CICLO
A Cinemateca com o Doclisboa: A Viagem Permanente – O Cinema Inquieto da Geórgia


A habitual parceria entre a Cinemateca e o Doclisboa é este ano concretizada com uma extensa retrospetiva dedicada a uma cinematografia, a da Geórgia.   Constituída por obras inéditas na Cinemateca (as únicas duas excepções são “VELHAS CANÇÕES GEORGIANAS” e “O SAL DA SVANÉCIA”), esta viagem cinematográfica inicia-se nos anos 1910 e prolonga-se aos dias de hoje, atravessando todas as épocas do cinema georgiano dos primórdios à atualidade, destacando-se naturalmente a riquíssima produção feita durante o período em que o território integrou a URSS. A maioria dos filmes é exibida em versões digitais restauradas pelo Georgian National Film Center e nas versões originais em georgiano. O texto de apresentação e as notas que se seguem são da autoria de Marcelo Felix, que, pela equipa do Doclisboa, esteve na base do programa apresentado pelas duas entidades.
 
O cinema georgiano tem nos últimos anos despertado crescente atenção e expectativa internacional, talvez surpreendente dada a dimensão do país e a sua complexa situação política recente. Perto de celebrar três décadas de independência, a Geórgia foi, na sua longa existência, conhecida pela diversidade física, humana e cultural. O país, que a si mesmo se chama Sakartvelo (terra dos cartevélios), território dos antigos reinos da Cólquida e da Ibéria, alternou períodos de independência com outros de ocupação e incorporação por romanos, persas, mongóis, otomanos e russos. Não obstante, soube preservar a sua cultura única, formada por uma geografia e história que favoreceram simultaneamente o isolamento e o cosmopolitismo.   
Falar de cinema georgiano é falar também, na maior parte da sua existência, de cinema soviético. A Revolução agitou tanto o Cáucaso profundo como as camadas da sociedade georgiana modernizadas pela influência russa, as quais renovariam a sua integração e relevância no contexto da URSS. Uma minoria de bolcheviques georgianos (entre os quais um certo Iosseb Djugachvili, mais conhecido pelo nome de guerra russificado, Iossif Stalin) está na vanguarda da incorporação do país na esfera soviética, mas a participação nas dinâmicas desta é protagonizada pela Geórgia: poliglota, desenvolta e proeminente na União, e ao mesmo tempo culturalmente distinta e irredutível. A sua arte, incluindo o cinema, logo se torna um exemplo vibrante dessa excepcionalidade.
A adesão de muitos cineastas à causa revolucionária levou-os a indagar a realidade das regiões mais remotas do seu país. Perscrutando as campanhas caucasianas do Império Russo no século precedente, Nikoloz Chenguelaia evocou em ELISSO a população que já não habitava a região. As terras altas da Suanécia e da Ratcha, visitadas por Mikhail Kalatozov e Nutsa Gogoberidze, simbolizavam a dureza de uma vida primitiva com tradições e valores que persistiram até hoje, como nos conta um filme como DEDE. Na modernidade do gesto e das escolhas, o cinema georgiano assumia a vanguarda da arte da sua época. A sofisticação da estrutura narrativa em TARIEL MKLAVADZIS MKVLELOBIS SAKME é surpreendente, e TCHEMI BEBIA sintetiza febrilmente a sátira revolucionária com as linguagens futurista, expressionista e surrealista, a que acrescenta sequências com imagem animada.
O estalinismo estancou essa energia e a Geórgia mobilizou-se para os horrores da guerra, que não chegou ao seu território mas que lhe custou a perda de 350 mil vidas em combate. O cinema georgiano renasce com o Degelo e uma geração de cineastas formada em Moscovo: Abuladze, Tchkheidze, Gogoberidze, Iosseliani, Essadze, Kvirikadze, os irmãos Eldar e Guiorgui, filhos de Nikoloz Chenguelaia. Produção georgiana, MAGDANAS LURDJA foi o primeiro filme soviético premiado em Cannes, antes de em 1958 o veterano Kalatozov conseguir para a URSS a sua única palma de ouro (para longa-metragem) no mesmo festival. Nas três décadas seguintes, a ficção, o documentário e a animação dos cineastas georgianos refletiriam sobre a condição de uma sociedade dividida entre as oportunidades e os limites do império.
Nos anos seguintes à independência, com o jovem país depauperado e mergulhado em várias guerras civis, era urgente filmar, mas também muito difícil. A escassa produção da época será compensada quando a gradual estabilização política da sociedade georgiana permite o investimento estratégico na cultura. A história destas três décadas tem sido abordada por uma variedade de filmes cujo retrato caleidoscópico do país em construção revela a continuidade da tradição de relevância social e artística do cinema georgiano.
Em dez dias será possível aflorar apenas algumas obras e caminhos desse cinema que em Portugal foi quase sempre essencialmente apercebido de relance. Programámos autores influentes (Kalatozov, Abuladze, cujo MONANIEBA foi o filme-símbolo da Perestroika, Iosseliani e Paradjanov, de nacionalidade complicada), sem querer destacar as suas filmografias. Algumas ausências serão mais notadas (Mikheil Tchiaureli, cineasta oficial do estalinismo, cuja obra merece outro foco, e Guiorgui Danelia, talvez o realizador georgiano mais popular na URSS), outras (Nana Mtchedlidze, autora do magnífico IMERULI ESKIZEBI) deviam sê-lo. No panorama contemporâneo tivemos de sacrificar uma escolha mais ampla em função dos limites acrescidos de uma retrospetiva abrangente. Temur Babluani, Zaza Uruchadze e Levan Koguachvili, autores mais visíveis que a grande maioria dos seus contemporâneos, ficaram de fora, assim como vários nomes recentes com obras que poderiam ter sido incluídas.
O critério da acessibilidade não teve grande peso no caso da animação. É possível visionar, sobretudo na Internet, obras dos realizadores selecionados (e de outros que não o puderam ser, como o pioneiro Vladimer Mudjiri). Mas, além de tudo o que significa devolver ao grande ecrã um filme como GOGONA DA CHADREVANI de Sulakauri, a sua passagem lembra a urgência da recuperação e visibilidade da obra deste e de outros cineastas da animação georgiana.
A seleção agora apresentada pelo Doclisboa em parceria com a Cinemateca Portuguesa é apoiada pelo Centro Nacional do Cinema Georgiano, que disponibiliza várias cópias restauradas no âmbito do processo de preservação em curso. Este é fruto do acordo entre Geórgia e Rússia para o regresso a Tbilissi do seu património cinematográfico. É também uma oportunidade para sinalizar a importância de cada filme a exibir, num contexto onde o precário estado das cópias ou a sua indisponibilidade pura e simples condicionam qualquer programação. Ao mesmo tempo, esse percurso de retorno sublinha a vocação viajante de um cinema caracteristicamente reflexivo, cuja descoberta pode, esperamos, levar a uma relação mais atenta e profunda com a sua história e a sua actualidade. Ambas inquietas.    
 
