julho de 2020
dstqqss
2829301234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930311
2345678
PROGRAMA
Ciclos
Pesquisa
CICLO
Melodramas / Histórias do Cinema, Post-Scriptum


No passado mês de junho, o Ciclo “O Esplendor do Melodrama” foi completado por cinco sessões-conferência de Mário Jorge Torres sobre o tema “O Melodrama do Trágico ao Operático”, em que, por sua escolha, se apresentaram MAGNIFICENT OBSESSION de Douglas Sirk, VAGHE STELLE DELL’ORSA… de Luchino Visconti, YOSHIWARA de Max Ophuls, WHEN TOMORROW COMES de John M. Stahl e I’VE ALWAYS LOVED YOU de Frank Borzage. Devido à afluência de público para a projeção de YOSHIWARA e ao facto de a cópia 35 mm de I’VE ALWAYS LOVED YOU, proveniente da UCLA, ter ficado retida na alfândega, estes dois filmes são novamente programados como uma extensão de “O Esplendor do Melodrama” e das suas respetivas “Histórias do Cinema”. Mário Jorge Torres fará uma breve apresentação no início de cada uma das sessões.
 
 
02/09/2019, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Melodramas / Histórias do Cinema, Post-Scriptum

Yoshiwara
de Max Ophuls
França, 1937 - 88 min
 
03/09/2019, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Ciclo Melodramas / Histórias do Cinema, Post-Scriptum

I’ve Always Loved You
Sempre Gostei de Ti
de Frank Borzage
Estados Unidos, 1948 - 117 min
02/09/2019, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Melodramas / Histórias do Cinema, Post-Scriptum
Yoshiwara
de Max Ophuls
com Pierre-Richard Wilm, Michiko Tanaka, Sessue Hayakawa
França, 1937 - 88 min
legendado eletronicamente em português | M/12
sessão apresentada por Mário Jorge Torres
Com a chegada dos nazis ao poder, Max Ophuls deixou a Alemanha e, até partir para os Estados Unidos em 1939, realizou oito filmes em França, um na Itália e um na Holanda. YOSHIWARA é um dos menos conhecidos destes filmes. Trata-se de um melodrama “exótico”, ambientado no bairro da prostituição em Tóquio. Em 1890, uma mulher de origem nobre é forçada a trabalhar como gueixa para sustentar a família. Apaixonado por ela, um homem que puxa um riquexó tenta reunir a quantia de dinheiro necessária para resgatá-la, mas ao perceber que ela está apaixonada por um tenente russo denuncia-os. Michele Mancini, um dos admiradores do filme, menciona entre as características do estilo de Ophuls visíveis em YOSHIWARA “a ilusão, a circularidade, o gosto pelas máquinas e os artifícios teatrais e a extraordinária féerie visual de algumas passagens”.
 
03/09/2019, 19h00 | Sala M. Félix Ribeiro
Melodramas / Histórias do Cinema, Post-Scriptum
I’ve Always Loved You
Sempre Gostei de Ti
de Frank Borzage
com Philip Dorn, Catherine McLeod, Maria Ouspenskaya
Estados Unidos, 1948 - 117 min
legendado eletronicamente em português | M/12
sessão apresentada por Mário Jorge Torres
Um espantoso melodrama a cores, realizado por um dos mestres absolutos do género, sobre a paixão não correspondida de uma jovem por um grande pianista (Philip Dorn é “dobrado” ao piano por Arthur Rubinstein). Mas, como indica o título, a chama deste amor permanece através do tempo. O surpreendente final, em que o par “comunica” à distância, quase por telepatia, sublima as regras do género. João Bénard da Costa escreveu que “quem ficar enfeitiçado por este filme extremo, só pode ir de surpresa em surpresa, de êxtase em êxtase, até ao delirante final e amar este filme de excessos, portentoso vaso comunicante de uma teia infinita de cumplicidades, a mais paroxística e demencial das afirmações da arte de Borzage”.