CICLO
Duplos e Gémeos


A ideia deste ciclo é percorrer filmes cuja narrativa explore o tema do “duplo”, fazendo com que o ator principal represente dois papéis diferentes ou, de certa forma, duas vezes o mesmo papel. Este tema foi ilustrado no cinema através de diversas formas narrativas: filmes em que a personagem principal se desdobra noutra, em casos de dupla personalidade, de que a história do Dr. Jekyll e Mr. Hyde é o exemplo mais célebre; filmes em que o protagonista assume a personalidade alheia numa impostura assumida, antes de ser desmascarado ou revelar a verdade; filmes em que o protagonista julga ver num interlocutor um duplo ou uma reencarnação de um amor passado; ou filmes em que o/a protagonista tem um/a gémeo/a, cuja personalidade costuma ser muito diferente da sua e nos quais, muitas vezes, um dos gémeos mata o outro e assume, enquanto pode, o papel dos dois. O tema, nas suas diversas variantes, é tão antigo como o cinema, foi abordado nas cinematografias mais variadas (a alemã dos anos 1920, a de Bollywood dos anos 1970) e pode ser encontrado em filmes com altas ambições artísticas, assim como em melodramas descabelados, filmes de terror, de aventura, comédias e até em parábolas políticas, como poderemos constatar ao longo do ciclo. Cineastas tão diferentes como Friedrich W. Murnau (o perdido DER JANUSKOPF), Sacha Guitry (LA VIE D’UN HONNÊTE HOMME), Terence Fisher (THE TWO FACES OF DR. JEKYLL), Julien Duvivier (THE IMPOSTOR), Robert Mulligan (THE OTHER) ou Jean Renoir (LE TESTAMENT DU DOCTEUR CORDELIER) abordaram o tema, que também está no cerne de um dos filmes mais célebres de Alfred Hitchcock, VERTIGO. Pelo que têm de óbvio, este ciclo evita deliberadamente as diversas versões do tema do Dr. Jekyll, que suscitou dezenas de filmes que justificariam um programa exclusivamente dedicado às variantes do romance de Robert Louis Stevenson. Começamos com um grande clássico do cinema mexicano, LA OTRA, e prosseguimos com a mais célebre dupla cómica da história do cinema, Laurel and Hardy / Bucha e Estica, com três filmes em que se desdobram em variações de si mesmos. Podemos também ver ou rever um dos filmes protagonizados por Bette Davis sobre o tema das gémeas, DEAD RINGER, antes de percorrermos uma série de títulos relativamente pouco vistos do período clássico (que genericamente pertencem à categoria do filme negro), até chegarmos a produções mais próximas de nós, totalmente díspares, incluindo um filme de artes marciais. Desde que Georges Méliès descobriu, em finais do século XIX, que há “efeitos especiais” no cinema, sabemos que há coisas que “só no cinema” podem existir. Uma delas é ver um ator a dialogar consigo mesmo, em dois papéis diferentes, fenómeno cinematográfico de que este ciclo é uma pequena amostra.
 
 
01/10/2020, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Duplos e Gémeos

La Otra
A Sombra da Outra
de Roberto Gavaldón
México, 1946 - 98 min
 
02/10/2020, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Duplos e Gémeos

The Lady Eve
As Três Noites de Eva
de Preston Sturges
Estados Unidos, 1941 - 94 min
03/10/2020, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Duplos e Gémeos

Dead Ringer
A Morte Bate Três Vezes
de Paul Henreid
Estados Unidos, 1964 - 115 min
03/10/2020, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Duplos e Gémeos

Brats | Twice Two | Our Relations
duração total da sessão: 110 min | M/12
06/10/2020, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Duplos e Gémeos

Dead Ringers
Irmãos Inseparáveis
de David Cronenberg
Canadá, 1988 - 115 min
01/10/2020, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Duplos e Gémeos
La Otra
A Sombra da Outra
de Roberto Gavaldón
com Dolores del Rio, Agustín Irusta, Víctor Junco
México, 1946 - 98 min
legendado eletronicamente em português | M/12
Depois de ter feito carreira em Hollywood nos anos 1920 e 30, a mexicana Dolores del Rio regressou em 1943 ao seu país natal, onde seria uma vedeta absoluta, vista como a encarnação da beleza e da elegância, numa cinematografia que é, em parte, decalcada da americana e na qual não faltavam talentos e muita competência técnica. Em LA OTRA, Dolores del Rio interpreta o papel de duas irmãs gémeas, uma rica e cínica, a outra pobre e trabalhadora. A primeira enviúva e herda toda a fortuna do marido, a outra mata-a e assume o seu lugar, mas acaba enredada nos crimes que a irmã cometera por debaixo da fachada respeitável. No cerne do argumento está o tema da transferência da culpa, pois a protagonista é perseguida por um crime que não cometera e não por aquele que comete. Como é regra no cinema mexicano clássico, a fotografia é magnífica e dá forma visual aos conflitos e sentimentos das personagens, num filme que nunca assume um tom melodramático e cuja mise en scène é soberba. Primeira apresentação na Cinemateca, em cópia digital.
 
