CICLO
Vocês, Que Vivem – Os Filmes de Roy Andersson


Ao contrário do lugar comum, a trajetória de Roy Andersson (nascido em Gotemburgo em 1943) parece confirmar que pode mesmo haver segundas oportunidades para deixar uma boa primeira impressão. Tendo feito uma entrada de leão no cinema sueco depois de uma promissora série de curtas de escola com a longa “UMA HISTÓRIA DE AMOR”, ode à liberdade e ao idealismo adolescente muito sintonizada com o zeitgeist do final dos anos 1960 que se tornou num enorme sucesso de público na Suécia e fora dela, foi rapidamente  posto de lado na sequência do fracasso do filme seguinte. Mistura de géneros com que procurou fugir à obrigação de repetir o êxito do filme anterior, o flop comercial e crítico de GILIAP ditou o seu voluntário afastamento do cinema durante duas décadas e meia, período em que se dedicou quase exclusivamente à realização de centenas de spots publicitários, nos quais acabaria por apurar um estilo visual e uma forma narrativa que no segundo fôlego da sua carreira cinematográfica, iniciado com CANÇÕES DO SEGUNDO ANDAR e quando já tinha chegado aos 57 anos, iria explorar de forma mais profunda e em sucessivas variações, a qual lhe valeram uma improvável e tardia consagração (o Leão de Ouro de Veneza para UM POMBO POUSOU NUM RAMO A REFLECTIR NA EXISTÊNCIA, fizeram dele o segundo filme escandinavo, depois de A PALAVRA de Dreyer, a receber tal distinção) como um dos mais singulares autores do cinema europeu contemporâneo.
Nesse renascimento, Andersson afasta-se do realismo que estava na base da fase anterior do seu trabalho e desenvolve um estilo caracterizado pelo artifício de longos planos fixos gerais a remeter para a construção de um “quadro vivo” hiper realista, com composições laboriosamente concebidas explorando a profundidade de campo e a simultaneidade de ações. Cada um desses quadros é concebido com uma espécie de micro-narrativa autónoma (por vezes, mas nem sempre, estabelecendo ligação com as restantes sequências do filme) mas que constitui como variação da ideia que transversalmente permeia cada nova obra: a visão de uma humanidade essencial (muitas vezes confundida com as classes trabalhadoras) nas suas lutas quotidianas contra as pequenas misérias da existência nas sociedades do bem-estar ocidentais. No contraste entre a erudição dos seus filmes (além da literatura, note-se a influência recorrente da história da pintura nas composições e na iluminação do cenário de cada “cena”, entendida teatralmente e como tal integralmente construído em estúdio, processo de trabalho artesanal e altamente sofisticado que ocupa a maior parte do tempo de produção e o orçamento dos filmes desta segunda fase) e o tom tragicómico destes contos sobre o sentimento trágico da existência frequentemente tendendo ao humor absurdo (o espírito de Beckett não anda longe) joga-se a singularidade dos filmes de Roy Andersson.
Esta retrospetiva praticamente integral (naturalmente mais alargada do que a que o Curtas de Vila do Conde lhe dedicou em 2012) só é possível graças à colaboração da Alambique, distribuidora dos filmes de Roy Andersson desde CANÇÕES DO SEGUNDO ANDAR e que deverá estrear o recente DA ETERNIDADE, que abre o programa, nas salas portuguesas em 15 de outubro. Todos os filmes são primeiras apresentações na Cinemateca.
 
 
01/10/2020, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Vocês, Que Vivem – Os Filmes de Roy Andersson

Om Det Oändliga
Da Eternidade
de Roy Andersson
Suécia, 2019 - 78 min
 
02/10/2020, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Vocês, Que Vivem – Os Filmes de Roy Andersson

En Kärlekshistoria
“Uma História de Amor”
de Roy Andersson
Suécia, 1970 - 115 min
03/10/2020, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Vocês, Que Vivem – Os Filmes de Roy Andersson

Giliap
de Roy Andersson
Suécia, 1975 - 137 min
06/10/2020, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Vocês, Que Vivem – Os Filmes de Roy Andersson

En Kärlekshistoria
“Uma História de Amor”
de Roy Andersson
Suécia, 1970 - 115 min
07/10/2020, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Vocês, Que Vivem – Os Filmes de Roy Andersson

Curtas-Metragens de Roy Andersson
duração total da projeção: 112 min
01/10/2020, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Vocês, Que Vivem – Os Filmes de Roy Andersson
Om Det Oändliga
Da Eternidade
de Roy Andersson
com Bengt Bergius, Anja Broms, Marie Burman
Suécia, 2019 - 78 min
legendado em português | M/12
O mais recente filme de Roy Andersson é uma reflexão sobre a vida humana em toda a sua beleza e crueldade, o seu esplendor e a sua banalidade. Nele deambulamos, como que num sonho, suavemente conduzidos pela voz de uma narradora através de momentos inconsequentes e de eventos históricos: um casal flutua sobre uma cidade devastada pela guerra; a caminho de uma festa de aniversário, um pai pára à chuva para apertar os atacadores dos sapatos da filha; raparigas adolescentes dançam à porta de um café; um exército derrotado marcha para um campo de prisioneiros de guerra. Simultaneamente uma ode e um lamento, DA ETERNIDADE apresenta-nos um caleidoscópio de tudo o que é eternamente humano, uma história infinita da vulnerabilidade da existência. O filme recebeu o Leão de Prata para Melhor Realizador no Festival de Veneza de 2019.
 
