agosto de 2022
dstqqss
31123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031123
45678910
Ciclos
Pesquisa
CICLO
Revisitar os Grandes Géneros: A Ficção Científica [II parte]


Nesta segunda parte da nossa revisão do cinema de ficção científica dedicamo-nos à sua “era moderna”, aquela que se seguiu ao impacto de um filme tão crucial para o género como foi o 2001: A SPACE ODYSSEY de Stanley Kubrick. Tempos, também, em que a evolução tecnológica permitia realizar muitas das fantasias projetadas pela ficção científica ao longo dos tempos, e fazer chegar astronautas à lua. No dealbar da década de 1970, o género estava, forçosamente, diferente do que fora até então. E se desde aí, acompanhando a evolução das técnicas de efeitos especiais, se realizaram algumas das maiores, mais espetaculares e mais lucrativas entradas no género da ficção científica (consagrando a sua passagem da série B à primeira e mais expansiva linha de produção, sobretudo, e como é evidente, no caso do cinema hollywoodiano), não é menos verdade que este período também configura a transformação da ficção científica numa espécie de “léxico”, que serviu a vários autores para explorações de universos e temáticas pessoais que, em muitos casos, prolongam os universos e as temáticas que sempre exploraram, independentemente do género em que se inseriram (e se uma das “regras” que nos autoimpusemos para selecionar os filmes do programa foi a preocupação de não repetir autores, é interessante ver como, na maior parte dos casos, os realizadores constantes no programa fizeram muito poucas, e alguns apenas uma, incursões no género). Poderíamos ter ido sobretudo para o espetáculo da ficção científica, as grandes sagas como a de STAR WARS (mas porquê, se mesmo para o caso de George Lucas há o belíssimo THX 1138?), estabelecer um cânone para a época moderna do género. Preferimos ir à volta disso, e propor um percurso que assinale a forma como, na grande indústria ou na margem dela, a “fc” moderna se constituiu num instrumento, ou num conjunto de instrumentos, para um “discurso de autor”.
 
 
05/07/2022, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Revisitar os Grandes Géneros: A Ficção Científica [II parte]

Silent Running
O Cosmonauta Perdido
de Douglas Trumbull
Estados Unidos, 1972 - 89 min
 
05/07/2022, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Revisitar os Grandes Géneros: A Ficção Científica [II parte]

Beneath the Planet of the Apes
O Segredo do Planeta dos Macacos
de Ted Post
Estados Unidos, 1970 - 95 min
06/07/2022, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Revisitar os Grandes Géneros: A Ficção Científica [II parte]

Welt am Draht
O Mundo no Arame
de Rainer W. Fassbinder
Alemanha, 1973 - duração total da projeção em duas partes: 212 min | M/12
07/07/2022, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Revisitar os Grandes Géneros: A Ficção Científica [II parte]

Close Encounters of the Third Kind
Encontros Imediatos do Terceiro Grau
de Steven Spielberg
Estados Unidos, 1977 - 137 min
08/07/2022, 15h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Revisitar os Grandes Géneros: A Ficção Científica [II parte]

Invasion of the Body Snatchers
A Invasão dos Violadores
de Philip Kaufman
Estados Unidos, 1978 - 115 min
05/07/2022, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Revisitar os Grandes Géneros: A Ficção Científica [II parte]
Silent Running
O Cosmonauta Perdido
de Douglas Trumbull
com Bruce Dern, Cliff Potts, Ron Rifkin
Estados Unidos, 1972 - 89 min
legendado eletronicamente em português | M/16
Douglas Trumbull (que morreu em fevereiro passado, aos 79 anos) deixou uma marca indelével no cinema de ficção científica como responsável pelos efeitos especiais de filmes como 2001, CLOSE ENCOUNTERS OF THE THIRD KIND ou BLADE RUNNER, entre muitos outros. SILENT RUNNING, um belíssimo filme, foi a primeira das três vezes em que foi ele próprio o realizador. Tem Bruce Dern na pele do “cosmonauta perdido”, a bordo de uma nave-estufa, espécie de Arca de Noé vegetal, que transporta uma extensa variedade de plantas ameaçadas de extinção na Terra (o fundo ecológico da história era, à época, ainda não muito comum). Ficção científica silenciosa, melancólica, vivida em solitário, e um dos grandes filmes subvalorizados dos anos 70 americanos. A exibir em cópia digital.