 
30/10/2020, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo A Cinemateca com o Doclisboa: A Viagem Permanente – O Cinema Inquieto da Geórgia

Ein Kriegswiegenlied | Dede
duração total da projeção: 106 min | M/12
 
31/10/2020, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo A Cinemateca com o Doclisboa: A Viagem Permanente – O Cinema Inquieto da Geórgia

Gogona da Chadrevani | Grdzeli Nateli Dgueebi
duração total da projeção: 111 min | M/12
31/10/2020, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo A Cinemateca com o Doclisboa: A Viagem Permanente – O Cinema Inquieto da Geórgia

Tariel Mklavadzis Mkvlelobis Sakme
“O Caso de Tariel Mklavadze”
de Ivane Perestiani
URSS, 1925 - 98 min
31/10/2020, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo A Cinemateca com o Doclisboa: A Viagem Permanente – O Cinema Inquieto da Geórgia

En Chemin / Gzaze | Okros Dzapi
duração total da projeção: 103 min | M/12
30/10/2020, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
A Cinemateca com o Doclisboa: A Viagem Permanente – O Cinema Inquieto da Geórgia
Ein Kriegswiegenlied | Dede
duração total da projeção: 106 min | M/12
O Cáucaso Profundo 3
EIN KRIEGSWIEGENLIED
“Canção de Embalar com Armas”
de Iana Ugrekhelidze
Alemanha, 2019 – 9 min / legendado em inglês e eletronicamente em português

DEDE
de Mariam Khatchvani
com Natia Vibliani, Guiorgui Babluani, Guirchel Tchelidze, Nukri Khatchvani
Geórgia, Croácia, Reino Unido, Irlanda, 2017 – 97 min / legendado em inglês e eletronicamente em português

Nas montanhas da Svanécia, uma jovem viúva resiste a separar-se do filho, a quem deve abandonar se for reclamada por um pretendente. Duas tragédias levaram-na a essa situação, que não parece prestes a melhorar. Drama convicto, iniciado em 1992 na guerra com a Abecásia, DEDE (Mãe em língua suana) assinala a persistência na região de uma violência arcaica sobre a mulher, assim como da natureza grandiosa e dos trilhos difíceis que o filme incorpora na narrativa. A abrir a sessão, EIN KRIEGSWIEGENLIED evoca a guerra civil na Abecásia, com a expulsão das famílias georgianas da capital, Sukhumi, em 1993. Os residentes em fuga, incluindo muitas crianças, são os protagonistas desta animação de colagens baseada em imagens dos acontecimentos.
 
