Gabrielle Anwar, Terry Kinney, Billy Wirth
Estados Unidos, 1993 - 87 min
legendado eletronicamente em português | M/16
O primeiro INVASION OF THE BODY SNATCHERS, dirigido em 1956 por Don Siegel, é um dos títulos fulcrais do cinema de ficção científica, depois mil vezes glosado. Remakes expressos houve dois – em 1978, por Philip Kaufman, e em 1993 este BODY SNATCHERS de Abel Ferrara. Uma peça surpreendente e bastante discutida da sua filmografia, que nada deve ao cinema de ficção científica em termos genéricos. Mas visita várias vezes os temas do vampirismo e da possessão, e é no cruzamento entre os elementos do género e as obsessões pessoais de Ferrara que se resolve este singularíssimo filme do cineasta nova-iorquino.

consulte a FOLHA DA CINEMATECA aqui
30/07/2022, 19h30 | Sala Luís de Pina
Revisitar os Grandes Géneros: A Ficção Científica [II parte]
High Life
High Life
de Claire Denis
com Juliette Binoche, Robert Pattinson, Mia Goth
França, Estados Unidos, 2018 - 113 min
legendado em português | M/16
O primeiro filme em língua inglesa da francesa Claire Denis, e uma singular incursão pelos universos e formas da ficção científica. Uma nave espacial, com uma tripulação de criminosos que se voluntariaram para a experiência, é enviada em direção a um buraco negro, para averiguar os efeitos da anti-matéria sobre os organismos humanos. Mas, para Denis, o que importa é a viagem, a coexistência das personagens, o isolamento, e a relação com os (soberbos) décores do interior da nave espacial. Primeira apresentação na Cinemateca

consulte a FOLHA DA CINEMATECA aqui