02/10/2020, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Duplos e Gémeos
The Lady Eve
As Três Noites de Eva
de Preston Sturges
com Henry Fonda, Barbara Stanwyck, Charles Coburn, Eugene Pallette, William Demarest, Eric Blore
Estados Unidos, 1941 - 94 min
legendado eletronicamente em português | M/12
Uma das mais divertidas comédias americanas da década de 1940 e um dos títulos que fizeram reavaliar a obra de Preston Sturges muitos anos depois. Vagamente baseado em Two Bad Hats de Monckton Hoffe, que foi igualmente o seu título de trabalho, THE LADY EVE é profuso em jogos de duplos, máscaras e subentendidos. No papel de uma vigarista que faz dupla com o pai procurando seduzir um milionário que regressa de uma expedição no Amazonas mais interessado em cobras do que em mulheres, Barbara Stanwyck transforma-se em Lady Eve.
 
03/10/2020, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Duplos e Gémeos
Dead Ringer
A Morte Bate Três Vezes
de Paul Henreid
com Bette Davis, Karl Malden, Peter Lawford
Estados Unidos, 1964 - 115 min
legendado eletronicamente em português | M/12
Realizado por Paul Henreid, que encarna o heroico resistente casado com Ingrid Bergman em CASABLANCA, DEAD RINGER (um dos sentidos da palavra ringer é impostor) adapta a mesma história de Rian James que serviu de base a LA OTRA, de Roberto Gavaldón: duas irmãs gémeas, uma rica e uma remediada, encontram-se no funeral do marido da primeira, depois de 18 anos sem se verem. Velhos rancores vêm à tona, uma mata a outra e assume o seu lugar, mas acaba por ser desmascarada. Embora realizado num período em que Bette Davis representava papéis de megera cada vez mais exagerados (WHATEVER HAPPENED TO BABY JANE?, HUSH… HUSH, SWEET CHARLOTTE), o filme evita qualquer excesso e a narrativa desenrola-se num tom sóbrio, mostrando a protagonista como uma vítima de si mesma. DEAD RINGER não é mostrado na Cinemateca desde 2006. A apresentar em cópia digital.
 
03/10/2020, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Duplos e Gémeos
Brats | Twice Two | Our Relations
duração total da sessão: 110 min | M/12
legendados eletronicamente em português
BRATS
de James Parrott
com Stan Laurel, Oliver Hardy
Estados Unidos, 1930 – 20 min

TWICE TWO
de James Parrott
com Stan Laurel, Oliver Hardy
Estados Unidos, 1933 – 20 min

OUR RELATIONS
Irmãos Gémeos
de Harry Lachman
com Stan Laurel, Oliver Hardy
Estados Unidos, 1936 – 70 min

Stan Laurel e Oliver Hardy, rebatizados Bucha e Estica em Portugal, formam sem dúvida a dupla mais célebre da história do cinema, com um físico muito contrastante e um comportamento muito semelhante. Nos três filmes do programa, o duo desdobra-se e cada um deles encarna uma outra personagem, além da própria. Em BRATS (literalmente, “crianças chatas”), o duo anda às voltas com os seus filhos, encarnados por miniaturas deles mesmos. Em TWICE TWO, cada um casou com a irmã do outro e encarna este papel num jogo de simetrias perfeito, ao passo que em OUR RELATIONS cada um deles tem um irmão gémeo que reencontra depois de muitos anos, o que os meterá em grandes confusões. Saído da fabulosa escola do cinema burlesco mudo americano, o mais simpático par de incompetentes da história do cinema pode ser visto em dose dupla neste programa. Primeiras apresentações na Cinemateca, em cópias digitais.
 
06/10/2020, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Duplos e Gémeos
Dead Ringers
Irmãos Inseparáveis
de David Cronenberg
com Jeremy Irons, Geneviève Bujold, Heidi von Palleske
Canadá, 1988 - 115 min
legendado eletronicamente em português | M/16
Baseado num romance de Bari Wood, DEAD RINGERS marca uma mudança no cinema de Cronenberg, como especificou o realizador, porque “é um drama realista, ao passo que os meus outros filmes são considerados filmes de terror ou ficção científica. Em todos os filmes com gémeos que conheço, um dos dois é a encarnação do mal, ao passo que o outro é um indivíduo banal. Não é o caso no meu filme”. De facto, em DEAD RINGERS os gémeos não são idênticos apenas por fora, também o são por dentro. Ambos são ginecologistas e aproveitam-se do facto de serem idênticos para manipularem as suas pacientes. A fusão entre os irmãos é de tal ordem que quando um deles cai numa forma de toxicodependência e tem alucinações o segundo toma as mesmas drogas, para saírem juntos do pesadelo. No desenlace, um pede para ser “libertado” do outro. O desempenho de Jeremy Irons no duplo papel foi especialmente elogiado, pelo facto de os irmãos não terem um comportamento contrastante, como é regra nos filmes com gémeos, o que torna a fusão entre ambos ainda mais impressionante. Não é mostrado na Cinemateca desde 2010. A apresentar em versão digital.