consulte a FOLHA DA CINEMATECA aqui
05/07/2022, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Revisitar os Grandes Géneros: A Ficção Científica [II parte]
Beneath the Planet of the Apes
O Segredo do Planeta dos Macacos
de Ted Post
com James Franciscus, Kim Hunter, Maurice Evans
Estados Unidos, 1970 - 95 min
legendado eletronicamente em português | M/16
O segundo filme (de um total de cinco) da série original do “Planeta dos Macacos”, iniciada dois anos antes com THE PLANET OF THE APES, de Franklin Schafner. BENEATH THE PLANET OF THE APES é uma exploração curiosa da ideia inicial, com novas personagens enviadas em busca do protagonista do primeiro filme (Charlton Heston, que aqui tem apenas uma pequena participação) e uma série de boas ideias narrativas (uma cidade subterrânea habitada por humanos mutantes) bem resolvidas visualmente, sobretudo pela imaginação e cuidado postos no tratamento cenográfico. A exibir em cópia digital.

consulte a FOLHA DA CINEMATECA aqui
06/07/2022, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Revisitar os Grandes Géneros: A Ficção Científica [II parte]
Welt am Draht
O Mundo no Arame
de Rainer W. Fassbinder
com Klaus Löwitsch, Adrian Hoven, Mascha Rabven, Ivan Desny
Alemanha, 1973 - duração total da projeção em duas partes: 212 min | M/12
legendado eletronicamente em português
105 min (1ª parte) e 107 min (2ª parte) | entre as duas partes há um intervalo de 20 minutos
Baseado num romance de Daniel F. Galouye, WELT AM DRAHT é um filme de ficção científica em duas partes, realizado para a televisão, rodado em Paris, e estreado em outubro de 1973. Uma equipa de cientistas cria um modelo laboratorial que permite simular o modo como a sociedade evoluirá: os seus membros são bonecos vivos, inspirados em pessoas reais. O chefe da equipa de cientistas, assustado com o que fizera, suicida-se e o seu assistente começa a investigar o caso assombrado pelo mundo virtual. Christian Braad Thomsen observou a fidelidade desta minissérie televisiva ao universo de Fassbinder: “O estilo de representação por ele favorecido nunca pareceu tão ‘natural’ como nesta série, na qual os atores devem exibir a tal ‘artificialidade’ que o espectador de cinema comum tantas vezes reprovava nos seus filmes. Neste contexto de ficção científica, os atores de Fassbinder, com os seus movimentos ligeiramente robóticos, os seus olhares fixos e uma forma de falar própria de um locutor televisivo em horas extraordinárias parecem quase naturais.”

consulte a FOLHA DA CINEMATECA aqui
07/07/2022, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Revisitar os Grandes Géneros: A Ficção Científica [II parte]
Close Encounters of the Third Kind
Encontros Imediatos do Terceiro Grau
de Steven Spielberg
com Richard Dreyfuss, François Truffaut, Teri Garr, Melinda Dillon, Bob Balaban
Estados Unidos, 1977 - 137 min
legendado eletronicamente em português | M/12
Um dos melhores filmes de Spielberg e um dos seus primeiros encontros com a ficção científica. A visão de ovnis no céu perturba a pacata existência e o universo familiar da personagem de Richard Dreyfuss. “We are not alone”. O filme de Spielberg força os limites do género. “CLOSE ENCOUNTERS é um filme de celestiais harmonias e de terrestres desordens” (M.S. Fonseca). A apresentar em cópia digital.


consulte a FOLHA DA CINEMATECA aqui
08/07/2022, 15h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Revisitar os Grandes Géneros: A Ficção Científica [II parte]
Invasion of the Body Snatchers
A Invasão dos Violadores
de Philip Kaufman
com Donald Sutherland, Brooke Adams, Jeff Goldblum
Estados Unidos, 1978 - 115 min
legendado eletronicamente em português | M/16
Remake do clássico (e homónimo) filme de Don Siegel, INVASION OF THE BODY SNATCHERS instala-se num mundo e num cinema diferentes, os dos anos 70. E, se as metáforas políticas se tornam, neste contexto, menos importantes (ou mais opacas), a excelente versão de Kaufman (porventura o seu melhor filme, com THE RIGHT STUFF) integra-se lindamente na cinematografia americana daquela década, sobretudo na forma como capta a pulsante realidade das paisagens urbanas – no caso, a cidade de São Francisco. Primeira apresentação na Cinemateca.

consulte a FOLHA DA CINEMATECA aqui