02/10/2020, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Vocês, Que Vivem – Os Filmes de Roy Andersson
En Kärlekshistoria
“Uma História de Amor”
de Roy Andersson
com Ann-Sofie Kylin, Rolf Sohlman, Anita Lindblom
Suécia, 1970 - 115 min
legendado eletronicamente em português | M/16
A primeira longa-metragem de Roy Andersson narra a história de Annika (Ann-Sofie Kylin) e Par (Rolf Sohlman), dois adolescentes idealistas a viver o seu primeiro amor. Resistindo à pressão e ao cinismo dos pais e às pressões sociais, o jovem casal deste coming of age cria a sua própria realidade, alheia às tensões do mundo adulto que os rodeia. Tendo conhecido um enorme sucesso à época de estreia, este drama social romântico tornou-se um filme de culto e assim permaneceu mesmo depois do nome de Roy Andersson ter sido quase esquecido durante o longo silêncio que se impôs entre GILIAP e CANÇÕES DO SEGUNDO ANDAR.
 
03/10/2020, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Vocês, Que Vivem – Os Filmes de Roy Andersson
Giliap
de Roy Andersson
com Thommy Berggren, Mona Seilitz, Willie Andréason, Lars-Levi Læstadius
Suécia, 1975 - 137 min
legendado eletronicamente em português | M/16
As atribulações de um criado de hotel numa pequena cidade. Misturando registos (da comédia negra ao drama romântico, com umas pinceladas de film noir), a segunda longa-metragem de Andersson foi à altura da estreia um desastre comercial e crítico pois esta “guinada” em relação ao anterior EN KÄRLEKSHISTORIA desapontava os fãs que esperavam novamente “uma história de amor sueca”. Andersson, frustrado, afastou-se do cinema e não voltou a realizar uma longa-metragem durante 25 anos. Um filme a redescobrir.
 
06/10/2020, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Vocês, Que Vivem – Os Filmes de Roy Andersson
En Kärlekshistoria
“Uma História de Amor”
de Roy Andersson
com Ann-Sofie Kylin, Rolf Sohlman, Anita Lindblom
Suécia, 1970 - 115 min
legendado eletronicamente em português | M/16
A primeira longa-metragem de Roy Andersson narra a história de Annika (Ann-Sofie Kylin) e Par (Rolf Sohlman), dois adolescentes idealistas a viver o seu primeiro amor. Resistindo à pressão e ao cinismo dos pais e às pressões sociais, o jovem casal deste coming of age cria a sua própria realidade, alheia às tensões do mundo adulto que os rodeia. Tendo conhecido um enorme sucesso à época de estreia, este drama social romântico tornou-se um filme de culto e assim permaneceu mesmo depois do nome de Roy Andersson ter sido quase esquecido durante o longo silêncio que se impôs entre GILIAP e CANÇÕES DO SEGUNDO ANDAR.
 
07/10/2020, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Vocês, Que Vivem – Os Filmes de Roy Andersson
Curtas-Metragens de Roy Andersson
duração total da projeção: 112 min
legendados eletronicamente em português | M/16
BESÖKA SIN SON
“Visita ao Filho”
com Maud Backéus, Peter Egge, Lars Karlsteen
Suécia, 1967 – 9 min

HÄMTA EN CYKEL
“Levar a Bicicleta”
com Pierre Bené, Monica Löf
Suécia, 1968 – 17 min

LÖRDAGEN DEN 5.10
“Sábado, 5/10”
com Stefan Böhm, Curt Ericson, Eric Hansson
Suécia, 1969 – 48 min

HÄRLIG ÄR JORDEN
“Linda É a Terra”
com Klas-Gösta Olsson, Lennart Björklund, Christer Christensen
Suécia, 1991 – 14 min

NÅGONTING HAR HÄNT
“Aconteceu Alguma Coisa”
com Klas-Gösta Olsson, Anne Tubin, Lennart Björklund
Suécia, 1993 – 24 min

A sessão reúne um conjunto de cinco curtas-metragens realizadas por Roy Andersson em momentos muito diferentes do seu percurso. As primeiras três foram feitas durante a passagem de Andersson pela escola de cinema e devem muito temática e formalmente à influência das novas vagas (em particular da Europa de Leste). Em BESÖKA SIN SON, um casal vai conhecer, com um olhar muito crítico, a residência universitária do filho. HÄMTA EN CYKEL fala do amanhecer de um jovem casal e de uma bicicleta que tem de ser trazida do sótão.   Igualmente minimal, LÖRDAGEN DEN 5.10 acompanha o quotidiano de um homem ao longo de 24 horas. Feita depois de um longo hiato em que Andersson esteve quase totalmente afastado do cinema, HÄRLIG ÄR JORDEN é a curta que anuncia a segunda fase da obra do realizador com o recurso a narrativas fragmentárias, tom tragicómico, longos planos fixos e composições de inspiração pictórica que, a partir de CANÇÕES DO SEGUNDO ANDAR, se tornaram a sua assinatura de autor imediatamente reconhecível. NÅGONTING HAR HÄNT é um filme educativo sobre a SIDA encomendado a Andersson pelo Ministério da Saúde da Suécia mas que acabou por não ser difundido por causa do seu conteúdo controverso.