31/10/2020, 15h30 | Sala M. Félix Ribeiro
A Cinemateca com o Doclisboa: A Viagem Permanente – O Cinema Inquieto da Geórgia
Gogona da Chadrevani | Grdzeli Nateli Dgueebi
duração total da projeção: 111 min | M/12
A Difícil Liberdade 1
GOGONA DA CHADREVANI
“A Menina e a Fonte”
de Karlo Sulakauri
URSS, 1967 – 9 min / legendado eletronicamente em português e inglês

GRDZELI NATELI DGUEEBI
“Eka e Natia”
de Nana Ekvtimichvili e Simon Gross
com Lika Babluani, Mariam Bokeria, Zurab Gogaladze, Data Zakareichvili
Geórgia, Alemanha, França, 2013 – 102 min / legendado em inglês e eletronicamente em português

Em GOGONA DA CHADREVANI a menina que brinca com os astros recebe de presente uma tempestade e um mundo novo, com flores, água e uma companhia especial. A obra de Karlo Sulakauri (1924-2000), expoente da animação de marionetas do seu país, distingue-se por uma ternura não isenta de ironia, que neste filme dá lugar à expressividade lírica – e à firmeza – da sua protagonista. Em GRDZELI NATELI DGUEEBI, duas adolescentes, Eka e Natia, vão preservando a sua amizade na Tbilissi de 1992, abalada pela guerra civil e o rescaldo de um golpe de estado. Narrativa de crescimento acelerado e ilusões desfeitas, o filme é também uma crónica da resistência pessoal à lógica da violência. Esse questionamento, comum a uma parte do cinema georgiano contemporâneo, é o que abranda as histórias e a sua vertigem, para preservar a evocação dos longos dias claros do título original.   

consulte aqui a FOLHA DA CINEMATECA
31/10/2020, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
A Cinemateca com o Doclisboa: A Viagem Permanente – O Cinema Inquieto da Geórgia
Tariel Mklavadzis Mkvlelobis Sakme
“O Caso de Tariel Mklavadze”
de Ivane Perestiani
com Kote Mikaberidze, Nato Vatchnadze, Mito Kadaguidze, Mikheil Kalatozichvili
URSS, 1925 - 98 min
mudo, legendado em inglês e eletronicamente em português | M/12
O Cáucaso Profundo 4
Tariel Mklavadze, príncipe violento e devasso, tenta apoderar-se de uma desconhecida sem olhar a consequências. Três futuros nomes de peso do cinema georgiano, os realizadores Mikaberidze e Kalatozov e a atriz Nato Vatchnadze, estrela por excelência do cinema soviético nos anos 1920-30, participam deste filme fascinante, cuja narrativa em flashback envolve o espectador numa reflexão sobre o enredo, as personagens e as considerações do autor.
 
31/10/2020, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
A Cinemateca com o Doclisboa: A Viagem Permanente – O Cinema Inquieto da Geórgia
En Chemin / Gzaze | Okros Dzapi
duração total da projeção: 103 min | M/12
Georgia on My Mind 2
EN CHEMIN / GZAZE
“A Caminho”
de Mikheil Kobakhidze
com Cyr Chevalier
França, 2003 – 13 min / legendado em inglês e eletronicamente em português

OKROS DZAPI
“O Fio Dourado”
de Lana Gogoberidze
com Temiko Tchitchinadze, Nana Djordjadze, Guranda Gabunia, Zura Kipchidze
Geórgia, França, 2019 – 90 min / legendado em inglês e eletronicamente em português

Um viajante carregado de bagagem na praia deserta, às voltas com a vida dos objetos e a agitação dos elementos. Com EN CHEMIN, o cinema de Mikheil Kobakhidze retoma o caminho interrompido e despede-se com um olhar expectante. A Viagem Permanente do inquieto cinema georgiano prossegue com OKROS DZAPI, o mais recente filme de Lana Gogoberidze. Uma escritora octogenária, confinada em casa da família por razões de saúde, tem de partilhar o espaço com a sogra da filha. A sogra, com um princípio de demência, havia sido uma orgulhosa funcionária soviética e ainda lamenta o país perdido. Já a escritora reconsidera o seu passado e presente, estimulada pelo interesse de um antigo apaixonado. Estreado em Tbilissi em dezembro último, o filme sonda os sentimentos e as razões de um país à procura do seu destino.